A luta não terminou, secretário

07/02/2012 at 18:50 90 comentários

As declarações do secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, de que o Governo de SP teria vencido a disputa judicial que trava com a APEOESP para não aplicar a jornada prevista na lei do piso salarial profissional nacional (lei federal 11738/08), demonstram que ele não está bem informado sobre o processo e não conhece os ritos judiciais.

A APEOESP conquistou em 31 de janeiro sentença favorável no mandado de segurança coletivo que impetrou contra o secretário pela não aplicação da lei e está sentença é válida. Ao dar uma decisão provisória, o Tribunal de Justiça do Estado,  apenas concedeu à Secretaria da Educação que não tenha que aplicar a sentença imediatamente, enquanto sua apelação é julgada. Em seu mérito, a causa continua favorável à APEOESP e aos professores. A SEE, portanto, não venceu nada.

Seria interessante que a Procuradoria Geral do Estado pudesse explicar os fatos jurídicos ao secretário da Educação, para que ele pudesse dar declarações mais sensatas. Poderia dizer-lhe, por exemplo, que a APEOESP ainda pode levar esta causa aos tribunais federais (Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal) e é, sem dúvida, o que faremos caso venhamos a ter um percalço no âmbito da justiça estadual.

O secretário fala de uma suposta campanha de desinformação na rede estadual, mas não somos nós, da APEOESP, que divulgamos apressadas conclusões, sem citar as fontes dessas afirmações. Nossos textos, publicados em nosso portal, boletins e demais informativos contêm a reprodução das decisões judiciais e outros itens do processo, assim os distribuímos á imprensa sempre que solicitados.

A lei 11.738/08 é uma conquista dos professores brasileiros como resultado de uma luta de dois séculos. Nós, professores paulistas, dela participamos. Agora, como podemos abrir mão deste direito? Além de tudo, somos conscientes de que a composição da jornada docente prevista na lei do piso (no Estado de São Paulo a jornada integral – 40 horas – deve ter 26 aulas e 14 horas dedicadas ao Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo e ao Horário de Trabalho Pedagógico em Local de Livre Escolha) é fundamental para a qualidade do ensino nas escolas estaduais.

A Resolução SE 8, editada pela Secretaria, é ilegal. Se criam uma nova jornada de 48 horas na qual trabalhamos todos os minutos que não eram antes contabilizados, que nos paguem a diferença, inclusive os atrasados. Mas não é esta a discussão que queremos fazer. 

Ocorre que o secretário da Educação não conhece as questões específicas da educação básica e desconhece as necessidades da rede estadual de ensino. Por esta razão, se apega a manobras aritméticas, como muito bem qualificou o juiz Luiz Fernando Vidal, autor da sentença judicial, para fugir se sua responsabilidade de aplicar a lei corretamente.

Na verdade, ele não conhece devidamente a Resolução 18, de 2008. Ele utiliza artifício criado pela própria administração, em 2008, quando necessitou ampliar a matriz curricular sem fazer o necessário debate sobre os tempos e espaços escolares, contra os professores. Quando é que o secretário irá enfrentar a reflexão e o debate verdadeiros sobre a questão pedagógica e sobre a valorização dos profissionais da educação?

O secretário da Educação tem a formação de engenheiro mecânico e deve ser muito competente e capaz nesta área. Contudo, não consegue transferir sua capacidade e seu conhecimento para o campo da política e do relacionamento institucional. São poucos os que têm esta habilidade.

Diante deste quadro, nós, professores, estamos voltando às ruas. A luta pela nossa dignidade profissional é agora. A luta pela qualidade do ensino nas escolas estaduais continua.

Maria Izabel Azevedo Noronha
Professora da rede estadual de ensino
Presidenta da APEOESP – Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo
Membro do Conselho Nacional de Educação
Membro do Fórum Nacional de Educação

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Agora vamos para Brasília! Professoras conquistam liminares pela jornada do piso

90 Comentários Add your own

  • 1. Ivan - não sou professor  |  07/02/2012 às 19:13

    Quero ver esse processo ir para o supremo, não vejo a hora de ler na decisão dos ministros. — Quando o legislador falou em trabalho extra classe, ele não quiz falar em hora de tráfego de uma sala para outra…… Vai ser muito bom ver o PSDB derrotado. Agora que os professores reflitam sobre quem vão votar na proxima eleição, que partidos que eles vão fortalecer.

    Responder
  • 2. Prof. Alexandre Rodrigues - Embu das Artes  |  07/02/2012 às 20:36

    Boa tarde, Maria Izabel!
    Há uma previsão para o julgamento dessa apelação?
    Tenho mantido os professores da escola onde atuo informados, pois neste momento não temos um professore representante junto à APEOESP.

    Responder
    • 3. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:53

      Prezado professor Alexandre,
      Agora somos nós quem estamos ingressando com recurso, e trabalhando para que seja julgado o mais urgente possível.
      Bebel

      Responder
  • 4. Lucas  |  07/02/2012 às 20:45

    Onde fica a lei do piso para um professor que já tinha as 32 aulas como no caso na disciplina de Arte. Leve este questionamento para o Juíz.
    A lei é federal é para todos os docentes. Se a lei foi feita para a melhoria da qualidade de ensino, onde está essa mudança?Tirando uma aula de uma professor que tinha 33 muda alguma coisa? e no caso de um professor que tinha 32? Com essa resolução não muda nada.

    Leve esse questionamento na justiça.
    Peça para o Secretario nos informar onde esta a mudança de melhoria da qualidade com essa resolução. Que tempo o professor terá para seus planejamentos, correções e preparações de aulas?

    Responder
    • 5. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:56

      Prezado professor Lucas,
      Muito obrigada pela sua contribuição. Vamos levar este questionamento.
      Bebel

      Responder
  • 6. ♥ ﻉ√٥ﺎ ♥ (@love_apple_sp)  |  07/02/2012 às 20:53

    Eu não sei quem é o autor dos textos desse blog, ou se é a própria Bebel, mas eu fico admiiiiiiiiiiiirada com a forma elegante de dar porrada! Acho os textos uma obra de arte literária! Parabéns!

    Responder
    • 7. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:06

      Prezada professora,
      Muito obrigada pelas suas palavras. Nossa intenção não é a de “dar porrada”, mas defender nossa categoria e a escola pública.
      Bebel

      Responder
  • 8. Mary Ferreira  |  07/02/2012 às 20:53

    Minha cara colega BEBEL!!!!

    Assiti a um programa aqui no interior de SP e lá estava você!
    Fiquei muito feliz pela APEOESP ir até aos meios de comunicação divulgar este ROUBO de DIREITOS que o ESTADO de SÃO PAULO + PSDB estão nos fazendo.
    Agradeço a VC de CORAÇÃO por todo o desempenho e apoio TOTAL PARA a nossa CATEGORIA.
    Quero AGRADECER a vc sua força e HONESTIDADE.
    Vamos SIMMMM PARA BRASILIA!!!!!
    Isso não pode ficar assim………..e não vai ficar assim.
    Percebo qe ue o SR secretário está muitooooooooooo DESINFORMADO……..ou é claro ( SE FAZENDO DE CEGO RS)
    Lá em BRASILIA como diz o ditado polura …( O BIXO VAI PEGAR PRO LADO DELES KKK ) ai sim quero ver pra onde irão correr………..até a PRESIDENTA DA REPUBLICA quem é o PSDB qdo isso chegar lá………….quero estar de pé………pra ver o PSDB CAIRRRRRRRRRRRRR KKKKK!!!!!!
    Bjus!

    Responder
    • 9. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:01

      Prezada professora Mary Ferreira,
      Muito obrigada pelas suas palavras. Estamos lutando muito, o que é nosso compromisso e nossa obrigação. Nosso êxito dependerá de nossa união e mobilização.
      Bebel

      Responder
  • 10. Mary Ferreira  |  07/02/2012 às 20:55

    Minha cara colega BEBEL!!!!

    Assiti a um programa aqui no interior de SP e lá estava você!
    Fiquei muito feliz pela APEOESP ir até aos meios de comunicação divulgar este ROUBO de DIREITOS que o ESTADO de SÃO PAULO + PSDB estão nos fazendo.
    Agradeço a VC de CORAÇÃO por todo o desempenho e apoio TOTAL PARA a nossa CATEGORIA.
    Quero AGRADECER a vc sua força e HONESTIDADE.
    Vamos SIMMMM PARA BRASILIA!!!!!
    Isso não pode ficar assim………..e não vai ficar assim.
    VAMOS PRA BRASILIAAAAAAAAAAAAAA SIM !!!!!!!!!!!

    Responder
  • 11. Thiago Biselli  |  07/02/2012 às 20:56

    BEBEL, Quando será a ordem judicial definitiva,não permitindo nem para APEOESP nem para a SEE recorrerem ou adiarem o parecer final?

    Responder
    • 12. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:05

      Prezado professor Thiago,
      Se vencermos no TJSP não haverá mais recurso eficaz para a SEE. Se a SEE vencer aqui, podemos recorrer aos tribunais federais.
      Bebel

      Responder
  • 13. Alexandre Campos  |  07/02/2012 às 21:03

    Olá professora Maria Izabel:

    Nem sei o que pensar, o que dizer. Estou triste com esta situação. Não é nem um pouco fácil lidar com o cotidiano escolar: tratar com pessoas – crianças e adolescentes em formação – exige esforço mental que nem sempre dá mostras físicas imediatas. Conhecer seu conteúdo específico, seu público-alvo, as estratégias didático-pedagógicas e adequá-las aos recursos disponíveis exigem tempo e sacrifício. É impossível haver boa formação docente apenas ao término da licenciatura nem aqui nem em qualquer outro lugar do mundo. Lecionar 32 aulas, ‘picadas’ em momentos de 50 minutos, é uma vergonha e limita mentalmente qualquer pessoa. Não há como estudar e formar-se continuamente já que somos obrigados a ‘produzir’. Seria fácil, e até oportuno, levantarmos as várias razões didático-pedagógicas que indicam a necessidade da formação do professor, mas há questões sugerindo que a própria SEE não está, verdadeiramente e infelizmente, preocupada com esta pauta. Pôxa, até ontem o número máximo de aulas-dia era de 8 de forma a totalizar 40 aulas-semana. Quantos professores foram obrigados a modificar suas rotinas de modo a se adequar à esta norma? Em nossas folhas de pagamento ainda consta ‘pagamento por tantas aulas’, ‘gratificação por tantas aulas’ e não ‘tantas horas’. Como motivar um professor a estudar ou melhorar sua formação diante deste oportunismo barato? Como motivar um jovem a ingressar na carreira do magistério? Merecemos respeito! É vergonhoso o chefe de gabinete gravar um vídeo explicando a obviedade dos minutos como se nós não tivéssemos entendido a mensagem quando, na verdade, quem parece não ter entendido fora ele próprio – que diga-se de passagem não possui nenhum tipo de formação pedagógica e, provavelmente, não sabe o que é estudar/lecionar numa escola regular pública estadual. Como escrevi acima não trabalhamos mecanicamente produzindo parafusos numa linha de produção; pensamos e muito para cada situação de aula, nos entregamos e exigimos respeito!

    Responder
    • 14. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:08

      Prezado professor Alexandra,
      Concordo com sua análise. Há um profundo descompromisso deste governo com a nossa categoria e com a educação pública. Não devemos desanimar, mas lutar cada vez mais para alterar esta situaçao e melhorar as escolas estaduais, pensando no futuro de nossas crianças e jovens.
      Bebel

      Responder
  • 15. claudia noronha  |  07/02/2012 às 21:54

    BEBEL,
    Sei o quanto é difícil essa luta, mas estou orgulhosa de ver a garra do sindicato!!! Não vou desistir de lutar!!!
    Vamos parar sim, e gostaria de deixar uma dica para engrossar o movimento, convocar o pessoal do pinheirinho na paralisação,sinto que muitos professores estão desanimados e não irão se engajar, seria esse um caminho.
    Força Bebel, e vamos juntos quebrar o poder do psdb nesse estado!!! abraços

    Responder
    • 16. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:12

      Prezada professora Cláudia,
      Muito obrigada pelo seu apoio. Não acredito, porém, que devamos convocar pessoas de outro movimento para a nossa mobilização. Entendo sua intenção e respeito, mas acho que o caminho não é esse. Com paciência, persistência e convencimento, podemos atrair todos os professores para o nosso movimento.
      Bebel

      Responder
  • 17. Vagner  |  07/02/2012 às 22:05

    Bebel, no momento devido vamos a Brasilia? O q vç quer dizer com isso? O momento devido não é agora? Por favor explique isso.
    abç

    Responder
    • 18. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:17

      Prezado professor Vagner,
      Não. É preciso esgotar no trâmite no TJSP.
      Bebel

      Responder
  • 19. Jeferson Dias  |  07/02/2012 às 22:05

    Pelo que entendi a luta não está perdida, mas os professores não sabem disso.
    A publicação de ontem pela SEE desanimou mais ainda os professores de minha escola. O complicado é que muitos esperam as informações de terceiros. Vou imprimir o texto acima para tentar ajudar no esclarecimento.
    Jefersson Dias, Biologia, Iacanga.

    Responder
    • 20. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:22

      Prezado professor jefferson,
      Que bom. A conscientização é o melhor caminho.
      Bebel

      Responder
  • 21. Luis Antonelli (@antonelli74)  |  07/02/2012 às 22:09

    A luta continua.

    Responder
  • 22. ericleslealEricles  |  07/02/2012 às 22:55

    Vamos que vamos!

    Responder
  • 23. Shirley Couto  |  07/02/2012 às 23:06

    Bebel, estive hoje em atribuição pela DE SUL1. Foi uma vergonha! Um milhão de professores sem aulas e as aulas sumiram! O que acontece? Até quando não haverá aulas? O que fazer? Ajude-nos!!!!

    Responder
    • 24. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:45

      Prezada professora Shirley,
      A jornada do piso ajudará a resolver esta questão também.
      Bebel

      Responder
  • 25. Thiago  |  07/02/2012 às 23:25

    Um outro problema que vem ocorrendo é com os HTPCs (não sei se o sindicato já está tomando alguma providência em relação à isso).

    Na escola que leciono, o período noturno foi extinto e por isso, segundo determinações da Diretoria (que segue as ordens da Secretaria de Educação) não pode haver HTPCs que ocorram depois das 19hs (o governo não quer pagar o adicional noturno).

    Só que muitos professores não tem como fazer HTPCs pela manhã ou à tarde por já estarem com a grade repleta e acumularem cargos (prefeituras ou no próprio Estado, como as ETECs).

    Gostaria de me informar se existe algo que possa ser feito, não por mim, que não tenho acumulo de cargo e posso fazer HTPCs pela manhã, mas pelos meus colegas.

    Responder
    • 26. apeoesp  |  09/02/2012 às 01:47

      Preaado professor Thiago,
      Obrigada pela informação. Vamos tratar deste assunto com a SEE.
      Bebel

      Responder
  • 27. Luís  |  07/02/2012 às 23:26

    Prezada Bebel,
    O secretário da educação é engenheiro mecânico… Nós não somos máquinas, nós somos professores e como o próprio nome diz, professamos, com isso, levamos a boa educação e cultura à esse povo que a política brasileira insiste em manipular. Que pena!
    Nós professores exercemos uma função na qual estamos preparados com provas e títulos entre outras provações e obstáculos que eles colocam no nosso caminho. Nunca nos recusamos a fazer uma avaliação, reclamamos sim, pois, é a única profissão em que há tantas cobranças para receber um salário que mal paga nossas despesas, a começar do vale alimentação… Portanto, para o bom desempenho de nossas funções, estamos sempre nos capacitando, talvez isso não ocorra à algumas pessoas que exercem funções contrárias àquela na qual se formou. Apesar de tudo continuamos na luta!

    Responder
  • 28. Antonio Carlos Rodrigues  |  08/02/2012 às 00:07

    Olá Maria Izabel

    Vejo que a Senhora está cumprindo muito bem o papel de Presidenta do sindicato, no entanto, a nossa Sub-sede de São José do Rio Preto, ainda não deu as “caras” em nossa cidade – José Bonifácio, alguns professores ficaram esperando para fazerem a filiação e poder ingressar através do sindicato com o pedido de liminar. Penso que se não houver unificação de trabalho mobilizador por parte de quem se propos fazer esse trabalho (Sub-sede) ficará muito difícil o pessoal encarar uma iniciativa de greve vinda de São Paulo. É um fundamental que alguém acorde essa gente, assim como vencer o imobilismo reinante nesses locais. Pois, como estamos vendo há uma diferença gritante entre o seu empenho e de outros que deveriam imitar a postura sindical da Senhora. A credibilidade de uma instituição não pode ficar atrelada apenas ao trabalho de poucos. Por isso, quero parabenizá-la pela luta e pelo apelo que tem feito as Sub-sedes para que os seus representantes ingressem com os pedidos de liminares, até porque tenho ouvido de muitos filiados que na hora da escolha de seus representantes sindicais irão pedir aos candidatos que demonstrem que apoiram a nossa luta e as suas orientações…
    Parabéns, mais uma vez

    Professor Antonio Carlos Rodrigues

    Responder
    • 29. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:03

      Prezado professor Antonio Carlos,
      Obrigada pelas suas palavras. Tenho certeza de que você pode se dirigir à coordenação da subsede e conversar sobre suas necessidades. O diálogo é importante para que se aperfeiçoe a nossa atuação em todas as regiões.
      Bebel

      Responder
  • 30. Rubens  |  08/02/2012 às 00:31

    Olá, Bebel admiro muito seu trabalho e com certeza estaremos e sairemos vitoriosos dessa luta. Nunca deixarei de confiar em vocês e principalemte em você que sempre nos tem dirigido.
    Olha Bebel, solicitar um parecer seu a respeito da hora aula a ser cumprida como HTPC no período noturno, pois de acordo com a Resolução 8, se devo trabalhar hora/aula, no período noturno também deverá ser hora/aula no que se refere ao HTPC. Se os professores cumprem hora/aula no período noturno, não há razão o professor ao realizar o seu HTPC no período noturno também cumprir hora/aula de 50 minutos. Assim sendo solicito um parecer a essa situação e qual o embasamento legal caso seja realmente de 50 minutos a ser cumprido.

    Muitíssimo obrigado

    Responder
    • 31. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:05

      Prezado professor Rubens,
      Muito obrigada. Estamos confiantes que derrubaremos esta resolução 8 e esta questão não mais se colocará. Vou solicitar ao departamento jurídico que analise esta questão.
      Bebel

      Responder
  • 32. fabricio  |  08/02/2012 às 01:19

    Bebel tem alguma previsão de julgamento definitivo desta questão do piso por parte do judiciario? Ao que parece todas as decisões em favor do estado são apenas protelatórias, mas fica a impressão de quando o judiciário examina o cerne da questão as decisões são sempre em favor da educação. Tenho certeza que quando a questão for julgada em sua instância correta obteremos a vitória.

    Responder
    • 33. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:08

      Prezado professor Fabrício,
      Agora somos nós a recorrer e queremos que o julgamento se dê o mais urgente possível. Se a SEE ganhar aqui no TJ, levaremos o caso aos tribunais federais.
      Bebel

      Responder
  • 34. Hofling  |  08/02/2012 às 01:25

    Boa noite, Bebel!

    Podemos dizer então que já vencemos e a concretização da vitória está bem próxima (a batalha está perdida mas a guerra está ganha)? Até quando o PSDB pode recorrer? Muitos boateiros estão espalhando por aí que, apesar de tudo, o governo vai conseguir empurrar a solução com a barriga até dezembro e ainda vai tentar dar outro golpe desse na Lei do Piso já no início de 2013, estagnando qualquer debate. Isso é possível?

    Ah, só não vencemos ainda porque nas escolas têm muito professor que desconhece a Lei do Piso e, desinformadamente, fala mal da APEOESP e sentencia que tudo está perdido. (Os carteiros deviam dar aula de política e greve pra gente!) São os fatalistas!
    A despolitização dos professores, fruto da ausência de investimentos significativos na nossa formação, é estrondosa!
    Temos 210 mil professores. Dá para afirmar que pelo menos 150 mil desses estão muito felizes com o salário de no máximo (acho) 2500 reais por mês e com aquelas péssimas e velhas conhecidas condições desumanas de ensino e de aprendizagem tão presentes nas escolas estaduais do Estado de São Paulo. Tem professor que vota no PSDB e ponto. Ah, tem professor que nunca leu, ou “leu”, Paulo Freire, ou leu resumo, e se dá ao torto direito, como o faz qualquer desinformado maléfico, de maldizê-lo! Como despolitizados fazem para formar alunos politizados?

    É muito triste ver um professor reproduzindo o discurso do opressor! É muito triste ver um professor abaixar a cabeça e se contentar com tão pouco…

    Mesmo quando a vitória estiver concretizada, mesmo aí ainda procurarão alguma cri-cri-crítica sem fundo para preencher os “silêncios”.

    Responder
    • 35. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:14

      Preazado professor Hoffing,
      O governo esgotou suas possibilidades de recurso no TJSP.Nós podemos recorrer da última decisão. A depender do resultado a disputa pode ir para Brasília.
      Não é possível prever prazos neste momento, mas o processo está correndo com agilidade.
      Bebel

      Responder
  • 36. MOACIR COSTA  |  08/02/2012 às 01:38

    AI JÁ E DEMAIS ! AINDA FAZ DEBOCHE..DO SINDICATO….

    SE COISA CONTINUAR DESSE JEITO..OS PROFESSORES DO ESTADO SAO PAULO VAI TER QUE MORAR NO PINHEIRINHO

    TIRANDO UNS 10 POR CENTO QUE ATÉ HOJE NÃO SEI QUE TA FAZENDO NO ESTADO…..VINDO DAR AULA COM CARRO 120 MIL REAIS…..A FALA SÉRIO..E DEFENDE O ALKIMIM….

    QUEM SERÁ?

    Responder
  • 37. Edna  |  08/02/2012 às 01:46

    Boa noite, Bebel. Este secretário é só mais um lunático, logo cai fora também. Sei que a luta é grande e sei também que estamos muito bem representados por você. Tenho certeza que sairemos vitoriosos dessa batalha, não será fácil (nunca foi), mas na hora certa teremos nossa vitória. Abraço!

    Responder
  • 38. MARILENA  |  08/02/2012 às 02:03

    BEBEL….as nossas lutas nunca foram em vão..Unidos venceremos .
    Que com muita paz,saúde, paciência e acima de tudo sabedoria possamos ter para lidar com mais essa grande batalha…
    Boa sorte a todos nós e, obrigada a apeoesp por tudo que tem feito para nos ajudar…

    Responder
    • 39. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:10

      Prezada professora Marilena,
      Muito obrigada pelo seu apoio.
      Bebel

      Responder
  • 40. Alessandro Lino Netto  |  08/02/2012 às 02:19

    O secretário poderia se informar melhor sobre os trâmites judiciais ocorridos em sua própria pasta.Agora em seu texto joga a responsabilidade da desinformação nas costas do sindicato e professores mobilizados pela aplicação da lei.É um paradoxo psicológico:exteriorizo minha falta de compreensão nos outros para aliviar minha confusão mental.

    Estamos no apoio,e agora devemos todos entupir os fóruns com mandados de segurança.

    Responder
  • 41. Fabiano  |  08/02/2012 às 02:56

    Infelizmente esta novela não é nova. Pedimos mas o Governo nega, sentamos para conversar e ele nos enrola, ameaçamos paralisar e ele dá risadas, conquistamos lutas provisoriamente, o Governo vence a guerra. E isto tem se repetido nos últimos 16 anos.

    Devemos o mais rápido possível mobilizar todos os que desejam lutar de verdade, temos que colocar toda a máquina sindical e da categoria para esta luta e levar às últimas consequências. Não podemos mais ficar brincando de greve, brincando de mobilização, brincando de ser categoria, precisamos lutar de verdade. E toda a luta para ser ganha precisa partir do princípio que se for necessário iremos até o final dela, sem arredar o pé.

    Precisamo entrar na mídia com força. Qualquer estudante raso de marketing sabe que o poder midiático é enorme. Mas não adianta colocar inserções em dias e horários, ou canais, que ninguém olha. Ou façamos uma coisas decente na mídia ou nem entramos na dança. Vamos até políticos que tenham influência nas grandes mídias. Vamos pedir que políticos até mesmo em nível federal comentem sobre a atual situação dos professores em São Paulo.
    Organizemos professores para que tirem fotos, filmem o estado em que as escolas de São Paulo se encontram e enviem para as redes sociais, para o próprio site da APEOESP, coloquem no Yotube, qualquer coisa que for possível.

    Em outra oportunidade eu disse que esta vitória seria importantíssima para que nossa categoria voltasse a acreditar nela mesma e no Sindicato. Que uma vitória destas seria uma dentre pouquíssimas que realmente surtiram efeito para nossa categoria. Portanto este tipo de vitória é estratégica, mas o contrário também: muitos professores sonharam com esta vitória, se empolgaram com as primeiras ações, com a resposta do juiz, com o aperto que foi dado no Governo; logo quanto maiores as expectativas maiores também são as frustrações. Se a categoria perder esta luta (dentre tantas que ainda precisamos ganhar), não tenha dúvidas, o Governo conseguirá enfraquecer a categorias por mais 16 anos pelo menos. E a grande oportunidade que tínhamos de fazer uma enorme revolução na História Educacional em São Paulo irá por água abaixo.

    Repito: ou lutamos pra valer, ou façamos revolução em São Paulo, ou mudemos nossa forma de lutar, ou arregimentemos de forma eficiente nossa categoria, ou arregacemos as mangas, ou então tudo não passará de um enorme engodo. Os professores irão para suas casas, o Sindicato continuará aí, como tem estado nos últimos anos, e a Educação continuará piorando. Até quem sabe um dia surja um Paladino da Educação em São Paulo e nos salve.

    Vamos à luta!
    Att.

    Responder
    • 42. apeoesp  |  09/02/2012 às 17:21

      Prezado professor Fabiano,
      As mobilizações não nascem prontas, nem as greves, nem as vitórias. Elas precisam ser construídas, passo a passo, pessoa a pessoa, em cada escola. Isto se faz com cada pessoa já consciente trabalhando junto a mais pessoas, grupos, a escola inteira. Por outro lado, isto não se faz vaticinando derrotas. Sinceramente, embora respeite sua opinião, não vi nela nada do que já não estejamos tentando fazer. O que falta é o movimento chegar com mais força lá na base e, para isto, é preciso essa conversa dentro da escola. Mas, se esta conversa começa colocando em dúvida a capacidade ou as intenções do sindicato, com que confiança o professor virá para a luta?
      União é o fator mais importante nesta campamnha. Qualquer outra coisa somente causará dúvidas e prejuízos.
      Bebel

      Responder
  • 43. Fabiano  |  08/02/2012 às 03:06

    Vamos lutar!!! Este vídeo diz tudo!

    Responder
    • 44. Fabiano  |  09/02/2012 às 14:35

      O outro comentário não foi publicado? Outra vez?

      Responder
      • 45. apeoesp  |  09/02/2012 às 18:58

        Prezado professor Fabiano,
        Publiquei vários comentários seus. Em alguns casos, não publicamos comentários, sobretudo aqueles que buscam disseminar descrédito na luta e no sindicato. Este blog não é pessoal. É um espaço de debates e de fortalecimento da nossa luta.
        Bebel

  • 46. PAULO  |  08/02/2012 às 10:04

    VAMOS CONTINUAR LUTANDO! É A GUERRILHA INTELECTUAL MESMO! PROFEESORES VAMOS DAR A RESPOSTA NO VOTO! FALE PARA OS ALUNOS PARA OA FAMILIARES E AMIGOS SOBRE O MAL QUE O PSDB FAZ PARA OS ALUNOS POBRES!
    VOTE CONSCIENTE!!!

    Responder
  • 47. SILMARA PAULA DOS SANTOS  |  08/02/2012 às 11:00

    Prezada mARIA Izabel, na sala dos professores surgiu uma duvida; ESSES MANDATOS DE SEGURANÇA PODEM SER CASSADOS PELA SEE QUE AS TRES PROFESSORAS CONSEGUIRAM?? aguardo resposta.

    Responder
    • 48. apeoesp  |  09/02/2012 às 02:19

      Prezada professora Silmara,
      A liminares podem, sim, ser cassadas, mas não todas de uma vez. Entretanto, elas podem ganhar a ação. Quanto mais mandados de segurança individuais, mas chances de se criar jurisprudência, ou seja, uma decisão que todos os juízes passem a seguir.
      Bebel

      Responder
  • 49. Magali de Cássia Merenda  |  08/02/2012 às 13:48

    é isso aí Bebel. Esse secretário e o governador estão sempre manipulando a mídia em favor próprios. Devemos sempre alertar a categoria e a comunidade em geral dos enganos que o governo quer passar como verdades. Parabéns pela nossa luta. Continue assim. Não desanimem, precisamos de vocês. Um abraço. Prof. Magali

    Responder
    • 50. apeoesp  |  08/02/2012 às 23:06

      Prezada professora Magali,
      Muito obrigada pelo apoio.
      Bebel

      Responder
  • 51. Benedito  |  08/02/2012 às 14:10

    O secretário da Educação sr Herman, age de forma desmedida tanto em suas palavras quanto em seus atos.Tratar o professor dessa formam, como um inimigo a derrotar, fazer insinuações de que ele ficou feliz com essa vitória num judiciário tucano, me parece algo que foge das prerrogativas de um educador e traz sérios contornos políticos, ou melhor, coloca em evidência a sua real intenção quando tentou se aproximar dos professores com sua conversa mole nas reuniões do pólo.Desde ali, estava claro a sua tentativa de cooptar os menos avisados , e através da própria informação do professor montar uma situação que desfavoreça o professor e coloque a secretaria numa posição mais confortável, afinal ele esteve ouvindo os professores e isso denota de nossa parte um espectativa tanto no que os problemas seriam solucionados quanto de que estava havendo um relação de confiança entre os professores e o secretário, e que agora, no entanto, descubrimos que fomos enganados, que fomos enrolados e por fim traídos.
    A nós, não cabe outra alterntiva,resgatar nossa dignidade e derrotar mais esse secretário tucano. Se precisar vamos á greve sim! Alíás já passou da hora , não podemos mais aceitar alguém que não cumpre os seus acordos com os professores e também não que cumpra a lei .
    Benedito.

    Responder
  • 52. fabio  |  08/02/2012 às 14:45

    Bebel gostaria de saber sobre a indenização ( ferias ) da antiga categoria l agora o, se já tem data para pagamento.Se vai ter a devolução da parte de dezembro e sobre o iasmpe da antiga categoria l. obrigado

    Responder
    • 53. apeoesp  |  08/02/2012 às 23:05

      Prezado professor Fábio,
      Não há data. Você precisa ingressar com requerimento na escola e necessitará ajuizar mandado de segurança individual.
      Temos liminar pela não devolução de parte do salário de dezembro.
      Quanto ao IAMSPE, o Instituto afirma que a questão está sendo analisada juridicamente.
      Bebel

      Responder
  • 54. EDSON  |  08/02/2012 às 15:47

    Penso o quanto nossa categoria é desunida e desinformada,mesmo sendo educadores.Um exemplo foi o HTPC de ontem,onde o coordenador afirmou que ” o recurso do governo já foi julgado e que ele ganhou, não nos restando mais nada a não ser trabalhar”(isso porque ele já foi representante).Como eu comentei,a vários equivocos nesta frase,primeiro que não foi julgado nada ainda,segundo que,mesmo que fosse julgado a favor do governo,não nos resta apenas trabalhar,mas sim também continuar lutando.O professor,quando entra na internet,abre o facebook,o orkut e o site da educação,mas não busca informações de luta do site do seu sindicato.Triste,pois o sindicato,somos nós e se não pararmos apenas de criticar e começarmos a agir,aí sim,só nos restará trabalhar,trabalhar,trabalhar…

    Responder
    • 55. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:59

      Prezado professor Edson,
      Muito obrigada pelas suas palavras e pelo seu apoio. Unidos somos mais fortes.
      Bebel

      Responder
  • 56. Benedito Inácio Silveira  |  08/02/2012 às 16:03

    Olá Maria Izabel
    Excelente arrazoado!
    Vejamos:
    Se a aritmética da Secretaria estiver certa para o Tribunal de Justiça de São Paulo, coisa que pode acontecer, claro. Sei que cabem recursos de ambas as partes, mas, penso que deva se propor junto ao Conselho Nacional de Educação, com base ma premissa de hora aulas do professor, uma revisão, também, na contagem do tempo do aluno na escola.
    Hoje, pela aritmética da Secretaria da Educação de São Paulo, no nosso Estado não está cumprindo a lei que prevê um mínimo de 800 horas/ano de duração para o Ensino Médio.
    Compreendendo:
    No período noturno, o curso é composto por 5 aulas de 45 min, que fixa em 225 min por dia, não as 1.000 horas divulgada, mas continuando a linha de raciocínio, ao multiplicar esse resultado pelos dias letivos 200 dias obrigatórios, corresponde, na verdade, a 45.000 min ano, ou seja, 750 horas.
    O mesmo acontece no período da manhã, embora dentro da lei, não é o que aparece na divulgação como sendo 1.200 horas, na verdade são 1.000 horas de estudo dentro dos 200 dias letivos.
    Pois bem, ou se modifica a lei, adequando o tempo de estudo à realidade estabelecida, como quer a Secretaria da Educação com os professores, ou a Secretaria reconhece que cometeu um equivoco com a Resolução 8/2012.
    O mesmo peso para a mesma medida.
    Boa tarde!
    PS. infelizmente não pude ir para São Paulo, meu horário de aulas está parecendo um pombal de tantas janelas.

    Responder
    • 57. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:37

      Prezado professor Benedito,
      Muito obrigada pela sua contribuição. Vamos examiná-la com mais calma e levá-la em conta.
      Bebel

      Responder
  • 58. Lurdes  |  08/02/2012 às 16:17

    Sr. Governador, na outra face da moeda, nós somos os patrões e não haverá recurso, nem apelação que fará o PSDB vencer novamente em nosso estado!

    Responder
  • 59. VILMA  |  08/02/2012 às 17:02

    Cara Bebel,
    Há um ponto que nunca foi discutido: nós, profs, não temos horário de almoço definido por lei por trabalharmos ” horas “.
    Injusto totalmente porque a saída da manhã com a entrada da tarde somam 40 minutos. Não dá tempo de comer!!!
    E os colegas que tem esses 40 minutos em trânsito, de uma escola para a outra?… A maioria tem que trabalhar dois períodos em diferentes locais.Penso que isso deveria ser colocado em pauta, pois é um argumento contra a miserabilidade do governo.
    Abraços

    Responder
    • 60. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:30

      Prezada professora Vilma,
      Sua ponderação é inteligente e pertinente. Vamos levar em conta.
      Obrigada.
      Bebel

      Responder
      • 61. maria alcina  |  09/02/2012 às 02:06

        Outro assunto que nunca vi ser discutido: se trabalho de manha e de noite na mesma escola no mesmo dia, so recebo auxilio transporte por um turno. Nao deveria receber pelos dois? Ou a intencao do governo ´´e que eu va para a escola de manha e fique por la ate as aulas da noite?

        Se eu vou pra casa a tarde, devo pagar o transporte do meu bolso? Isso esta certo?

      • 62. apeoesp  |  09/02/2012 às 18:36

        Prezada professora Maria Alcina,
        Não está certo. Questões como essa têm sido levantadas por nós em vários contatos com diversos órgãos do governo, mas são itens com relação aos quais a resistência do Estado é enorme, como também no caso do auxílio-alimentação. Mas continuamos insistindo.
        Bebel

  • 63. Professor Paulo (de filosofia)  |  08/02/2012 às 17:11

    Cara Bebel, mais um texto esclarecedor. Parabéns!

    Responder
    • 64. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:29

      Prezado professor Paulo,
      Muito obrigada.
      Bebel

      Responder
  • 65. VILMA  |  08/02/2012 às 17:16

    …afinal….
    nem só de pão, pão com manteiga/café, pão com pão e um copo dágua, pão de queijo qdo tem que vive o homem…é bíblico!

    Enquanto isso…seu Padula trabalha pouco, vive o dia todo no twitter
    e ontem tinha um banho de piscina marcado durante a tarde…

    Responder
  • 66. MÁRCIA  |  08/02/2012 às 17:22

    BOA TARDE BEBEL,SOU PROFESSORA PEB I E II,PEB II SEMPRE FUI O,PEBI ERA L,QUE SE TORNOU O,ONTEM PARTICIPEI DE UMA ATRIBUIÇÃO DE PEBI CLASSE E FUI INFORMADA QUE NAO POSSO MAIS TRABALHAR COM OS DOIS CARGOS,NEM COMO EVENTUAL DE PEBII AULAS ,SEGUNDA A SUPERVISORA TEREI QUE OPTAR PEBI OU PEBII.FIQUEI REVOLTADA,ERÁ QUE VC PODE ME ESCLARECER?

    Responder
    • 67. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:24

      Prezada professora Márcia,
      O professor da categoria O é vinculado à rede mediante contrato. O contrato não pode comportar duas funções. Consulte o departamento jurídico da APEOESP sobre esta situação e se, juridicamente, há solução.
      Bebel

      Responder
  • 68. fabio nobre  |  08/02/2012 às 19:27

    Bebel, veja como a lei foi aplicada nos outros Estados, os que cumpriram a lei da jornada para levar ao tribunal e mostrar a conta correta para eles.

    Garanto que não tem nenhum Frankenstein como aplicar 2/3 de 40 = 32.

    Posso dar uma sugestão para nossos advogados mande para eles esse link que garanto que essa explicação no tribunal sera de muita valia. E chamado: “O homem que calculava”

    E exatamente a manobra que o Estado esta fazendo.

    Responder
  • 69. Renato  |  08/02/2012 às 20:48

    Gostaria de dizer a todos os professores que acreditem, pois estamos fazendo o bom combate contra um grupo de gestores oportunistas, cínicos e, sem dúvida alguma, canalhas. Por enquanto, a situação está indefinida, mas a vitória é dos justos; seja a curto, médio ou longo prazo. A máscara cairá um dia. Não vamos desistir. Confiança é decisivo nesse jogo. O inimigo é ardiloso e profundamente antiético. Estamos nessa para defender a decência e a justiça nessa sociedade. A lei não pode valer apenas contra “o lado mais fraco”. Chega de aceitarmos os desmandos abusivos contra os docentes por parte desse governo psicopata.
    Lutemos! Apenas garantindo o fogo contra o inimigo a vitória será nossa!

    Responder
  • 70. Elaine  |  08/02/2012 às 20:49

    Bebel gostaria muito de compartilhar esses textos do seu blog nas redes sociais, pois muitos alunos e pais fazem parte destes sites de relacionamento. Facilitaria o entendimento e conheceriam nossa luta.

    Responder
    • 71. apeoesp  |  08/02/2012 às 21:51

      Prezada professora Elaine,
      Muito obrigada pela sugestão. Vou verificar a solução técnica para que isto seja possível.
      Bebel

      Responder
  • 72. ENIO ROMEU DOS SANTOS  |  08/02/2012 às 20:49

    prezada MARIA Izabel, pode ser cassados pela SEE , OS MANDATOS DE SEGRUANÇA DAS TRES PROFESSORAS QUE CNOSEGUIRAM NA JUSTIÇA? aguardo respostas.

    Responder
    • 73. apeoesp  |  08/02/2012 às 21:48

      Prezado professor Enio,
      Toda liminar é passível de ser cassada. Mas liminares individuais não são cassadas de uma única vez, pois tramitam em diferentes comarcas. E elas podem criar jurisprudência, ou seja, uma regra que orienta todos os juízes em casos semelhantes.
      Bebel

      Responder
  • 74. Mariah  |  08/02/2012 às 22:34

    Bebel,

    Estes professores com liminar individual concedida, vão ficar com a situação das aulas e do pagamento diferentes dos demais professores de suas respectivas escolas?

    Responder
    • 75. apeoesp  |  08/02/2012 às 22:56

      Prezada professora Mariah,
      De jornada, sim. De pagamento, não.
      Bebel

      Responder
  • 76. DaniLopes  |  08/02/2012 às 23:01

    Prezada Profª Vilma!
    Excelente seu comentário sobre o fato de nós professores não termos horário de almoço! É algo que sempre contestei! Por mais simples que seja uma empresa nesse país, é garantido ao funcionário horário de alimentação! Anteriormente já tive uma empresa, e ai de mim caso não permitisse esse direito aos meus funcionários! Ganhariam uma causa trabalhista, e eu os teria de indenizar, sem nenhuma contestação! Talvez porque meus funcionários eram considerados cidadãos portadores de direitos! Que pena! Acho que isso não se aplica a nós professores em nenhuma situação!

    Responder
  • 77. Mariselma  |  08/02/2012 às 23:12

    Cara Bebel, faz 20 anos que estou na rede estadual de ensino , mas apenas 6 meses q sou filiada a APEOESP, e posso lhe dizer que estou orgulhosa por vc ser a representante do nosso sindicato. Vejo que vc está lutando bravamente e incansavelmente por nossa causa. Sei tbém que os únicos responsáveis por tanta injustiça com nós professores estão no mais alto poder do estado e que nada tem a ver com nosso sindicato, muito pelo contrário vejo q vcs estão fazendo tudo por nós, mas infelizmente vivemos num país sem lei. Parabéns por sua luta. Deixo aqui minha admiração e respeito por teu trabalho e o meu muito obrigada.

    Responder
    • 78. apeoesp  |  09/02/2012 às 17:50

      Prezada professora Mariselma,
      Muito obrigada pelas suas palavras e pelo seu apoio. É importante conversar muito com os professores nas escolas, manter-se informada e participar das atividades da nossa campanha.
      Bebel

      Responder
  • 79. Rubens  |  08/02/2012 às 23:24

    OLá Bebel, tudo bem? Postei ontem um pedido de exclarecimento sobre o horário do HTPC no periodo noturno pois, você não me postou a resposta. Por favor solicito a resposta. Todavia estou reenviando o pedido solicitado. Bebel, solicito um parecer seu a respeito da hora/aula a ser cumprida como HTPC no período noturno, pois de acordo com a Resolução 8, se devo trabalhar hora/aula, no período noturno também deverá ser hora/aula no que se refere ao HTPC. Se os professores cumprem hora/aula no período noturno, não há razão para que, o professor, ao realizar o seu HTPC no período noturno tenha que cumprir hora/aula de 50 minutos. Pois minha escola disse que deverei cumprir os 50 minutos mesmo no período noturno o que a meu ver está errado. Assim sendo solicito um parecer seu a esse respeito e qual o embasamento legal caso seja realmente de 50 minutos a ser cumprido.

    Muitíssimo obrigado

    Responder
    • 80. apeoesp  |  09/02/2012 às 17:53

      Prezado professor Rubens,
      Esta é uma das incoerências da Resolução 8, entre tantas outras. Ela cria uma jornada baseada em horas-aula (o que é ilegal, pois contraria a LC 836/97), desconsiderando, por exemplo, a situação do noturno. Vou solicitar um exame do departamento jurídico, mas, desde já, solicito que entre em contato pelo telefone 11.33506214, expondo a sua questão.
      Bebel

      Responder
  • 81. Marcelo  |  09/02/2012 às 02:16

    Bebel,
    E as inumeras janelas que muitos professores têm. Exite algum meio de cobrarmos isso na justiça?

    Responder
    • 82. apeoesp  |  13/02/2012 às 18:05

      Prezado professor Marcelo,
      O departamento jurídico está examinando a questão.
      Bebel

      Responder
  • 83. lucas  |  09/02/2012 às 02:49

    mas se a luta é agora porque vocÊ chamou paralisação só em 16/03???

    Responder
    • 84. apeoesp  |  09/02/2012 às 18:41

      Prezado professor Lucas,
      Não fui quem chamou, mas o Conselho Estadual de Representantes, instância deliberativa do sindicato. Primeiro, para que participemos com força da greve nacional da CNTE. Segundo, porque uma greve tem que ser preparada pela base e não basta ser “chamada” pela direção. Terceiro, porque no calendário há o carnaval, que “quebra” o período de mobilização. Mas temos um calendário cheio de atividades a serem feitas, e esperamos contar com o seu empenho.
      Bebel

      Responder
  • 85. Wagner  |  09/02/2012 às 12:24

    Cara professora Bebel.
    Sou professor da estinta categoria L , agora O. Já encaminhei requerimnento a escola que trabalohei em 2011, pedindo o pagamneto das fériasa, não obtive resposta. Como se passou mais de cinco dias o que devo fazer e como devo fazer?
    Atenciosamente Wagner

    Responder
    • 86. apeoesp  |  09/02/2012 às 18:52

      Prezado professor Wagner,
      Por favor, entre em contato com o telefone 11.33506214 e solicite orientações. Creio que tendo passado o prazo de cinco dias, já é momento de ajuizar o Mandado de Segurança.
      Bebel

      Responder
  • 87. Mauricio  |  09/02/2012 às 17:31

    É HORA DE MOBILIZAÇÃO!!! A farsa do governo do PSDB neste estado está chegando ao fim. A Apeoesp e os professores sabem o que a educação do estado precisa para ter a qualidade que merece. A conta feita pelos burocratas da SEE é uma conta “burra”, primeiro porque está descumprindo a LEI, segundo porque na forma como foram atribuídas as aulas (carga horária estafante) e as condições de trabalho do professor atualmente: Fechamento de escolas, diminuição de salas, aumento do número de alunos (superlotação) nas salas, escolas que mais parecem canteiros de obras (sem as mínimas condições de trabalho) as licenças saúde com certeza aumentarão. Os motivos a própria Apeoesp já fez um estudo, o estresse (48,5%) e problemas de voz (36,0%) estão entre as principais doenças enfrentadas pelos professores.
    Por isso Companheira Bebel e todos os professores, independente de sua tendência, é HORA DE CONVENCER, MOBILIZAR E ORGANIZAR a categoria para a GREVE!!!!

    Responder
    • 88. apeoesp  |  09/02/2012 às 19:48

      Prezado professor Maurício,
      Você tem toda a razão. Obrigada pela contribuição.
      Bebel

      Responder
  • 89. sandra  |  09/02/2012 às 20:16

    Oie, Bebel , mas uma vez estou aqui, tentando achar soluções no que diz respeito a atribuição de aulas para categoria F(não aprovados). Fiquei sabendo que quem está afastado não poderá participar da atribuição de aulas dia 13/02/2012 na DE. Isso está me deixando preocupada. Estou aguardando readaptação funcional devido cirurgia cardíaca(prótese de válvula aórtica/22/02/2010) e até o momento não sei o q vai acontecer comigo, por favor me ajude, é q no decorrer do ano de 2010 perdi as aulas que me foram atribuídas por estar afastada. Com isso fiquei operada sem salário e estou devolvendo até hoje o q recebi e agora pra ajudar não o q vai ser. Como será a atribuição?será considerado a atribuíção de 2011? Como devo proceder pq perdi as aulas do EJA/2011 devido estar afastado em julho e com isso minha carga horária diminuiu. Como fazer??Continuarei precisando da ajuda dos outros para sobreviver???Isso não é justo,pois trabalho por mais de 20 anos e justamente na hora q mais preciso não tenho meu salário e dependo da ajuda de terceiros.Desculpe e obrigada por tudo q tem feito pelos professores quem sabe assim os jovens poderão ter uma vida profissional digna.Aguardo retorno.Bjos .

    Responder
    • 90. apeoesp  |  11/02/2012 às 09:53

      Prezada professora Sandra,
      Você deve procurar o departamento jurídico na sua subsede para receber orientação sobre como proceder e que instrumentos administrativos ou jurídicos pode utilizar na sua situação.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,932,495 hits

%d blogueiros gostam disto: