Agora vamos para Brasília!

07/02/2012 at 01:18 55 comentários

No dia 31 de janeiro o Juiz Luiz Fernando Camargo de Barros Vidal, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo, emitiu sentença favorável ao Mandado de Segurança Coletivo que a APEOESP impetrou contra a Secretaria Estadual da Educação pela implantação da composição da jornada de trabalho docente conforme a lei 11.738/08 (lei do piso salarial profissional nacional): 26 aulas e 14 horas de atividades extraclasses.

Desde então a SEE vem se utilizando de todas as manobras jurídicas protelatórias a seu alcance para evitar a imediata aplicação da lei, como manda a decisão do Juiz. Calendário de mobilização Não aceitamos isto! Vamos até o fim para não permitir que a conquista de uma luta de 200 anos dos professores brasileiros se torne letra morta por um governo sem qualquer compromisso com a educação, com a escola pública e com a maioria da população, cujos filhos estudam nas escolas estaduais. Por isto vamos intensificar e ampliar nossos instrumentos de luta, combinando a continuidade da disputa jurídica com a mobilização dos professores, conforme decisão do Conselho Estadual de Representantes realizado em 04/02 (veja calendário abaixo).

Vamos a Brasília

Por isto, vamos, no momento devido, levar a disputa judicial aos tribunais federais (STF e STJ), Em Brasília, no Supremo Tribunal Federal, estão os ministros que por duas vezes derrotaram a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) movida por cinco governadores com apoio aberto do governo paulista. Ações individuais Também prosseguiremos e ampliaremos os mandados de segurança individuais, para que em todas as regiões do estado, no maior número possível de escolas, professores se beneficiem de liminares pela implementação da jornada do piso. Até o momento, várias liminares já foram concedidas em diversos regiões.

Cada professor(a) é importante

A luta jurídica, porém, apesar de sua importância, é apenas uma face da nossa campanha pela implantação da jornada do piso. A grande força da nossa categoria é a mobilização. Como educadores, sabemos a força das palavras, das ideias, das conviccções e do convencimento. Vamos trabalhar nas escolas e nas comunidades, durante todo o mês de fevereiro, para conquistar professores e professoras para esta luta e o apoio da população. Explicar, ponderar, mostrar que agora cada um(a) é importante e que o Sindicato é, por definição, um ente coletivo. Nos momentos decisivos, a união e a mobilização são a chave da vitória. A perspectiva é a realização de uma grande e massiva greve em março, iniciando com a nossa participação na Greve Nacional da CNTE nos dias 14, 15 e 16 de março. Para tanto, estão sendo encaminhados às subsedes e às escolas, nos próximos dias, cartazes, panfletos e cartas à população (alunos e pais, sobretudo).

No dia 8, todos à Alesp

A mobilização já começou e tem um de seus momentos fundamentais nesta quarta-feira, dia 8 de fevereiro, na Assembleia Legislativa, Auditório Franco Montoro, quando a Comissão de Educação se reunirá para discutir a jornada do piso. Devemos ser milhares de professoras e professores presentes na Alesp neste dia, para colocar o poder legislativo também neste debate e para expressar, nas ruas, coletivamente, nosso posicionamento de repúdio a este governo que desacata a lei e a determinação judicial e para exigir a implantação da jornada do piso. Todas as subsedes devem organizar caravanas para chegarem às 13 horas na Assembleia Legislativa.

Nas ruas

Durante todo este processo, as subsedes vão organizar atividades nas ruas e nas praças para explicar à população a justeza da nossa luta, as manobras do governo e a importância da jornada do piso para a qualidade da educação no Estado de São Paulo

CALENDÁRIO DE MOBILIZAÇÃO:

06 a 10 de fevereiro

– eleição de representantes de escolas

– panfletagem junto à população

– esclarecimentos de professores, alunos e pais

– visitas às escolas

– mobilização junto a igrejas, câmaras municipais e entidades por apoio à luta

08 de fevereiro –

– audiência na Comissão de Educação da Assembleia Legislativa sobre a jornada do piso – 14h30 – auditório Franco Montoro

16 de fevereiro

– reunião extraordinária de REs/RAs

atos nas DREs

23/02 a 03/03

– continuidade da mobilização junto a igrejas, câmaras municipais e entidades por apoio à luta

– continuidade das visitas às escolas 06 de março

– reunião ordinária de REs/RAs 12 e 13 de março

– trabalho de esclarecimento de alunos e pais nas escolas

14, 15, 16 de março

– paralisação nacional da CNTE pela lei do piso 16 de março

– assembleia estadual para deliberar continuidade da greve

Encaminhamentos:

– “perseguir” Alckmin aonde ele for – manifestações

– coletar assinaturas dos professores em abaixo-assinado pela jornada do piso  prosseguir com mandados de segurança pela aplicação da lei do piso nos municípios

– confeccionar adesivo pela aplicação da lei do piso

– denunciar governo “fora-da-lei”

– afixar faixas nas subsedes

– publicar matéria paga na TV

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

CER DEFINE CALENDÁRIO DA LUTA PELA JORNADA DO PISO A luta não terminou, secretário

55 Comentários Add your own

  • 1. Aluizio  |  07/02/2012 às 01:35

    Boa noite Bebel… foi encaminhado algo para o juiz sobre o descomprimento do mandado de segurança!? O que foi dito pelo juiz!? Enquanto isso, Fernado Padula ri em seu twitter dos professores.

    Responder
    • 2. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:02

      Prezado professor Aluizio,
      Por favor, leia o texto deste post. Ele informa que o governo ingressou com recurso que protela o cumprimento da sentença. Por isso, a mobilização nas escolas, o abaixo-assinado e o trabalho de organização da greve são fundamentais, juntamente com as medidas jurídicas que estamos tomando.
      Bebel

      Responder
  • 3. Francisco  |  07/02/2012 às 01:46

    Sinto muito!!! falo em nome de muitos professores que conheço, e tentei mobiliza-los e encoraja-los e anima-los com noticias sobre um tal sonho denominado “lei do piso salarial”, mas como sempre nao vi esse sonho se materealizar!! e acreditei em uma vitória impossivel por diversos motivos, incompetênica por pates de nossas lideranças, falta de mobilização por partes dos professore e digo mais puro comodismo mesmo da classe!! agora so resta lamentar a derrota!! e espero que nenhum professor se iluda com uma vitória em brasilia, pois, tudo isso nao passou de um sonho!! o Brasil nao é definitivamente o país da educação, e enquanto os valores neste país forem valorizar mega especuladores, políticos corruptos, empreiteiros, interesses particulares e etc… nunca seremos um país pioneiro na educação!! e isso não se muda com greve com nada, isso se infelizmente se tornou cultural. Digamos que do dia para noite, nosso país muda-se e desse valor a educação, mesmo assim esse quadro por se tornar cultural, iria uns 10 anos para se modificar, pois existe uma geração contaminada por interesses diversos, menos preocupada com os bens básicos que norteam um país que é eduaçao de qualidade para todos, saúde, segurança, vida digna enfim….. Aqui só me resta deixar meus parábens a Apeoesp pelo engajamento na luta, todavia nao podemos exigir 10 de que só nos pode dar 7 na vida!! mas a luta foi válida!! uma tentativa que pelo menos mostrou interesse em ajudar o professor!Agora hoje tenho que dormir porque tenho que cumprir nesta semana 32 aulas e ainda escutar dos colegas de profissão que tentei convencer e mobiliza-los a luta, os risos e a seguintes falas ” eu já sabia que iria dar nisso” “só você mesmo para acreditar que o sindicato iria vencer” “o sindicato é comprado” ” o sindicato mais perde do que ganha” ( essa ultima eu até concordo com a fala dos professores). Mas Bebel, você ainda se mostra uma pessoa honesta e persistente! e de certa forma, mesmo nós sendo derrotados mais uma vez, você tentou…..!!

    Responder
    • 4. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:11

      Prezado professor Francisco,
      Creio que é muito cedo para tirarmos conclusões deste tipo. Temos um calendário a cumprir, temos que conversar muito com os professores, mostrar a importância desta luta, persistir e acumular forças para uma grande movimento no início de maio, culminando na greve. Em paralelo, vamos continua trabalhando juridicamente.
      Por outro lado, quem fala que o sindicato é comprado ou que não está realizando a luta, ou é mal-intencionado, ou é completamente desinformado e sequer lê os boletins, o site da APEOESP e este blog.
      Bebel

      Responder
  • 5. Lúcia  |  07/02/2012 às 02:02

    Bebel

    Apesar do banho de agua fria, ainda há esperança. E enquanto há esperança vamos lutar. Você sabe informar quando seria o julgamento no Supremo?

    Responder
    • 6. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:18

      Prezada professora Lúcia,
      Levaremos a questão para o STJ e STF assim que for necessário, se for o caso.
      Bebel

      Responder
  • 7. ADRIANO NERI  |  07/02/2012 às 02:05

    Noite na diretoria onde trabalho o comentário é que a APEOESP perdeu a ação. O que significa isto?

    Responder
    • 8. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:21

      Prezado professor Adriano,
      São comentários de pessoas que não sabem o que dizem. A sentença está válida. A SEE conseguiu uma decisão provisória que adia sua aplicação. Se sofrermos um revés aqui, vamos aos tribunais de Brasília. Vamos às ruas. Vamos à greve. Não vamos aceitar que nos tirem nosso direito.
      Bebel

      Responder
  • 9. Hugo  |  07/02/2012 às 02:25

    Olá, cara Bebel.

    Pelo que li, segue orientação para impetração de mandados de segurança individuais. Pois bem, qual o sentido dessa ação se foi-nos concedido mandado coletivo? Se o Estado não obedece ao direito coletivo, como farei pra que ele obedeça ao meu, caso seja deferido tal mandado? É complicado tudo isso. A gente se sente impotente diante de tudo isso.
    Em nenhum momento quero transmitir desânimo, mas apenas expressar minha impotência aos desmandos do Estado – que alguns querem acreditá-lo como democrático e de direito.

    Agora, sendo mais objetivo: hj minha diretora deu a resposta ao meu requerimento, seguindo ordens expressas da DE, e advinha? Indeferido.
    Devo entrar, então, com mandado individual ou aguardar passivamente que o Estado obedeça à liminar coletiva?
    Grato.

    Responder
    • 10. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:25

      Prezado professor Hugo,
      Os mandados de segurança individuais, quando conseguem liminares (o que já é o caso de vários deles) em número expressivo criam jurisprudência. Eles devem ser cumpridos em nível local, ou seja, ficam disseminados vários momentos de implementação da jornada do piso, o que pode influenciar no movimento geral, inclusive as decisões do TJ, eventualmente.
      Obviamente a DRE vai negar seu requerimento, pois está orientada pelo secretário da Educação. Mas o mandado de segurança tramita no judiciário e a liminar deve ser cumprida. Esta é a diferença.
      Procure sua subsede.
      bebel

      Responder
  • 11. henrique  |  07/02/2012 às 02:27

    Obrigado por brigar por nós, acreditar em nós, confiar em nós, ter-nos como ferramentar catalizadora de um processo de Engrandecimento de nós como Nação. Enfim é bom saber que tem alguem pensando grande … tão grande quanto o Brasil!

    Afinal, o que queremos?

    – Ter um sonho de Educação?

    ou

    – Ter a Educação do sonho?

    Responder
  • 12. henrique  |  07/02/2012 às 02:33

    Ola Bebel.

    Obrigado por brigar por nós, acreditar em nós, confiar em nós, ter-nos como ferramentar catalizadora de um processo de Engrandecimento de nós como Nação. Enfim é bom saber que tem alguem pensando grande … tão grande quanto o Brasil!

    Afinal, o que queremos?

    – Ter um sonho de Educação?

    ou

    – Ter a Educação do sonho?

    Responder
    • 13. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:26

      Prezado professor Henrique,
      Muito obrigada pelas suas palavras.
      Bebel

      Responder
  • 14. Junior  |  07/02/2012 às 02:37

    Bebel, parabéns pelo empenho e dedicação frente à batalha judicial da jornada do piso.
    Li muitos comentários de professores criticando o calendário deliberado pelo CER, mas eu gostei; achei sensato e coerente com os momentos e proposta de mobilização.
    Vamos centrar nossas forças, rumo à vitória pela qualidade da educação paulista!

    Responder
    • 15. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:27

      Prezado professor Junior,
      Muito obrigada. Suas palavras me animam a continuar na luta, por mais difícil que seja.
      Bebel

      Responder
  • 16. Eliana Barreiros  |  07/02/2012 às 02:59

    Acabei de ler a declaração do secretário no site da educação. É inacreditável a capacidade que eles tem de torcer os fatos e no final posarem de bonzinhos. E que cinismo quando passam “mel” nos professores e agradecem o bom comportamento na atribuição de aulas. Não podemos esmorecer. Força

    Responder
    • 17. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:28

      Prezada professora Eliana,
      Por favor, leia texto que postei hoje aqui no blog.
      Bebel

      Responder
  • 18. Regina  |  07/02/2012 às 04:04

    Bebel. até quando vamos ter que aturar essa de o governo ganhar todos os recursos? E, o que faremos em Brasília? Você realmente acredita que temos alguma chance? Sinceramente, eu não. E aquele papo de AGORA ELE TEM QUE CUMPRIR! Cansei!

    Responder
    • 19. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:30

      Prezada professora Regina,
      É preciso compreender que a nossa luta na justiça tem pouco mais de dois meses. Neste período conquistamos a liminar e a sentença nos foi favorável. Não é pouca coisa. O governo conta com a simpatioa dos desembargadores, que tem lhe dado decisões favoráveis provisórias, adiando o cumprimento da sentença. Não uma luta fácil, mas vamos desistir? Vamos cansar? Vamos entregar a vitória ao governo? Não, não vamos.

      Responder
  • 20. Lourival Nascimento  |  07/02/2012 às 07:54

    Como não tenho outro espaço para me manifestar. Afirmo ter ficado indignado de meu comentário ter ficado em suspenso sem moderação nem ter dado satisfação, visto que o meu email ficou aqui registrado. Se é assim que vc trata professores que propõe sugestões sérias dá pra imaginar o restante. Não me manifestarei mais. Paz e Saúde. prof. Lourival Nascimento

    Responder
    • 21. apeoesp  |  07/02/2012 às 12:55

      Prezado professor Lourival,
      Peço desculpas pro somente agora ter podido publicar seu comentário. No comentário original há a minha resposta. Apenas lamento que você tenha tirado conclusões de um problema relacionado com o excesso de mensagens, a rapidez dos acontecimentos e a necessidade de atuação da APEOESP, o que muitas vezes me impede de me dedicar ao blog, que é um importante canal de comunicação entre a nossa entidade e a base da categoria.
      Bebel

      Responder
  • 22. Cleber  |  07/02/2012 às 10:45

    E agora Bebel, a Apeoesp poderá recorrer???

    Responder
    • 23. apeoesp  |  07/02/2012 às 12:41

      Prezado professor Cléber,
      Caso soframos um percalço no TJSP, perdendo a sentença, vamos para Brasília. Vamos usar todos os recursos possíveis.
      Bebel

      Responder
  • 24. Karina  |  07/02/2012 às 10:55

    Bom dia Bebel !

    Estamos com vocês nesta luta .
    Existe uma previsão de quanto tempo leva este julgamento em Brasília?

    Obrigada!

    Karina.

    Responder
    • 25. apeoesp  |  07/02/2012 às 12:32

      Prezada professora karina,
      Caso soframos um percalço no TJSP, vamos de imediato aos tribunais federais.
      Bebel

      Responder
  • 26. cesar  |  07/02/2012 às 11:00

    OLÁ CARA PRESIDENTE!
    ACREDITO SER PRIMENTE A DEFLAGRAÇÃO DE UMA GREVE IMEDIATA! O MOMENTO É ESSE JÁ QUE COM O PAGAMENTO DO BONUS, O MOVIMENTO PODE ESVASIAR-SE.
    O ESTADO (PSDB) ESTA COMETENDO CRIME AO UTILIZAR MEDIDAS PROCRASTINATÓRIAS DEMONSTRANDO ESTAR LITIGANDO DE MÁ FÉ. PENSE O MOMENTO É AGORA.

    Responder
    • 27. apeoesp  |  07/02/2012 às 12:30

      Prezado professor César,
      Um movimento de greve tem que ser preparado pela base, para ser forte e atingir resultados. Agora é o momento de elegermos os representantes de escolas, para que eles façam este trabalho de articulação com os professores.
      Bebel

      Responder
  • 28. Antonio Sérgio Ferreira  |  07/02/2012 às 11:04

    Olá Bebel!!Parabéns pela disposição e pela maneira articulada com que a Apeoesp vem lutando pela lei do piso. Esse governo não pode estar acima do judiciário!!
    Os professores devem continuar a entrar com mandados individuais pela aplicação da Lei do Piso??

    Responder
    • 29. apeoesp  |  07/02/2012 às 12:24

      Prezado professor Antonio,
      Muito obrigada. A luta vai recrudescer agora. Precisamos da mobilização de todos.
      Bebel

      Responder
    • 30. 1rangel  |  07/02/2012 às 17:51

      Olha, Antônio, a Apeoesp vem lutando judicialmente essa batalha e acho isso muito importante, mas vem deixando a desejar na organização efetiva dos professores nessa matéria. Por outro lado, um questionamento importante seu deixou de ser atendido, afinal de contas, os professores devem ou não devem continuar a entrar com mandados individuais de segurança?

      Responder
  • 31. Karina  |  07/02/2012 às 13:29

    Preciso de um esclatrecimento.

    Aquele julgamento que estava para sair daqui mais ou menos 10 dias ainda ocorrerá ?

    Obrigada .
    karina.

    Responder
    • 32. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:34

      Prezada professora Karina,
      Sim, ocorrerá. Em prazo talvez menor que este.
      Bebel

      Responder
  • 33. Luiz antônio Ferreira  |  07/02/2012 às 14:36

    Como o Secretário da Educação pode expedir uma resolução que diz que a hora de trabalho, o htpc e htpl devem ser de 50 minutos se a lei complementar 836/97 determina que deve ser de 1 hora?
    Então resolveu modificar a lei por resolução?

    Responder
    • 34. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:38

      Prezado professor Luiz Antonio,
      Como temos dito, a resolução SE 8 é ilegal.
      Bebel

      Responder
  • 35. dirceu  |  07/02/2012 às 14:47

    bebel sou re falei com re hoje disse dia 08 fevereiro audiência na ALESP hem ela falou não é em março 08 de março no site apeoesp tá 08/02 e agora?

    Responder
    • 36. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:39

      Prezado professor Dirceu,
      A reunião da comissão de educação é amanhça, dia 8/2.
      Bebel

      Responder
  • 37. dirceu  |  07/02/2012 às 14:49

    bebel gostaria de saber qual será a próxima ação do jurídico da APEOESP grato

    Responder
    • 38. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:40

      Prezado professor Dirceu,
      Recorrer do decisão da 10ª Câmara do TJ.
      Bebel

      Responder
  • 39. dirceu  |  07/02/2012 às 14:54

    bebel nao perdemos a sentença mas como foi concedido efeito suspensivo a sentença está sem aplicação o que está valendo é a res 08 e o cálculo dos terços feito pela SEE o lulgamento do mérito foi feito pelo juiz mas o desembargador concedeu efeito suspensivo ou seja a sentença é uma miragem deveremos tentar levar o mérito para o supremo aí sim decisão tomada será irrecorrível correto?

    Responder
    • 40. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:42

      Prezado professor Dirceu,
      A sentença não é uma miragem, mas há a possibilidade de um revés no TJ. Temos que aguardar este julgamento para levar a questão para Brasília.
      Bebel

      Responder
  • 41. Prof Benedito Inácio  |  07/02/2012 às 15:22

    Olá profª. Maria Isabel
    Olha, não é por nada não, mas gostaria de ouvir um parecer do atual Ministro da Educação quanto ao problema do cumprimento da jornada de trabalho docente em São Paulo.
    Porém, como vejo o senhor Mercadante como um gato encima do muro, será difícil abrir a boca sem autorização do lulinha.
    O PT deveria assumir seu compromisso e começar a falar sobre a unificação da educação básica. Porém, no poder mudaram totalmente de ideologia!
    Enquanto isso, nas terras psdebistas, vamos comendo o pão que o picolé de chuchu amassa.
    Deste modo, é IMPORTANTÍSSEMO a união de todos os professores em torno de um objetivo de cada vez, o momento é pela correta implementação da jornada.
    Que saudade dos verdadeiramente anarquistas nos sindicatos!
    “Se navegar é preciso, lutar unidos é imprescindível”!
    Farei o impossível para estar na Assembleia dia 08, a luta é de TODOS os professores e não só de alguns dando à cara a tapa para todos receberem os benefícios da vitória.
    Lembrem-se professores, nossa tribuna está na sala de aula, junto aos pais e outros professores…

    Responder
  • 42. Benedito  |  07/02/2012 às 15:25

    Prezada senhora presidenta, o calendário é bom, mas o melhor é a disposição daqueles que querem lutar! Nesses anos que frequento seu Blog, diga -se da passagem uma ótima idéia para se ouvir o associado, nunca tanta indignação e vontade de ira para a greve como agora. Penso que uma assambleia ,e não atividades, tão longa nesse momento com essa do dia 16 que é deliberativa , deveria ser antecipada, no mínimo para o início da primeira semana de março e no meio da semana.
    Benedito.

    Responder
    • 43. apeoesp  |  07/02/2012 às 19:44

      Prezado professor Benedito,
      O calendário, considerando o carnaval e as atividades necessárias para mobilizar a categoria, está correto. Assim como nossa participação na greve nacional organizada pela CNTE.
      Bebel

      Responder
  • 44. Marcio P. Moraes  |  07/02/2012 às 16:20

    OLÁ, BEBEL!
    DEIXA EU DAR UMA SUGESTÃO: NÓS PRECISAMOS DE UM ESCLARECIMENTO JURÍDICO SOBRE O QUE PODE ACONTECER DAQUI PARA FRENTE, TANTO A NOSSO FAVOR COMO CONTRA. ISSO PORQUE NÃO SOMOS ADVOGADOS E POUCO ENTENDEMOS DE DIREITO. SERIA INTERESSANTE A APEOESP PUBLICAR PERSPECTIVAS JURÍDICAS PARA QUE OS PROFESSORES MAIS INTERESSADOS POSSAM SE ALIMENTAR DE INFORMAÇÕES E DIVULGAR NAS ESCOLAS. FICA DIFÍCIL A GENTE ENTENDER DOS TRÂMITES SEM ESSAS INFORMAÇÕES.

    Responder
    • 45. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:34

      Prezado professor Márcio,
      Vamos analisar a sua sugestão. Obrigada.
      Bebel

      Responder
  • 46. luiz andré.  |  07/02/2012 às 17:05

    Bebel parabéns pela disposição e empenho nesta empreitada juridica!!O governo esta se apegando nos dez miseráveis minutos entre uma aula e outra para justificar o não cumprimento da lei em sua integridade e natureza{melhoria da edução}.Portanto,não se fala em janelas de aulas vagas que ,por sua vez,prende o professor na escola o dia inteiro.Eu mesmo ja cansei de “viver”dentro da escola,visando cumprir uma pequena jornada de aula!!Se colocarmos na ponta do lápis,o tempo de permanência na escola pelo professor é bem maior doque prega a SEE.Afinal de contas,como fica a reflexão entorno das janelas de aulas vagas??

    Responder
    • 47. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:39

      Prezado professor Luiz André,
      Obrigada pelo apoio.
      É preciso que construamos nossas jornadas de trabalho de modo a assegurar as melhores condições de trabalho, sem janelas ou tempos desperdiçados.
      Bebel

      Responder
  • 48. Marcos  |  07/02/2012 às 18:05

    Bebel. Deixa eu entender: O governo conseguiu um efeito suspensivo da sentença dada pelo juiz, enquanto o recurso está em trâmite. É isso? Logo, na verdade tudo fica como estava, no aguardo da decisão em segunda instância. O governo apenas conseguiu novamente protelar a execução da sentença. Quando deverá sair o julgamento do recurso do governo? E vc sabe qual juiz está julgando esse recurso?

    Responder
    • 49. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:43

      Prezado professor Marcos,
      Agora, quem entra com recurso somos nós. E já o estamos fazendo para derrubar esta decisão. Não há prazo definido, ainda, para que seja julgado.
      Bebel

      Responder
  • 50. Rita  |  07/02/2012 às 20:20

    Vamos á luta até o fim….obrigado por tudo.

    Responder
  • 51. 1rangel  |  07/02/2012 às 20:36

    Vejo comentários que foram postados depois do meu entrarem na página. Comentários seus, Bebel, entrarem na página, enquanto os meus aguardam moderação eterna. Você é à favor do controle de mídia antes que as opiniões venham à público? Pra que restringir os comentários, de professores, diga-se de passagem, à priori e não à posteriori?

    Responder
    • 52. apeoesp  |  09/02/2012 às 00:52

      Prezado professor 1rangel,
      Tenho respondido seus comentários.
      Bebel

      Responder
  • 53. Vanessa  |  07/02/2012 às 21:40

    Bebel a União faz a força não importa em que categoria nos encontramos neste momento, para que haja respostas positivas temos que nos unir .

    Responder
  • 54. Elisabete Ferreira do Amaral  |  08/02/2012 às 02:28

    Saudações!

    Penso que não devemos cruzar os braços. Vamos seguir o calendário de luta e cobrar apoio em nossos municípios, já que é ano eleitoral.

    Professora Bete

    Responder
  • 55. Paulo Roberto Lizas  |  08/02/2012 às 18:00

    Bebel,

    Parece de vital importância que neste momento, alimentemos o ex-ministro Fernando Hadad com todas as informações sobre as manobras que o Governo de SP tem tomado contra os professores, uma palavra dele sobre a aplicação do piso poderá influenciar inclusive os desembargadores, pois virá aclarar a verdadeira intenção desta lei.

    Paulo

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,910,555 hits

%d blogueiros gostam disto: