Professores aprovam manutenção da mobilização e nova assembleia no dia 20 de abril

17/03/2012 at 04:22 116 comentários

Pressão e greve levam a SEE a anunciar negociação para implantação da jornada do piso

Férias repartidas serão revogadas

Subsedes devem realizar reuniões de Representantes na terça-feira, 20/03, com dispensa de ponto

No terceiro dia da greve nacional em defesa da Lei do Piso Salarial Profissional Nacional, na sexta-feira, 16, a paralisação dos professores chegou a 80% no estado de São Paulo. Neste dia, cerca de 10 mil docen¬tes participaram da assembleia estadual nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes.

Na assembleia, informei aos professores que a Secre¬taria da Educação comunicou a disposição de negociar a implementação da jornada do piso, de acordo com sua correta con¬cepção (Lei 11.738/08) e não a partir da Resolução SE 8. A negociação sobre esta questão se dará em abril no âmbito da Comissão Paritária de Gestão da Carreira do Magistério, que vem se reunindo desde 2011 e atualmente discute a evolução funcional pela via não acadêmica. A SEE chegou a informar que a disposição do governo é a da implementação da jornada da lei do piso de forma paulatina até 2014.

A SEE também comunicou à Presidência da APEOESP que a Resolução 44 (férias repartidas) será revogada, retomando a partir de 2013 o calendário anterior, com 30 dias de férias em janeiro. Também informou que uma comissão do governo está analisando a possibilidade de recompor o reajuste salarial previsto para 2012, uma vez que no índice que consta na lei complementar 1143/11 para este ano (10,2%) está embutida a incorpora¬ção da GAM, objeto de lei anterior.

Frente a essas informações, os profes¬sores aprovaram a continuidade da mobilização em torno da implementação da lei do piso e as negociações, exigindo-se do governo que apresente todas as propostas por escrito. Aprovaram também nova assembleia, que será realizada no dia 20/04, às 14 horas, na Avenida Paulista. A ação judicial que a APEOESP move contra a SEE pela aplicação da lei do piso será mantida e as negociações devem ocorrer a partir da seguinte pauta, extensiva aos aposentados:

  Implementação da jornada do piso;

 Reposição salarial imediata de 36,74%;

 Integralização do reajuste salarial pre¬visto para 2012 (lei 11.43/11);

 Incorporar os recursos destinados ao pagamento de bônus aos salários, por meio de reajustes;

 Realizar campanha contra a precarização da contratação dos professores da categoria “O”, inclusive com denúncia à Organização Internacional do Trabalho;

 Garantia de acesso do professor categoria “O” ao atendimento médico (Iamspe);

 Fim da prova dos OFAs – realização de concursos públicos para possibilitar a efetivação dos professores;

 Regularização imediata do pagamento dos professores;

 Pagamento dos dias parados e retirada das faltas dos professores que partici­param da greve;

 Concretização da revogação da Re­solução 44 (fim das férias repartidas):

 Debate sobre a LC 836/97 – cons­trução de um plano de carreira que atenda as necessidades da categoria e do processo de ensino-aprendizagem dos alunos;

 Exigir do governo a apresentação de um plano de reformas, estruturação e construção de unidades escolares para garantia de condições de trabalho;

 Readmissão dos professores demiti­dos na greve de 2000.

Devemos manter os professores informados e mobilizados em todas as escolas, em todas as regiões. Por isso, as subsedes devem realizar nesta terça-feira, 20/03, as reuniões de Representantes, com dispensa de ponto, para que possam retornar às escolas plenamente esclare­cidos e transmitir todas as informações aos professores.

Nossa mobilização não acabou. Ao contrário, somente nossa pressão pode assegurar que o governo não volte atrás e possamos avançar ainda mais. Além disso, o período até 20/04, data da assembleia, deve ser utilizado para preparar a catego­ria para um nova greve, ainda mais forte, que será deflagrada se o governo não cumprir seus compromissos conosco.

Calendário de mobilização

Dia 20 de março: reunião de representantes

Dia 20 de abril: assembleia estadual na avenida Paulista

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Trinta por cento dos professores paulistas aderiram à greve no primeiro dia APEOESP conquista sentença favorável contra descontos nos salários dos professores da ex-categoria “L”

116 Comentários Add your own

  • 1. Maria  |  17/03/2012 às 10:26

    Faltaram os profs categoria O ter direitos garantidos, pois estamos na rede há anos e devido ao não planejamento do Serra estamos vivendo condição de escravos em pleno sec XXI.E ainda, concurso para esses profs que estão na rede:como nós sem garantia de nada e salários atrasados, vales que nunca foram pagos, faltas no prontuário que não existem, devido a incompetencia dos secretários de escolas.Além disso obrigarmos a fazer uma prova e contrar estudante de direito, jornalistas, arquiteto, etc para ministrar aulas sem fazer a prova.Só isto, já é motivo para uma ação judicial, e outra, sou estudante do primeiro semestre de arte e meu cadastro foi indeferido, quando, na resolução 29 artigo XII, no quarto paragrafo está escrito que alunos de qualquer semestre, mais as supervisores não leem as resoluções e tem autonomia para fazer o que querem.Enquanto isso estudantes de areas diversas que não faz parte da educação estão intupidos de aulas sem fazer a prova.E nós que a fizemos estamos sem .Vergonhosa essa cituação!

    Responder
    • 2. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:18

      Prezada professora Maria,
      Reproduzo trecho das decisões da assembleia:
       Realizar campanha contra a precarização da contratação dos professores da categoria “O”, inclusive com denúncia à Organização Internacional do Trabalho;

       Garantia de acesso do professor categoria “O” ao atendimento médico (Iamspe);

       Fim da prova dos OFAs – realização de concursos públicos para possibilitar a efetivação dos professores;
      Como vê, a questão do professor da categoria O está inserida na nossa luta.
      Quanto à ação judicial, o assunto foi estudado, mas não cabe, porque a lei 1093, por mais absurda que seja, não é inconstitucional e foi aprovada por maioria de 2/3 na Assembleia Legislativa.
      Bebel

      Responder
      • 3. Maria  |  17/03/2012 às 14:28

        O concurso deve acontecer para os professores da rede e não para quem está fora!Quanto ao nosso salário, estamos sem.E hoje saiu no DO a minha portaria com data do dia 09 do 02/12, quando na verdade as aulas foram atribuidas dia 27 de janeiro.Quando esse roubo em nossos bolsos irão acabar?Quando vamos ter a atribuição online direto no Recursos Humanos como é na prefeitura?Sou professora da rede há anos e agora curso arte, e fui impedido de pegar aulas mesmo estando aprovada e fazendo o cadastro emergencial, porque supervisores não leem as resoluções?A DE Centro Sul faz o que quer e nada acontence, pois estamos vivendo na ditadura do PSDB há 16 anos.As aulas dessa diretoria sumiu no 27, pois já estavam com os parentes e amigos e ficamos com os restos.
        Frase dos jovens na paralização:”Prefiro morrer em pé, que viver de joelhos”.Um gov nefasto, e vimos que a paralização imcomodou o gov.Então, precisamos de gente que realmente represente as subsedes, pois vi que eles estavam trabalhando , enquanto nós paramos.Estes não podem ser os representantes se não sabem representar!Espero que o sindicato que é o representante legal dos professores pergunte ao Sr secretário o porque a Centro Sul indeferiu meu cadastro, alegando que eu não fiz nenhum semestre, se estou cursando o primeiro e muitos professores estão na rede com condiões adversas.

      • 4. apeoesp  |  17/03/2012 às 16:15

        Prezada professora Maria,
        Infelizmente a Constituição não permite concurso apenas para quem já está na rede.
        Quanto ao pagamento, recebemos a informação de que há folha suplementar no dia 19/03.
        Bebel

      • 5. Maria  |  17/03/2012 às 17:11

        O meu pagamento não está provisionado para o dia 19/02 e ainda somos obrigados a comparecer na escola mesmo sem receber. vergonhosa a situação!Isto é trabalho do sindicato.Cobrar porque os funcionários só trabalham quando quer.Por que há tantos intermediários até chegar a digitação.Que lei nos ampara?Tudo tem que ser judicial?Basta disso ;o gov tem fazer as coisas funcionarem.A prefeitura fez prova só para seus professores contratados, e a constituição já existia!E se ela fosse verdadeira, diretores não iriam avaliar professor, muito menos ameaçar.Pois, muitos não aparecem no serviço e são os ditadores da Dirigente Regional.E também são eles quem recebem junto com os coordenadores o maior bônus sem trabalharem.Basta averiguar quantas faltas tem esses seres .Não possuem nenhuma.Porque será?Ah! se fosse verdade o geraldinho tinha cumprido a determinação judical.E outra os deputados em pleno sèc XXI não aprovaria leis que fere os direitos trabalhistas do cidadão.Aprovaram leis que relembram a ditadura e a escravidão.

      • 6. tais  |  17/03/2012 às 18:50

        se a lei 1093 não é inconstitucional, a 1010/2007 é pois o desembargador Francisco Vicente Rossi, em meu processo para voltar a categoria F, diz que essa lei fere o artigo 37 da Constituição Federal queria ver se essa lei fosse revogada e todos os F virassem O o que iria acontecer …aposto que muitos iriam entram em greve e essa palhaçada iria por água abaixo…

      • 7. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:33

        Prezada professora Taís,
        A estabilidade para os professores da categoria F é uma conquista da nossa luta. Ela demandou esforço, mobilização e negociação. Não é inconstitucional, é um direito que queríamos estender a todos os professores então contratados pela lei 500/74. Infelizmente a maioria folgada do governo na ALESP não permitiu que isto fosse possível.
        Hoje desenvolvemos uma campanha, aprovada na assembléia do dia 16/03, para que todos os professores tenham a mesma dignidade na sua forma de contratação e seus direitos.
        Bebel

    • 8. suraya caram  |  18/03/2012 às 01:10

      Vergonhosa nossa SITUAÇÃO , mesmo …

      Responder
  • 9. Maria Izabel  |  17/03/2012 às 10:43

    Olá Bebel.
    Estou com uma dúvida a qual a secretária de minha escola ficou de averiguar. Passei em um concurso público municipal e tive que deixar minhas aulas do Estado, queria saber se esse ano ainda posso participar em atribuições. A secretária acha que sim, pois por eu ser categoria O, terei que esperar a quarentena (40 dias) e depois posso iniciar um novo contrato. É isso mesmo ou terei que esperar o próximo ano.
    Obrigada.
    Maria Izabel.

    Responder
    • 10. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:12

      Prezada professora Maria Izabel,
      Neste ano, não mais. Apenas no próximo ano. A não ser que você consiga se cadastrar, como professor que não fez a prova, porque para abrir novo contrato, desvinculando-se de sua situação anterior, teria que fazer novamente a prova. Consulte o departamento jurídico pelo telefone 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 11. Maria Izabel  |  17/03/2012 às 10:58

    Olá Bebel e amigos professores
    A folha suplementar está provisionada para dia 19/03 graças a Deus e a nossa luta. Ah…um detalhe sou categoria O.
    Obrigada Bebel
    Maria Izabel

    Responder
    • 12. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:10

      Prezada professora Maria Izabel,
      Muito obrigada pela sua informação. É ótima. A assembleia de ontem aprovou que cobraremos do governo a regularização imediata de todos os pagamentos, aliás, como já vimos fazendo.
      Bebel

      Responder
    • 13. Maria  |  17/03/2012 às 23:36

      Desculpe informar, mas não está provisionado para todos, porque o meu pagamento…nem sinal dele. Detalhe, comecei no dia 01.02 e levei os meus documentos antes do início das aulas.

      Sou Categoria O, antiga L e passei no concurso. Estou com esperanças de chamarem os 9.000 que a SEE disse que chamaria em 2012, portanto, como reivindicar novos concursos se ainda não chamaram aqueles que passaram?

      Responder
      • 14. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:05

        Prezada professora Maria,
        Não há contradição em reivindicar novos concursos e a convocação dos atuais aprovados. Nós reivindicamos as duas coisas. Chamam-se os aprovados e prossegue-se realizando concursos, pois ainda faltam professores e há muitos temporários.
        A assembleia aprovou a luta pela regularização imediata dos pagamentos e vamos encaminhá-la. Você também pode procurar o departamento jurídico na sua subsede e verificar o que pode ser feito individualmente.
        Bebel

  • 15. Douglas  |  17/03/2012 às 11:18

    Bom dia Isabel
    Fiquei indignado com a assembléia de ontem 16/03, era uma situação em nível nacional e a senhora nem sequer deu a chance de nos perguntar se queriamos continuar a greve agora? os olhos estavam voltados para a Educação no país, foi uma decisão unicamente sua, beneficiar o Governo, eles já tiveram prazos suficientes para regularizar a situação. Sou categoria O, nunca fui L, fui até a assembléia ontem, como alguns poucos categoria O também foram, mas a sua preocupação é regularizar a vida dos L que viraram O e não a nossa que sempre fomos O, estou na rede a mais de 6 anos, sempre fui às assembléias porque como eventual eu não tinha pagamento nem um contrato a perder e com aulas atribuidas eu tenho, é isso que a senhora não está vendo. Vá a uma escola qualquer e pergunte quantos cat O pararam? Faça um levantamento disso. A categoria O é imensa e você não faz nada que a mobilize para ter um grande público de apoio. Na avenida Paulista é a chance que a senhora tem: chame a população, chame os alunos, chame os profissionais tercerizados da escola para lutar com os professores ou vai continuar fazendo reuniões com cada vez menos participantes por que ninguém está mais acreditando no sindicato.

    Responder
    • 16. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:07

      Prezado professor Douglas,
      Eu é que fico indignado com o senhor por faltar com a verdade. Não houve decisão minha coisa nenhuma. Todas as propostas levadas à assembleia foram formuladas e discutidas no Conselho Estadual de Representantes, como sempre ocorreu na APEOESP. Por sua vez, o CER discutiu propostas que vieram das reuniões de representantes e considerou o recuo do governo, fruto do nosso movimento. Nenhuma proposta de continuidade da greve foi apresentada.
      Você esteve na assembleia e sequer ouviu o que estava sendo deliberado. Agora, sequer se dá ao trabalho de ler o que foi decidido pela assembleia, que está no texto que você comenta. Veja lá: vamos realizar uma campanha, inclusive com denúncia à OIT, sobre a precariedade na contratação e ausência de direitos do professor categoria O.
      Não confunda a sua opinião pessoal com o estado de espírito da categoria. Leia os comentários aqui mesmo no blog e ouça mais seus colegas: o sindicato está fortalecido porque luta judicialmente, mobiliza, luta politicamente e também sabe a hora de negociar, sem abrir mão de seus princípios e reivindicações.
      Bebel

      Responder
      • 17. Douglas  |  17/03/2012 às 12:53

        Estive, ouvi, li pautas e li os comentarios dos colegas também e o que está escrito: a preocupação é com os cat L que viraram O. Não é minha opinião pessoal, faz o que te sugeri, faça um levantamento dos O que conseguiram tirar da sala de aula os 3 dias da paralisação ou 01 dia sequer, além dos demais. Estamos perdendo crédito da classe. Reveja tudo isso, como era cheio as assembléias e como estão agora e como vão ficar adiante. A tendencia é piorar. E não sou só eu que penso assim, eram as conversas na assembléia e são os comentários do blog.

      • 18. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:53

        Prezado professor Douglas,
        Não compartilho do seu pessimismo. Não acho que a tendência seja piorar. Tudo depende do engajamento dos mais esclarecidos para mobilizar seus colegas. Vamos continuar lutando.
        Bebel

      • 19. Prof. Fernando  |  19/03/2012 às 19:26

        Cara presidenta nem leve em conta o que o Douglas diz, pois ele nem afiliado é.

    • 20. Fernando Florio  |  17/03/2012 às 17:17

      umCaro Douglas,
      Vc tem toda razão a assembléia foi dirigida sim.Não sei se por um erro conceitual – HAVIA UMA PROPOSTA DE CONTINUAÇÃO DA GREVE QUE NÃO FOI VOTADA, ou por manipulação política.Quero acriditar que houve um erro, pois se foi uma manipulação devemos unirmos para tirar essa direção anti-democrática e politiqueira que temos, não podemos deixar de participar do sindicato, pois o mesmo é muito maior que Bebel e outros- eles são apenas uma fase obscura de nossa História.
      Cara Presidenta foi utrajante oque ocorreu ontem, fiz até um boletim de ocorrência, pois sai de minha casa (No interior)para deslocar-me até o MORUMBI e ser utilizado como massa de manobra, os professores já tem um algoz (governo) não precisa de outro (Direção do sindicato).
      Espero que a situação de ontem tenha sido um mal entendido e que a senhora não teve intento de manipular a assembléia e sim apenas não entendeu a proposto de um dos companheiros.
      Na certeza de um esclarecimento para que eu não represente contra o sindicato (pedindo a impugnação da assembléia) espero uma explicação , não só eu um bocado de professores…
      Grato ,
      Fernando Florio

      Responder
      • 21. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:07

        Prezado professor Fernando,
        A decisão quase unânime da assembleia mostra claramente a vontade da categoria.
        Faça o que achar melhor.
        Bebel

  • 22. Prof. Sergio Luiz  |  17/03/2012 às 11:21

    Meus Parabéns a todos os professores e a APEOESP pela luta não só de todo dia , mas também na guerra pelos nossos direitos.

    Responder
    • 23. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:00

      Prezado professor Sérgio,
      Muito obrigada. Continuamos mobilizados e vamos realizar um movimento ainda mais forte em abril se o governo não mantiver sua palavra.
      Bebel

      Responder
  • 24. Prof. Sergio Luiz  |  17/03/2012 às 11:22

    Bebel vc mostrou a força que tem a mulher. Meus parabéns e que Deus te proteja sempre.

    Responder
    • 25. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:08

      Prezado professor Sérgio,
      Muito obrigada. Estamos na luta. Vamos fazer a nossa mobilização crescer ainda mais para conquistar mais vitórias.
      Bebel

      Responder
  • 26. Benedith  |  17/03/2012 às 11:34

    Bebel, vc caiu nesse conto do vigário de que ele vai implantar paulatinamente a lei do piso até 2014? Em 2014 já não é mais ele que estará no governo, nós queremos isso agora, já! Nós queremos o Hermann fora da secretaria da educação e já precisamos começar campanhas: FORA PSDB PARA O BEM DA EDUCAÇÂO PAULISTA, precisamos colocar baners nos carros de professores, fazer bandeiras, sermos mais agressivos. E que história é essa de professores demitidos na greve de 2000, nunca ouvi falar nisso! E no SPTV disseram que eram 1000 professores no palácio. Não sou contra a APEOESP, nem ao movimento só quero saber a verdade.

    Responder
    • 27. apeoesp  |  17/03/2012 às 11:59

      Prezada professora Benedith,
      Não caimos em conto nenhum, mesmo porque nenhuma negociação ocorreu até agora. Leia com cuidado o texto que postei. A assembleia foi clara: todas as propostas terão de vir por escrito e não abrimos mão do procedimento judicial. Temos nova assembleia em 20/04 e podemos retomar a greve. Não sei a que verdade você se refere. As informações estão disponíveis. Éramos 10 mil no palácio; você viu, porque certamente estava lá. Assim, como, suponho, sua escola parou completamente para comparecer à assembleia.
      Bebel

      Responder
      • 28. flavio eduardo mazetto  |  17/03/2012 às 12:26

        Bebel, fiquei confuso: “nenhuma negociação ocorreu até agora”… “todas as propostas terão de vir por escrito”…
        Por favor, esclareça. Sabemos que o governo também prometeu cumprir a lei do piso e veio com a resolução 8. Em política não existe ingenuidade, existe jogo de poder, dinâmica de interesses. Se o governo não cumprir, o resultado será mais desmobilização ainda. Concordo com o colega, é necessário uma articulação mais agressiva. Não vejo qualquer critica ao neoliberalismo, precisamos politizar esta luta, pois o governo não ficará parado.

      • 29. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:45

        Prezado professor Flávio,
        Não há porque utilizar o exemplo da resolução 8 se é justamente disto que estamos tratando. O governo se compromete, agora, a negociar a implantação da lei do piso como ela está concebida e não a manutenção da resolução 8. Justamente porque em política não existe ingenuidade, é que mantivemos nossa ação judicial e temos nova assembleia no dia 20/04, que pode retomar a greve. Quanto à atuação mais agressiva, se ela for necessária você poderá contribuir para ela na sua escola, na sua região, engajando-se na mobilização, propondo e ajudando a executar. Em relação aos nossos documentos, há, sim, muitas e profundas críticas às políticas educacionais que vêm sendo implementadas e à desvalorização dos professores.
        Bebel

      • 30. paulo  |  17/03/2012 às 16:11

        Bebel,

        20/04 é muito. 15 dias seria mais que suficiente para o governo apresentar suas propostas

      • 31. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:42

        Prezado professor Paulo,
        Temos que ter tempo também para nos organizarmos e mobilizar.
        Bebel

  • 32. fabio nobre  |  17/03/2012 às 11:49

    Quem finge que escuta, ganha tempo para fazer outro pacote do capeta, para terminar de ferrar nossa vida.

    Desculpa. Suas estrategias estão erradas. O palácio dos bandeirantes, os professores não vão pois, sabem que irão tomar porrada. Se tivesse ido 30.000 tínhamos apanhando de novo.

    Esquece greve. Arrume outra forma de pressionar.

    Responder
    • 33. apeoesp  |  17/03/2012 às 11:55

      Prezado professor Fábio Nobre,
      Creio que você esteja equivocado. Foi nossa estratégia que conquistou uma sentença favorável e que continua em vigor. Não abrimos mão dela. Foi nossa sentença que forçou o governo a dizer que sua própria resolução não tem mais validade e que negociará a implantação da lei. O procedimento judicial prossegue, em seu ritmo normal e temos nova assembleia agendada. Não estamos abrindo mão de nada.
      Bebel

      Responder
      • 34. paulo  |  17/03/2012 às 16:12

        Bebel,

        Pro favor, publique matéria explicando como funciona esse processo judicial da jornada do piso. Terá decisão judicial final ainda esse ano?

      • 35. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:43

        Prezado professor Paulo,
        Publicarei. A decisão sai ainda neste ano.
        Bebel

    • 36. Prof. Fernando  |  19/03/2012 às 19:31

      Cara presidenta esse tal Fabio Nobre só arruma confusão onde vai, seja aqui, na comunidade do facebook entre outros, se acha superior só não o agredi até agora porque as coisas não devem caminhar nesse sentido, mas ele dentre outros promovem a desunião da classe.
      Estou farto e parabéns a todos os que lutaram: professores, apeoesp e amigos.

      Responder
  • 37. fabio nobre  |  17/03/2012 às 11:50

    Mudando de assunto:

    Vc esta sabendo que as peb 1 da mesma escola, serão contratadas como auxiliar de classe para trabalhar no contra turno?

    Vc sabe que o contrato de auxiliar, interfere na aposentadoria das professoras? Essa era a proposta do Serra em colocar dois professores dentro da sala de aula. E já deve começar essa semana.

    Oriente as professoras a não pegar essas aulas, ou se pegarem saibam que isso não vai contar para sua aposentadoria, alem de que o compromisso e somente entre março a dezembro.

    Peço que poste uma orientação para esse caso de contratar as peb 1, como auxiliar de classe.

    Responder
    • 38. apeoesp  |  17/03/2012 às 11:53

      Prezado professor Fábio Nobre,
      Obrigada. Vamos analisar a questão e orientar os professores.
      Bebel

      Responder
  • 39. Carlos  |  17/03/2012 às 12:09

    Bebel, participei da assembleia e ouvi de vc que a secretaria iria voltar atrás quanto a lei do piso ate 2014. Ora , no uol esta escrito q uma nota da secretaria assim q terminou a assembleia diz q a resolução oito sera mantida. //e aí, será q você caoiu msm no conto do vigario?

    Responder
    • 40. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:28

      Prezado professor Carlos,
      Apesar de seu tom jocoso, que não condiz com a postura que um professor deve ter em relação à sua entidade, sobretudo no momento em que realizamos uma luta tão importante, respondo ao seu comentário dizendo que, em primeiro lugar, não caí em conto algum, porque não estamos abrindo mão de nossa mobilização nem da ação judicial que continua correndo no TJSP e, ainda, iremos a Brasília (STF e STJ) se o governo não cumprir com sua declarada intenção de negociar. Em segundo lugar, a reportagem do UOL em nenhum momento diz que a SEE emitiu nota após a nossa assembleia (mesmo porque, no horário em que o UOL publica a reportagem a assembleia estava ainda se encerrando). Tmapouco está escrito ali que a resolução será mantida (aliás, nem se refere à resolução. Apenas expõe o ponto de vista da APEOESP e o ponto de vista do governo, que foi expresso não em uma, mas em diversas notas à imprensa.
      Bebel

      Responder
  • 41. flavio eduardo mazetto  |  17/03/2012 às 12:29

    Gostaria, gentilmente, que o comunicado de negociação da SEE fosse publicado, para que pudessemos mostra-lo para aqueles que estão duvidando de tal conquista.
    Flavio

    Responder
    • 42. apeoesp  |  17/03/2012 às 12:41

      Prezado professor Flávio,
      Por favor, leia atentamente o texto que publiquei. Não houve comunicado por escrito. Uma das deliberações da assembleia é que a SEE apresente suas propostas por escrito. Em segundo lugar, a mobilização está mantida, a ação judicial também e temos assembleia dia 20/04. Podemos retomar a greve se o governo não cumprir seu compromisso, verbal, conosco.
      Bebel

      Responder
      • 43. flavio eduardo mazetto  |  17/03/2012 às 13:22

        Bebel, mas então me desculpe mais uma vez. Onde está a garantia da SEE de que vão efetivamente retomar a negociação. Na segunda quando chegarmos na escola o professorado vai ficar desconfiado, vai perguntar, quem falou o que (ou seja, quem foi o interlocutor da SEE que divulgou verbalmente tal proposta de negociação). Você me entende?
        obrigado
        flavio

      • 44. apeoesp  |  17/03/2012 às 18:04

        Prezado professor Flávio,
        Os professores estão certos em ficar desconfiados. Por isso mantivemos a ação judicial, a reunião de RE no dia 20/03 e a assembleia no dia 20/04. Se não houver negociação, retomaremos a greve.
        Bebel

      • 45. Prof.Edivan  |  17/03/2012 às 16:16

        Bebel, parabéns pela luta e pela coragem de negociar. Só quem não entende o que é democracia, foge da negociação. Negociar; também é lutar. Sempre critiquei o sindicato por ser, às vezes, hibrido demais. É necessário lutar, negociar.Continuemos a luta!!!

      • 46. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:33

        Prezado professor Edvan,
        Obrigada pelas palavras e pelo apoio.
        Bebel

  • 47. O que os professores diziam antes de marcar a greve  |  17/03/2012 às 12:39

    Senhora presidenta, quem não tinha nada agora tem uma proposta ,já é alguma coisa, no entanto todos sabemos que é insuficiente e longe do que necessitamos.Mas como dizia um amigo,ajoelhou vai ter que rezar. Não importa o que foi apresentado , o que importa é que a nossa mobilização fez com que o governo se mexesse a independente se a justiça está a nosso favor ou não na questão da lei do piso, é um recuo e mais do que isso é um reconhecimento oportunista de que o governo estava errado ,e nós temos que tirar proveito disso, fazer publicar todas essas declarações em cartaz jornais , televisão, faixas com dizeres bem grandes NÓS TÍNHAMOS RAZÃO ! O GOVERNO MENTIU E AGORA TEM QUE VOLTAR ATRÁS! Isso fortalece a linha política do sindicato e ao mesmo tempo levanta o ãnimo da categoria.Penso que na questão de palavras de ordens para a próxima assembléia, dia 20 que também é uma data longa, mas é o que passou fazer o quê, vamos construí-la , precisamos pensar em reajustar nossas palavras de ordens com relação ao governo e á secretaria.Não dá para bater em um único precisamos bater nos dois só que de formas diferenciadas .Ao governo do estado que se CUMPRA A LEI i ,ao secretário CHEGA DE ENROLAÇÃO! Penso que podemos evoluir essa pressão ao secretário até pedir o FORA HERMAN, a exemplo de outros secretários que nós derrubamos ,para nós é uma luta possível e nos aproxima mais da questão educacional, saindo um pouco do político partidário o que afasta os professores em época de eleição. Portanto, trabalhar com o fora Herman é uma necessidade mais urgente uma vez que é ele o cara do governo que nesse momento se contrapõe á aplicação da lei do piso.
    Benedito.

    Responder
    • 48. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:55

      Prezado professor,
      Não confiamos no governo, porisso mantivemos a ação judicial e temos assembleia em 20/04, que pode retomar a greve. Vamos continuar nossa campanha de denúncia do governo e vamos continuar organizando nossa mobilização na base. Obrigada pelas sugestões.
      Bebel

      Responder
  • 49. Carlos  |  17/03/2012 às 13:05

    Os professores da rede estadual de São Paulo marcaram uma nova assembleia para o dia 20 de abril, na avenida Paulista, para decidir se entram ou não em greve. Na manifestação desta sexta-feira (16), eles decidiram “aguardar” um posicionamento do governo Geraldo Alckmin (PSDB-SP) sobre a destinação de um terço da jornada de trabalho para atividades extraclasse, regra prevista na lei que criou o piso salarial da categoria.Mais cedo, presidente da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), Maria Izabel Azevedo Noronha, afirmou que a Secretaria de Educação havia “acenado” com uma modificação na jornada extraclasse. O órgão enviou uma nota, no começo desta noite, afirmando que “mantém sua Resolução SE 8, de 19 de janeiro de 2012, que adequou a jornada de trabalho docente da rede estadual de ensino ao cumprimento da Lei Nacional do Piso Salarial do Magistério. Também está mantida a decisão de discutir esse tema na Comissão Paritária do Plano de Carreira, tomada em sua primeira reunião, em 31 de agosto de 2011”.
    Aí esta ,Bebel, o q foi noticiado no uol.Não sou pessimista mas tambem nao fujo à luta. Sou do interior e viajei 300 quilometros para estar ai. Só quis saber se vc ja sabia do q foi noticiado no uol, se interpretei errado, me desculpe. Agora, às vezes é melhor ser jocoso do que desrespeitoso: Fiquei triste com os termos q usaram contra vc ontem ,alguns setores. quanto ao mais conte comigo sempre.

    Responder
    • 50. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:51

      Prezado professor Carlos,
      Obrigada pelo apoio e me desculpe se interpretei errado seu comentário. Vamos continuar na luta e vamos vencer, de uma forma ou de outra.
      Bebel

      Responder
  • 51. Mauro  |  17/03/2012 às 13:41

    Bebel.

    Primeiramente gostaria de dizer que estou contente com a atuação da sua diretoria quanto a implantação correta da lei do piso, pois acho que isso esta cansando e muito.

    Quanto aos últimos acontecimentos, quando comentamos na sala dos professores sobre o que o governo disse, alguns professores comentam: cadê; onde está escrito, mostre…
    Como você já deixou bem claro nesta publicação, não existe algo no papel, mas, por favor, gostaria que se possível, nos relatasse detalhadamente como o nosso sindicato foi comunicados pela SEE, sobre essas decisões a nosso favor, nas quais repeti abaixo.

    “Na assembléia, informei aos professores que a Secretaria da Educação comunicou a disposição de negociar a implementação da jornada do piso, de acordo com sua correta concepção (Lei 11.738/08) e não a partir da Resolução SE 8. … A SEE chegou a informar que a disposição do governo é a da implementação da jornada da lei do piso de forma paulatina até 2014.

    A SEE também comunicou à Presidência da APEOESP que a Resolução 44 (férias repartidas) será revogada, retomando a partir de 2013 o calendário anterior, com 30 dias de férias em janeiro. Também informou que uma comissão do governo está analisando a possibilidade de recompor o reajuste salarial previsto para 2012, uma vez que no índice que consta na lei complementar 1143/11 para este ano (10,2%) está embutida a incorpora¬ção da GAM, objeto de lei anterior.”

    No aguardo
    Grato
    Prof. Mauro

    Responder
    • 52. apeoesp  |  17/03/2012 às 16:18

      Prezado professor Mauro,
      Obrigada.
      Não entendi sua dúvida. Nas resoluções da assembleia está fixado que exigiremos do governo que se posicione por escrito. Logo, fomos comunicados verbalmente. A assembleia não entendeu que devamos ter confiança neste governo. Ao contrário, manteve a ação judicial, a reunião de RE no dia 20/03 e assembleia dia 20/04, que poderá retomar a greve.
      Bebel

      Responder
  • 53. Franck Ricardo Orefice  |  17/03/2012 às 15:14

    Boa tarde presidenta!
    Entrei em greve a partir de quinta-feira e ontem sexta-feira, estive na assembléia em frente ao morumbi. Gostaria de saber qual orientação vc me dá sobre as minhas faltas nesses dias: deixo como justificadas?? elas serão negociadas com a secretaria para não serem descontadas?? Grato !

    Responder
    • 54. apeoesp  |  17/03/2012 às 16:11

      Prezado professor Franck,
      Sim, a questão das faltas está na pauta da negociação.
      Bebel

      Responder
  • 55. jane  |  17/03/2012 às 15:50

    Boa tarde a todos
    Não é hora de nos dividirmos, se for para torcer tem que ser a favor, não adianta criticar dessa forma uma das unicas lideranças que temos;quanto as próximas campanhas eleitorais, creio que a disputa para governador será acirrada e o partido em questão não terá as mesmas chances.
    Poderemos cobrar do atual ministro da educação as benesses apregoadas outrora quando ele era candidato, afinal ele sempre discursou sobre a dignidade do professor .
    A vc Bebel nosso muito obrigado pelo espírito de luta.

    Responder
  • 56. Juliana  |  17/03/2012 às 16:29

    Pois é Bebel, não tem nada por escrito, como o sindicato ainda considera esse tipo de “conversa”?
    De fato não havia condição pra greve, os profs. não estão por dentro, estão desacreditados do sindicato.
    O autoritarismo é marca da atual gestão do sindicato, indo pra SP recebemos mensagem de conselheiro dizendo os “resultado” da reunião…na assembléia, tudo pronto, a grande questão foi resolver o dia da próxima parada, o lugar… tudo muito raso.

    O Antonio Carlos pediu o microfone para fazer uma crítica e a senhora se negou a passar a palavra, se adiantou “traduzindo” “explicando” o quão “infundada” era a crítica do Antonio. Que absurdo. Ficou muito feio.

    E mais, dizer que havia 10 mil é uma afronta a inteligência dos professores, principalmente, daqueles que estavam lá.

    Ao invés de fazer uma avaliação séria sobre o movimento, sobre a mobilização, não…o sindicato prefere continuar acreditando no “bom senso”, na “palavra” da SEE…quando não há motivos pra isso, a história mostra isso claramente!

    E assim, mais uma vez, a direção contribui para a fragilização da legitimidade, da representatividade e da capacidade de mobilização do sindicato…

    E qual é a postura da direção frente aqueles que insistem em fazer críticas e avaliações sobre o movimento? São acusados de comprar o discurso do governo, de não entenderem do processo, de não participarem…”quantos professores você levou pra assembléia?” É essa a pergunta que mais ouvimos quando criticamos, quando propomos reflexão séria sobre a conjuntura…como se tudo se resumisse a quantidade, às ações individuais e de cada subsede.

    Responder
    • 57. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:19

      Prezada professora Juliana,
      Seu comentário não me surpreende, pelo que vem postando há meses neste blog. Você é contra tudo o que o sindicato encaminha, pois prioriza os interesses do seu partido político. Porém a direção do sindicato encaminha o que a base decide, através das reuniões de REs, CER e assembleias. Isto é o que o estatuto prevê.
      Não confiamos no governo e não caímos em “conversa” nenhuma. Há um aceno de negociação e nossa obrigação é negociar. Porém, não abrimos mão da ação judicial, temos reuniões de Representantes em 20/03 e assembleia em 20/04, que pode retomar a greve.
      No mais, gostaria muito de saber o índice de paralisação na sua escola e na sua região. Por favor, informe aos leitores deste blog.
      Bebel

      Responder
  • 58. flavio eduardo mazetto  |  17/03/2012 às 17:30

    Bebel, acabei de ler em um blog da educação o seguinte assinado por Apeoesp Subsede Osasco:
    “Ontem, após nossa luta, não saímos cabisbaixos como muitos esperavam, ao contrário obtivemos uma vitória significativa do ponto de vista econômico e de grupo, mesmo que alguns professores se abstiveram de lutar, diga-se: “seus antepassados chorariam no túmulo”, muitos continuaram e encarnaram nossos antepassados que jamais deixaram domesticar-se.

    Efeitos à parte, nossa categoria, conseguiu que, no mês de junho, o aumento seja de 15% e não mais de 10%, como estava previsto, o que já representa algo significativo, do ponto de vista econômico. Sem dúvida uma enorme vitória! Mais ainda, conseguimos que a jornada do piso seja cumprida, porém será diminuída gradativamente, em 2013, serão 29 aulas e em 2014, 26 aulas a carga máxima, assim em 2014 realizaremos as 26 aulas com alunos e um terço sem aluno. Receberemos por 40 aulas.”

    Este cronograma procede? Quem da SEE informou tal plataforma? Podemos repassar isto nas escolas? Quando foi informado isto? Durante a manifestação no palácio? Por favor, precisamos de informações mais detalhadas para mobilizar os combativos professores e animar aqueles que ainda não acreditam na luta. Já sabemos que foi verbalmente, mas gostaríamos de mais detalhes.
    flavio

    Responder
    • 59. apeoesp  |  18/03/2012 às 15:28

      Prezado professor Flávio,
      Responsabilizo-me apenas pelo que é publicado no site da apeoesp e neste blog.
      Bebel

      Responder
  • 60. Adauto Medeiros  |  17/03/2012 às 17:49

    Professora Maria Izabel,

    Estive onten na assembleia do Morumbi e estou muito chateado com a falta de respeito com a senhora das correntes alternativas de nossa instituição que outrora era contraria a lei do piso e agora esta querendo pegar carona nesta pauta, fique tranquila pois este comportamento foi criticado por muitos que ali estiveram.

    Adauto Medeiros
    Subsede Jundiai

    Responder
    • 61. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:54

      Prezado professor Adauto,
      Muito obrigada pelo apoio. O mais importante é que estejamos unidos nesta luta.
      Bebel

      Responder
  • 62. Angela  |  17/03/2012 às 17:54

    Extra!Extra!!Que bônus que nada!!!! Quero é salário decente e dignidade para trabalhar. Vou contar uma novidade:Os maiores opressores dos professores são os diretores de escolas! E o maior inimigo é o sindicato !!Politiqueiros e manipuladores!!!

    Agora , fala sério: Lei do piso implementada aos poucos só em dois mil e quatorze???? Sai dessa… Estão nos chamando de idiotas!

    E a historinha do concurso público??? Concurso público tem , Izabel, o problema é que o professor não tem tempo e nem paz para estudar, trabalhando em três períodos e sendo assediado por diretores corruptos e sem ética!

    http://brasil.indymedia.org/pt/blue/2012/03/505148.shtml

    A “luta” continua!!!!!

    Responder
    • 63. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:53

      Prezada professora Angela,
      Se você utilizasse toda a sua capacidade de ofender, não ao sindicato, mas ao governo, acredito que esta indignação poderia nos ajudar a conquistar melhorias para a nossa categoria. Infelizmente, você escolhe o alvo errado e, assim, ajuda o governo a continuar nos massacrando.
      Você fala que não quer bõnus e sim salário decente. Teve o cuidado de ler o texto que você comenta? Pois o que a assembleia aprovou foi justamente isto e a APEOESP tem uma posição histórica contra a política de bônus.
      Não estamos chamando ninguém de idiota. Todos queremos a aplicação imediata da lei do piso e temos ação judicial para isto. Mas o que você está fazendo de concreto para que isto aconteça? Qual foi índice de paralisação na sua escola? Quantos professores você ajudou a convencer para entrarem nesta luta?
      Quanto ao concurso público, me desculpe, sua posição é indefensável. Não quer os concursos? Prefere as normas de contratação atual dos professores da categoria O. Pois bem, defenda isto junto aos seus colegas e veja o que eles acham.
      Bebel

      Responder
  • 64. Mauro  |  17/03/2012 às 18:05

    Bebel,

    Já que você não entendeu a minha pergunda, vamos tentar novamente.
    Só gostaria, se possível saber, já que a SEE não passou nada por escrito, então quem?, como?, de que forma? vocês foram chamados lá? eles foram até vocês?

    Ou seja, como vocês foram avisados ou como você diz comunicados, sobre essas decisões que eles vão cumprir a nosso favor.

    Grato pela atenção

    Prof. Mauro

    Responder
    • 65. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:47

      Prezado professor Mauro,
      Não entendo a relevância destas informações, a não ser que coloque em dúvida minha palavra. Mas, se é tão importante para você saber, foram contatos com o secretário e com o secretário adjunto, algumas vezes intermediados por membros da Assembleia Legislativa.
      Bebel

      Responder
  • 66. flavio eduardo mazetto  |  17/03/2012 às 18:28

    Bebel, por acaso foi o comunicado abaixo que balizou a decisão sobre continuidade da paralisação? Se foi acredito que estamos com um problemão, pois confirma que a SEE não abre mão da resolução 08 e que continuará os debates, ou seja, nada de novo, apenas a mesma enrolação de sempre. Bebel, temo que isto possa minar significativamente nossa articulação e convencimento junto aos professores que estão descrentes.
    Por isto, peço mais uma vez, sabendo que o contato foi verbal, nos informe o contato para que possamos contrapor as informações e demonstrar aos professores que realmente temos algo de concreto. Caso contrario, em vez de 06 professores na rua fazendo manifestação aqui em minha cidade, o que já foi quase nada, teremos no maximo 2. Aguardo ansiosamente sua manifestação.
    flavio (desculpe a insistência, mas sou de uma escola que parou totalmente na sexta, graças a uma trabalho sério dos representantes, de muito convencimento e precisamos de argumentos sólidos para continuar o processo de militância).

    flavio

    http://www.educacao.sp.gov.br/imprensa/nota-oficial-posicao-da-secretaria-da-educacao-sobre-jornada-de-trabalho

    Responder
    • 67. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:45

      Prezado professor Flávio,
      Tanto quanto você, não confio na SEE. Tanto assim que a assembleia, repito, aprovou que devemos exigir as posições por escrito. Mas não é verdade que a situação é igual. Antes a SEE apenas dizia que estava cumprindo a lei do piso e nunca admitiu conversar sobre o assunto. Agora, remete a questão para a comissão paritária. Mas não há problema, se não houver avanços temos a assembleia de 20/04 para deliberar, talvez a retomada da greve. Para isso, é preciso que cada um faça a sua parte nas escolas.
      Quanto ao contato, se você dá tanta relevância a isto (o que parece ser um questionamento à minha palavra), digo que foram feitos junto ao próprio secretário e ao secretário adjunto, diretamente ou por meio de membros da Assembleia Legislativa, de acordo com a ocasião.
      Bebel

      Responder
  • 68. tais  |  17/03/2012 às 19:07

    prestem atençao no parágrafo 2° servidores ativos e inativos

    Responder
  • 69. Rubens  |  17/03/2012 às 19:10

    Olá Jane comungo as sua ideias a esse proposito pois, ao que me parece percebo não ser professor que faz esse tipo de comentários tãomacabro dessa forma. Fico a pensar como deve ser alguns professores em sala de aula hem!!!! Bebel estou e estarei sempre com você. Admiro muito seu trabalho e tenho certeza que teremos vitoria no final.

    Responder
  • 70. Alex Santos  |  17/03/2012 às 20:29

    Sou categoria O e entrei na greve dia 14 desde o primeiro dia, pois estou indignado e sem salário faz 2 meses. Foi dito que tem folha suplementar dia 19/03. Não tenho nada provisionado no banco e nem na Fazenda. Quem entrou na greve foi penalizado pelo governo e não terá os salários regularizados? Verifique isto Bebel, pois o governo sempre faz algo para prejudicar-nos.
    Espero que a falácia do governo saia no papel e ele cumpra – ainda duvido – e comece a olhar o professor como aliado e não como inimigo.
    Categoria O nem por mérito e nem por via acadêmica pode ter aumento? Anos no estado e só recebemos noticias ruins a cada dia. Quando seremos estimulados por este governo? Creio que a categoria está muito branda e aceitando muito facilmente as imposições.

    Responder
    • 71. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:29

      Prezado professor Alex,
      A assembleia aprovou uma campanha contra a situação precária dos professores da categoria O e vamos encaminhá-la, inclusive com denúncia à OIT.
      Bebel

      Responder
  • 72. Alex Santos  |  17/03/2012 às 20:48

    Bebel, retirar a ação da lei do piso seria muita ingenuidade. O governo quer cumprir a lei até 2014. Será que pretende pagar as aulas a mais que daremos nestes 3 anos? Tenho que dar 32 aulas sendo que o correto é 26 numa jornada de 40 horas. Como ficaria isso?
    Outra pergunta: SE não sair folha suplementar para os categoria O dia 19 ou o governo pagar apenas “alguns” para tentar enganar o que será feito? Somos obrigados a ir a pé para o trabalho? Todas economias foram gastas nestes 2 meses sem salário para não ter que pagar mais juros nas contas atrasadas. O que acontece se dia 19 não cair pagamento no banco e não formos à escola por falta de dinheiro?

    Responder
    • 73. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:26

      Prezado professor Alex,
      A ação não será retirada. Nunca cogitamos isto.
      Quanto ao pagamento, a assembleia aprovou que exijamos da SEE a regularização e já estamos fazendo isto. Por outro lado, você não pode deixar de ir ao trabalho, pois poderá ter seu contrato rescindido. Poderá tentar uma ação individual, por meio do departamento jurídico, na sua subsede.
      Bebel

      Responder
  • 74. flavio  |  17/03/2012 às 20:55

    prezada bebel, a luta dos professores pela implantacao da lei do piso esta sendo feita da melhor forma possivel pelo sindicato, minha opiniao e que para a apeoesp se fortalecer mais teria de fazer um planejamento a nivel estadual de infiltracao nas redes municipais do estado, sou professor do municipio e acho que a apeoesp deveria fazer campanha para arrebanhar sindicalizados nas redes municipais, sei que isso e dificil pois cada municipio tem suas leis e regras proprias das quais a apeoesp teria que se interar, mas isso poderia ficar por conta das subsedes da apeoesp, nas redes municipais das quais tenho informacao ninguem parou na greve nacional, penso que isso ocorreu por causa da falta de influencia da apeoesp nos sistemas municipais de ensino.

    Responder
    • 75. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:24

      Prezado professor Flávio,
      Obrigada pela sugestão. Estamos desenvolvendo um trabalho neste sentido, com a criação da Secretaria para Assuntos Municipais. Inclusive, estamos acionando judicialmente os municípios que não cumprem a lei do piso.
      Bebel

      Responder
  • 76. Jardel  |  17/03/2012 às 21:11

    Olá Bebel!

    O que vou lhe perguntar, não tem nada a ver com a postagem sobre a greve, mas preciso de uma resposta.

    Sou professor eventual, categoria “V”. Em minha U.E. há uma professora que sempre chega atrasada para lecionar (atrasada em uns 5 ou 10min)… Sabemos que esse tempo ocioso faz com que os alunos saem da sala de aula e fiquem zanzando pelos corredores ou pátios… Por isso, a PCOP pede para que o eventual suba imediatamente após o sinal caso o professor falte. Só que essa professora, após a 3ª vez que um eventual subiu na aula dela (por ela ter chegado atrasada), diz que ela tem uma tolerancia de 15min para chegar em sala de aula. E que isso é lei… De fato, essa lei existe??? Se existe, poderia me dizer qual é…?

    Responder
    • 77. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:22

      Prezado professor Jardel,
      Desconheço legislação neste sentido, que permita atrasos todos os dias. Sugiro que procure o departamento jurídico, na sua subsede, para melhor esclarecimento. Veja endereço e telefone em http://www.apeoesp.oerg.br.
      Bebel

      Responder
  • 78. Rita Cassia Borges Cecílio  |  17/03/2012 às 21:25

    Muito bom, vamos continuar a luta, como eu era categoria L estou me sentindo super prejudicada, com a leis equívocadas com o governo colocou, que lei é essa, onde somos demitidos e não temos FGTS, Férias proporcionais, seguro desemprego etc.Obrigada apeoesp pela luta a nosso favor.

    Responder
    • 79. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:11

      Prezada professora Rita,
      Não confiamos neste governo. Vamos continuar mobilizados, o tempo todo.
      Bebel

      Responder
  • 80. Analúcia Neves  |  17/03/2012 às 23:33

    Boa noite Bebel!

    Será que tem alguma possibilidade do governo revogar o que fez conosco da categoria L? Haveria a possibilidade da SEE nos passar para a categoria “F”?
    Parabéns pelas ações da APEOESP. Infelizmente no mês passado não tive dinheiro nem para pagar a minha contribuição do sindicato. Ah sim! Vi que está provisionado algo para o dia 19.03.

    Responder
    • 81. apeoesp  |  18/03/2012 às 14:08

      Prezada professora Analúcia,
      Não queremos iludi-la: a extinção da categoria L é irreversível. Tentamos lutar de todas as formas, primeiro tentando impedir a aprovação da lei 1093, depois contestando juridicamente, depois propondo uma emenda para a permanência dos professores categoria L, mas nada foi possível. Hoje lutamos pela revogação da lei.
      Você pode ingressar com ação individual para ter a mesma situação da categoria F. Procure o departamento jurídico.
      A assembleia também aprovou uma campanha para que os professores da categoria O tenham uma situação digna.
      Bebel

      Responder
  • 82. Prof Pedro (Didema)  |  18/03/2012 às 00:39

    Professora Maria Isabel Noronha.
    Dizer mais uma vez que fui a assembleia é ser repeitivo demais.
    Acredito que durante 25 anos de militancia faltei a 3 assembleias.
    Mas a de ontem, entrou para a história da categoria, pois as defesas estavam centrados no Palácio dos Bandeirantes e nos em frente ao Estádio do Morumbi, rodeados por Soldados da PM.
    Foi o máximo, pois muitos professores voltaram para suas casas com uma certeza, assembleia este ano, não participam mais.
    Esta pergunta eu fiz a pelo menos 200 professores de diferentes regiões e todos foram categóricos ” o governos nos enrolar” e a Diretoria da APEOESP não atua para desmascarar este governo.
    Seria muito importante a diretoria da APEOESP, através de seu site, medir a satisfação dos seus associados com para medir peso politico que tem contra este governo (sugestão).
    Os 6 ou 8 oradores da articulação foram ideologicamente falsos em sua falas e acreditam que a categoria ainda podem ser enganados.
    Basta ver quantos professores comparecem as assembléias e quantos não vão comparecer mais, exatamente por estas falsas ideologias semeadas em nosso meio.
    A greve como voce mesma falou era da CNTE e não da APEOESP e isto ficou evidente nas intervençoes de ontem. No Estado de São Paulo temos varios pontos importantes para serem debatidos entre a categoria, pois o problemas se acumularem nos ultimos 12 anos e a credibilidade dos professores se esgotaram pouco a pouco, exatamente por não acreditar nas ações politicas que a Diretoria da APEOESP encaminha.
    Ontem mais uma vez o encaminhamento vazio, sem conteúdo politico, dando credibilidade a uma possivel mudança de postura do governo foi demais.
    Até parece que esta Diretoria não conhece este governo e os politicos que comanda a ALESP.
    Marcando uma assembleio para 20 de abril é acenar em concordancia com a politica do governo, isto é, dá tempo a este governo.
    Desculpe mas estou idignado.
    Visitei escola, falei em nome deste sindicato que defendo a tantos anos, para voltar a minha região, voltar as escolas que visitei e falar o que para os professores alunos e pais de alunos?
    Não tenho nenhuma moral para pedir aos professores destas escolas que vamos ter uma assembleia dia 20/04 e que devemos parar neste dia. Não me sinto mais motivado!
    Espero que reflita muito, pois existe urgencia em dá uma resposta para a categoria a altura de sua grandeza.

    Responder
    • 83. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:54

      Prezado professor Pedro,
      Diferenças de avaliação e de opinião são naturais. Entretanto, não posso concordar com sua postura de tentar impor a sua visão como a verdadeira e correta, contra a visão de milhares de professores que votaram no encaminhamento que o CER, com a presença de 500 conselheiros, havia aprovado pela manhã.
      Você não está se opondo à minha visão pessoal e sim a uma decisão de assembleia. Todos os professores ali presentes estavam equivocados e você está certo?
      Eu não estou acreditando no governo, estou em busca de resultados para as nossas reivindicações. Se o governo acena que topa conversar, o que devemos fazer, recusar? Não, devemos conversar e manter a mobilização. Foi o que fizemos. Temos reunião de representantes de escolas no dia 20/03, temos assembleia no dia 20/04. Nossa ação judicial continua correndo.
      Construir a mobilização na nossa categoria é difícil, dá trabalho, requer paciência, exige conversar e convencer. Não basta saber a opinião de 200 professores, é preciso saber se todos estão paralisados e se cada um está empenhado em paralisar sua escola. 200 professores mobilizados é um exército poderoso, que pode paralisazar muitas dezenas de escolas, se organizados para isto. 200 professores emitindo opinião, sem aderir ao movimento, não signfica nada objetivamente.
      Quanto aos problemas da categoria, além da questão do piso, somente quem não acompanha a ação do sindicato com boa vontade pode dizer que nada fazemos. Veja a própria pauta aprovada na assembleia. Leia os três ou quatro boletins semanais que a APEOESP e verá que estas questões estão sendo permanmentemente encaminhadas.
      Divergir é saudável e constrói o movimento. Somente divergir não nos leva a lugar algum.
      Bebel

      Responder
  • 84. FÁTIMA  |  18/03/2012 às 00:58

    BOA NOITE BEBEL ,

    GOSTARIA DE SABER SE ESSE MÊS A SPPREV VAI PAGAR A ULTIMA PARCELA DA GAM E OS 6% DO AUMENTO CONCEDIDO ANO PASSADO.

    CASO O GOV ACEITE PAGAR O PISO NACIONAL AOS PROFESSORES, QUE VANTAGENS ESSE PISO TRARA AOS PROFESSORES APOSENTADOS DA REDE.

    OBRIGADA

    FÁTIMA

    Responder
    • 85. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:45

      Prezada professora Fátima,
      Em março (pagamento de abril) há a última parcela da GAM nos salários.
      Em julho, haverá um reajuste de 5%, sendo que estamos lutando para que sejam integralizados os 10,2% que o governo havia anunciado, ou seja, um reajuste de mais 5,02%.
      Quanto ao piso, o governo de SP já paga um valor um pouco acima do piso nacional.
      Bebel

      Responder
  • 86. suraya caram  |  18/03/2012 às 01:18

    Bebel ,

    Perdoe-me , mas preciso de um favor: a secretaria da minha escola está teimando comigo que não há colegas trabalhando na nova jornada por causa dos mandados individuais. Inclusive mostrou fax do Dirigente de Ensino em que ele afirma que esta situação não existe em escola nenhuma!!! Será , então , que vc poderia me dizer quais escolas já atenderam ao mandado judicial individual ganho por colegas? ASSIM CALAM -SE AS BOCAS MALEDICENTES !!!

    Abraço,

    Responder
    • 87. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:43

      Prezada professora Suraya,
      Há dezenas de liminares já concedidas. O que ocorre é que o Estado tem o direito de recorrer. No meu caso, por exemplo, recorreu e perdeu. Aguardamos a publicação da sentença final.
      Muitas liminares no mesmo sentido criam jurisprudência que pode determinar as decisões futuras.
      Bebel

      Responder
  • 88. ROSANA  |  18/03/2012 às 02:23

    OLÁ!

    BEBEL

    INICIEI EM 01/02/2012 E NÃO TENHO NADA PROVISIONADO NEM NA SECRET. DA FAZENDA NEM NO BANCO DO BRASIL,
    POR FAVOR COMO SABEREI SE VOU RECEBER EM MARÇO?
    POSTARAM NESTE BLOG QUE ESTÁ PROVISIONADO, COMO ASSIM.
    GRATA!

    Responder
    • 89. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:40

      Prezada professora Rosana,
      Provavelmente não digitaram seus dados a tempo. Uma das reivindicações aprovadas na assembleia é a imediata regularização dos pagamentos e vamos levar isto ao secretário. Você também pode verificar o que pode ser feito por meio do departamento jurídico, na sua subsede.
      Bebel

      Responder
  • 90. Paula  |  18/03/2012 às 03:14

    Se por aqui que é um recurso somente seu, está claro o descontentamento dos professores com a postura tomada nesta paralisação, vc não tem ideia da repercursão nas redes socias e escolas do quanto isso é maior.Creio que agora chegará o fim dessa gestão que muito tem nos envergonhado deixando claro sua parceria junto ao maior inimigo de todos os tempos do professorado paulista, o psdb

    Responder
    • 91. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:39

      Prezada professora Paula,
      Em nenhum momento desconsidero as opiniões dos professores e as repercussões de nossas decisões nas redes sociais, tanto que fazemos parte delas. Mas nosso papel, como direção, não é apenas de considerar a opinião dos que se menifestam nas redes sociais. É ver os movimentos concretos dos professores, nas escolas e do governo também. Houve aceno de negociação e é nosso dever considerá-lo, porque nosso objetivo é conseguir o atendimento das reivindicações, não outro. Nada foi desmobilizado. Há reuniões de representantes no dia 20 e assembleia em 20/04 e a orientação é preparar a retomada da greve, que virá se as negociações não avançarem.
      Não há nenhuma parceria com o governo. Isto é calúnia e sabe disso. Temos combatido sucessivos governos do PSDB incansavelmente, pelo mal que causam á educação. Tanto que alguns setores têm nos acusado de “partidarismo”. As decisões não foram tomadas por mim, mas pelo CER e pela assembleia. Entretanto, para cobrar algo da direção, é preciso fazer mais que ela e eu gostaria que você informasse a todos os que lêem este blog qual foi o nível de paralisação na sua escola e na sua região.
      Bebel

      Responder
  • 92. Renata  |  18/03/2012 às 04:29

    Olá Bebel!
    Não sei se posso esclarecer minha dúvida nesse espaço, mas não sei a quem recorrer. Desculpe, mas é porque fiquei indignada com o que vi. Sou professora ingressante, tenho 10 aulas,não recebi pagamento no 5º dia útil e ao pesquisar no site da Secretaria da Fazenda, constatei que vou receber em folha suplementar dia 19/03, que meu quinquênio não foi pago,que antes era faixa 3/B e agora sou faixa 1/A. Gostaria de saber se não vou mais receber meu quinquênio e porque houve essa mudança de faixa. Será que não tenho mais direito ao quinquênio e ao aumento concedido pela aprovação na prova do mérito ? Fui aprovada na 1ª turma que prestou. Espero que possa esclarecer minhas dúvidas.
    Abraço

    Responder
    • 93. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:32

      Prezada professora Renata,
      É o caso de indignar-se mesmo. O governo, por ter extinguido a categoria L e tornado os professores categoria O, considera que não é mais obrigado a pagar o quinquênio. Estamos estudando o que pode ser feito judicialmente; se algo pode ser feito. Você também pode fazer uma consulta individual ao departamento jurídico, na sua subsede.
      Bebel

      Responder
      • 94. Renata  |  21/03/2012 às 01:45

        Bebel
        Esqueci de comentar que antes era categoria F aprovada. Será que mesmo assim perderei meu quinquênio, evolução funcional e aumento conseguido através da prova do mérito?
        Obs: Fui ao banco dia 19/03 e não havia pagamento da folha suplementar em minha conta, só vi o demonstrativo no site. O que pode ter acontecido?

      • 95. apeoesp  |  21/03/2012 às 03:29

        Prezada professora Renata,
        Existe uma polêmica jurídica envolvida, que está sendo analisada, tendo em vista que cessou uma forma de contratação e começou outra. O departamento jurídico está se posicionando. Se quiser uma orientação pessoal, por favor, procure o departamento jurídico na sua subsede.
        Bebel

  • 96. SILMARA PAULA DOS SANTOS  |  18/03/2012 às 12:25

    Prezada Maria iZABEL, é necesssario uma politica mais agressiva por parte dos dirigentes de nossa apeoespe!!!!!

    Responder
    • 97. apeoesp  |  18/03/2012 às 13:30

      Prezada professora Silmara,
      Temos procurado estabelecer, para cada momento, os passos que correspondem à disposição de luta e à correlação de forças entre nossa categoria e o governo. Não se pode radicalizar um movimento apenas por vontade da direção e da vanguarda, se esta mesma disposição não é verificada em cada região, em cada escola. Isto não passaria de uma bravata.
      Um movimento como o nosso, em um estado destas dimensões e uma categoria muito grande e, agora, muito heterogênea, tem que ser construido com paciência, perseverança e, sobretudo, união de todos os que compreendem a necessidade da mobilização e a justeza das reivindicações. Não basta apenas cobrar da direção; é preciso que cada arregace as mangas e faça a sua parte.
      Bebel

      Responder
  • 98. suraya caram  |  18/03/2012 às 13:07

    Prezados colegas,

    Não me levem a mal , mas tenho notado que muitos de nós têm deixado aqui mensagens grafadas com ERROS DE PORTUGUÊS IMPERDOÁVEIS PARA UM PROFESSOR ! Pensem comigo: e se o engenheiro não soubesse calcular , ou o médico não soubesse interpretar uma radiografia ? A Língua é nosso instrumento de trabalho , não importando qual disciplina lecionamos. Uma das formas de conseguirmos o respeito dos alunos é utilizá-la corretamente . Se escrevemos errado na lousa , estamos a um passo de nos tornarmos vulneráveis a críticas e comentários maldosos . Aqui , então, estamos ainda mais expostos! A internet é uma vitrine : pais , alunos , o próprio Governo , todos estão nos vendo. Acreditem ! Acho que a falta de cuidados com a Língua depõe contra nós ! Sugiro que revisemos nossos textos antes de os postarmos sob pena de estarmos colocando em risco a credibilidade de todo o grupo!!! Mais uma vez , perdoem-me ! abraço,
    Suraya

    Responder
    • 99. Alice  |  19/03/2012 às 16:46

      Suraya,

      Parabéns pela chamada! Acompanho este blog e percebi estes erros gritantes dos professores.

      Responder
  • 100. nick  |  18/03/2012 às 23:51

    Concordo professora Suraya erro de digitação tudo bem… como por exemplo, tem teclado que às vezes não funciona o acento…. aí tudo bem agora ortografia… é diferente….
    Gente, sou categoria O comecei dia 01/02 e hoje 18/03 o salário está na minha conta… professores que não receberam, sei como se sentem… filhos, contas à pagar… não sei o porquê de uns receber e outros não…

    Responder
  • 101. Ricardo  |  19/03/2012 às 00:57

    Bebel,
    Venho solicitar mais empenho por parte dos representantes e dirigentes da APEOSP junto as UEs. Neste semana que se passou foram inexistentes na discussão do que estava em jogo com a paralisação que ocorreu, além do que, muitos nem sabiam do que estava em jogo nesta luta, para surpresa minha e de alguns colegas que acompanhamos diariamente o que os meios informam.. Infelizmente esta é uma das realidades da escola de hoje, tornaram-se bicos de muitos que estão professores.

    Responder
    • 102. apeoesp  |  20/03/2012 às 04:06

      Prezado professor Ricardo,
      Estamos orientando todas as subsedes a intensificarem as visitas às escolas e o trabalho junto à base da categoria.
      Bebel

      Responder
  • 103. Carlos  |  19/03/2012 às 10:33

    Bom dia!
    Estou um tanto confuso… Não sei em quem mais acreditar sobre a situação atual do professorado paulista. Antes da greve não houve nenhum movimento em prol de sua realização pelos sindicatos paulistas, os professores, pelo menos do interior, estavam desacreditados em tentar mais uma vez uma paralização que não traria benefício algum… e estava certos! Muitos professores não pararam pois sabiam que os siindicatos não entraram verdadeiramente na paralização nacional, pois, não viram seus militantes e as subsedes fazendo algo, os professores que compareceram e que pararam são os guerreiros da nossa categoria, que vão a luta, que nos faz ver que, para conseguirmos algo, temos que nos unir independente de sindicatos. Não sou contra os sindicatos mas, também, sinto que a força está nas mão destes, que se trabalhassem em prol de uma causa que não fosse política, conseguiria os professores a trabalharem e militarem ao seu lado.

    Responder
    • 104. apeoesp  |  20/03/2012 às 04:05

      Prezado professor Carlos,
      Parabéns então aos professores guerreiros que fazem a luta. É com o exemplo destes professores que tantos mais virão conosco nas mobilizações e na greve, se tiver que ser retomada.
      O sindicato não luta por uma suposta “causa política”. Luta por reivindicações claras, de interesse da categoria, que estão inscritas em todos os nossos materiais. Se você realmente está interessado nas lutas da categoria, ajude-a a se desenvolver, em vez de espalhar o descrédito no sindicato.
      Em tempo: o espaço que você está usando para tentar desacreditar o sindicato, é um espaço do sindicato. Quanta contradição, não?
      Bebel

      Responder
  • 105.  |  19/03/2012 às 14:08

    Prezada Bebel

    Estou indignada com a nossa situação, cada dia que passa fico cada vez mais desanimada em fazer parte de uma categoria que não pensa em lutar.
    Não tinhamos muitos professores na sexta-feira, quem esteve lá viu, e o pior é que nas escolas professores que pararam, ficaram em casa, o que é um absurdo.
    Estou inteiramente preocupada com nosso sindicato, o que me ficou claro na assembléia é que existe um interesse politico muito grande por tras de toda essa pequena mobilização, a impressão que nós professores estamos tendo é que, o fato de ser ano politico faz com que o sindicato promova alguns de seus membros, pois a sua fala Bebel foi de promoção, e não de preocupação e luta pela base, e isto deixa-nos muito tristes, pois acredite estavamos confiantes de que a nossa luta poderia ter frutos.
    Começo a compreender o porque de muitos professores de anos de carreira dizer-me ” quando voçê cansar voçe nos explica o por quê?”, é que começo a fazer um paralelo entre os politicos que nos ”lideram” e o nosso sindicato, estou percebendo que existe muito mais de uma disputa politica do que de uma luta pela nossa categoria, vemos isto até nas reuniões de REs, os representantes mais brigam entre si do que entre nós e por nós, isto é lamentavel, desanimador e frustrante, faz com que eu repense em muito do que acredito.
    Estou falando tudo isso, poque desde o inicio acompanhamos essa leva de informações que nos davam e tiravam as esperanças, desde o final do ano passado voçês disseram estar lutando pela implementação da lei do piso, mas deixaram e deram a oportunidade para o governo manipular e entrar com os milhoes de recursos, e o pior voçês do sindicato ja sabiam das negações por parte dos desembargadores, e que a luta com o governo não seria nada facil, e permitiram que essa luta virasse o ano, e olha só já estamos em março, quase final dele, e a proxima assembléia esta marcada para daqui a um MÊS, e nesse meio tempo muitas, mas muitas mesmo não receberam nenhuma visita dos membros da apeoesp para divulgar o calendario de mobilização, Bebel eu estou cansada, sinceramente gostaria mesmo de acreditar que o sindaicato esta do nosso lado, pensando em melhoria para a nossa base, mas ao que nos parece é que estamos na base, e vamos continuar lá, pois por tudo que citei acima, percebemos claramente que não há luta por nós, e sim uma intensa luta por divulgação e promoção politica de todos os membros do sindicato.
    Gostaria que me respondesse de forma clara os meus questionamentos e que postasse a minha indignação.
    Atenciosamente

    Responder
    • 106. apeoesp  |  20/03/2012 às 03:59

      Prezada professora Rô,
      Seu comentário em nada ajuda a luta dos professores. Sua indgnação deveria se voltar contra o governo, mas você prefere atacar minha pessoa e o sindicato que organiza a nossa categoria. Você simplesmente faz coro com o governo, enxergando interesse político na nossa luta. Mas esta não é a sua luta também? Você não quer a implantação da jornada do piso? Você não deseja reajuste salarial? Você não está interessada em melhores condições de trabalho? Em uma carreira digna? Então, onde está o suposto interesse político?
      Se a nossa luta é dura e os resultados não aparecem tão facilmente, a culpa é do sindicato? Ou do governo, que se recusa a atender nossas reivindicações?
      Você reclama da assembleia marcada para daqui a um mês, mas contraditoriamente diz que havia pouca gente na assembleia do dia 16/03. A quem se dirige a cobrança? Quantos professores paralisaram as aulas na sua escola? Quantos professores você ajudou a mobilizar para a assembleia? Cobremos dos demais, mas façamos a nossa parte.
      Você que nós demos oportunida para o governo entrar com recursos!! Nós não demos oportunidade alguma, quem deu essas oportunidades foi a justiça. Tão logo as aulas foram retomadas, já no dia 3/2, um sábado, estávamos reunindo o conselho de representantes para organizar a luta. Em todo o período de recesso travamos a luta judicial pela lei do piso. E você duvida de que o sindicato esteja ao lado dos professores! É um direito seu duvidar, mas não há nenhuma base realista para isto.
      Não se deixe guiar pela opinião de quem quer que seja. Pense por si, forme suas próprias opiniões e lute pelo que acredita. Não posso mudar seus pontos de vista, mas também não posso aceitar acusações levianas, pois me dedico de corpo e alma às lutas da nossa categoria.
      Bebel

      Responder
      • 107.  |  20/03/2012 às 18:54

        Prezada Bebel,
        pode acreditar em uma coisa, se não lutasse pela minha categoria já teria saido dela, pois nós professores não temos somente o ato de lecionar para ganhar o nosso pão, se estou lutando é porque acredito muito na educação, mesmo que seja naquela que esta dentre da sala de aula, e saiba não estou atacando a sua pessoa, mesmo porque sou passifica demais nas palavras para isto, apenas coloquei o que muitos de nós professores, PRESENTES NA SEXTA FEIRA E NA LUTA DE ANOS E ANOS, percebemos, não foi somente essa luta, são inumeras e na sexta feira, a maioria que estava presente comentou e percebeu uma luta politica nas suas palavras suas e das demais pessoas presentes. E eu acho que este é um meio de comunicação criado por voçê para que pontuamos nossas duvidas, medos, indignação,satisfação, dentre outros sentimentos….
        O que pontuei e voçê não compreendeu é que no inicio da luta, desde o ano passado, muitos professores, mas muitos mesmo pediram para que o sindicato mobilizasse desde já, para que não dessemos oportunidade para o governo manipular nossos direitos, nosso pedido não foi aceito, pois voçê disse que não era com manifestações antecipadas que iriamos conseguir alguma coisa, pois bem, o governo fez o que já previamos, burlou a lei a seu favor quantas vezes ele achou necessário.
        Desde o inicio do ano letivo, muitos de nós professores aqui mesmo nesse blog colocamos a necessidade e urgencia dessa mobilização ser maior para que conseguissemos colocar um basta nessas truculencias do governo, e mais uma vez a sua colocação foi contraria, disse que não era assim, que tinhamos que ter paciencia….
        Sinto muito Bebel, mas somos professores e seres pensantes… conseguimos juntar um mais um que deu dois…. chegamos a conclusão depois de sexta que parece muito que a disputa é partidaria, e que o fato de voçê não querer a luta antecipada justifica-se pelo fato de que uma greve neste momento não seria viavel pois prejudicaria uma promoção politica por parte de alguns membros do sindicato… e o que desanimou muito foi o fato de muitas reclamações sobre o fato de que o sindicato não se mobilizou internamente para que os polos fizessem visitas nas escolas, reunioes com a comunidade, quantos professores reclamaram aqui que nem sequer sabiam da mobilização e do calendario de luta pois não tinham recebido nenhuma visita dos REs nas escolas…. e na minha não foi diferente…muitos ficaram sabendo porque nós professores nos comunicamos muito por e-mails, blogs, orkut… usamos de tudo um pouco.
        Agora por favor, eu estou dentro da sala de aula, sei o que nós professores passamos nela, sei falar com propriedade da nossa vontade de sermos reconhecidos como educadores e sermos principalmente valorizados como tal, é por isso que mobilizo minha escola e meus alunos, alias esse papel esta sendo mais feito por nós professores, acredite.
        Peço desculpas se a ofendi com palavras, não é a minha intenção, mas sempre aprendi enquanto educadora que devo falar sobre os meus pensamentos, principalmente quando estou lutando junto a uma causa com a minha categoria.
        Peço desculpas mais uma vez, acredito na luta sim e vou continuar nela, mas gostaria que nosso sindicato mudasse a postura principalmente diante da sociedade e ouvisse mais sua base, de maneira a motivar nossa participação, pois o fato citado por voçê de não haver muitos professores lá na sexta Bebel, não é minha culpa, e nem atribui-a a ninguem, eu e meus colegas professores só sabemos que perdemos muitas lutas ao longo dos anos, e não gostariamos de perder mais essa, visto que por lei já ganhamos, agora a luta é colocá-la em prativa efetivamente.
        È tudo que nós educadores queremos.

        Atenciosamente

      • 108. apeoesp  |  21/03/2012 às 04:06

        Prezada professora Rô,
        Você continua a me atribuir motivações que não são verdadeiras. Lembro-me de cada palavra que pronunciei na assembleia e todas elas disseram respeito à nossa luta pela jornada do piso, a postura do governo, as informações que nos foram passadas, as propostas encaminhadas pelo CER para a deliberação da assembleia, a luta nacional pela lei do piso. Onde está a motivação partidária?
        Desafio-a a demonstrar que tenha pedido paciência à categoria na luta contra o governo. Não acho que se trate de ter paciência ou dar trégua a este governo. Nós estamos buscando o atendimento de nossas reivindicações e temos uma ação ganha na justiça, que o governo vem conseguindo protelar. Continuamos nossa mobilização e temos assembleia no dia 30/04, na qual podemos retomar a greve. Neste ínterim, veremos se realmente o governo quer implantar a lei, como acenou. Estamos resguardados e estamos em luta.
        Não posso ser responsável pelas análises que você e seus colegas fazem. Cada um é livre para pensar e se responsabilizar por aquilo que pensa e expressa. Mas, no meu entendimento, suas conclusões são desprovidas de sentido e, pelo menos no que me concerne e aos meus companheiros de luta, não fazem o menor sentido. Sinto-me verdadeiramente ofendida pelas insinuações que você faz sobre minhas motivações e não lhe dou o direito de atribuir à minha atuação à frente do sindicato motivações que ela não tem.
        Quanto à participação dos professores, não é o sindicato que a faz, sozinho, maior ou menor, mas a disposição de luta e a motivação da categoria em cada momento. A luta é dos professores e não do sindicato e, assim, a mobilização dos professores para convencer seus colegas é não apenas natural, como necessária. Claro, a maior ou menor presença do sindicato nas escolas, o trabalho na base, pode potencializar ou não a presença nas assembleias, mas claramente muitos professores ainda não estão motivados o suficiente. Mesmo assim tivemos uma grande e representativa assembleia. Em área muito grande, os professores estiveram presentes em grande número, vindos de todas as regiões do estado. Poderão ser muitos milhares mais, em 30/04, dependendo do trabalho que façamos para convocá-los.
        Bebel

  • 109. tais  |  20/03/2012 às 12:49

    Bom dia,meus comentários estão aguardando moderação desde o dia 17, estes comentários irão ajudar professores que estão na mesma situação que eu,que sou F quando estou de eventual e quando vou na atribuição viro 1093/2009,ganhei a tutela antecipada porém em dois dias o DESEMBARGADOR FRANCISCO VICENTE ROSSI (QUE É PROFESSOR NA UNICAMP) JULGOU MINHA AÇÃO IMPROCEDENTE,E REVOGOU MINHA TUTELA ESTOU TRABALHANDO SEM RECEBER …AO MEU VER, QUE SOU LEIGA NESTE ASSUNTO ELE LITERALMENTE DEU UM “TIRO NO PÉ” POIS ELE DISSE QUE A LEI 1010/2007 FERE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL NO ARTIGO 37 PORÉM ELE NÃO A REVOGOU…SE ELE A REVOGASSE, AS DUAS LEIS COMPLEMENTARES IRIAM ACABAR POIS O GOVERNO IRIA VER A MELECA QUE O ANTIGO GOVERNADOR FEZ E QUE ESSE CONTINUA FAZENDO…POIS IRIA MEXER COM UMA PARCELA IMPORTANTE DOS PROFESSORES…NO MEU OUTRO COMENTÁRIO ALGUÉM RESPONDEU QUE ESSA LEI 1010 É UMA CONQUISTA DA APEOESP SÓ QUE ELA NÃO PODE SER CONSIDERADA UMA CONQUISTA…SE ELA É INCONSTITUCIONAL …SE VOCÊS COGITARAM ENVIAR A LEI 1093 PARA A OIT QUE DIZER QUE VOCÊS PODEM FAZER MUITO PARA TODOS TODOS TODOS TODOS TODOS PROFESSORES QUE SÓ SE SEPARAM NO QUESITO MATÉRIA QUE LECIONA E NÃO POR SORTE OU AZAR DE ESTAR NO LUGAR CERTO E NO MOMENTO CERTO EM UM DETERMINADO ANO…

    Responder
    • 110. apeoesp  |  20/03/2012 às 16:08

      Prezada professora Taís,
      Um juiz de primeira instância não tem poderes para declarar a inconstitucionalidade de uma lei. Somente o STF pode fazê-lo. Um juiz não poder para revogar uma lei.
      Não consideramos a lei 1010 uma conquista, e sim a estabilidade de mais de 80 mil professores da categoria F, que se inicia nesta lei e se completa na lei 1093/08.
      A decisão do juiz é passível de constestação e certamente o departamento jurídico da APEOESP já apelou.
      Bebel

      Responder
  • 111. daniel  |  20/03/2012 às 13:41

    Parabéns Bebel!! Mas devemos ficar de olho!

    Responder
    • 112. apeoesp  |  20/03/2012 às 15:55

      Prezado professor Daniel,
      Sim. Estamos de olho. Não vamos baixar a guarda.
      Bebel

      Responder
  • 113. orion  |  22/03/2012 às 05:37

    Ola Bebel tudo bem?Quando podermos saber o idesp para confirmar quais escolas atingiram e quais não?
    abraços

    Orion

    Responder
    • 114. apeoesp  |  23/03/2012 às 02:17

      Prezado professor Orion,
      Hoje à tarde recebemos a informação de que será divulgado nas próximas horas.
      Bebel

      Responder
  • 115. PROF CARLOS FERNANDES  |  20/04/2012 às 17:08

    BEBEL – GOSTARIA DE UMA INFORMAÇÃO – FIQUEI UM ANO SEM DAR AULAS NA REDE – E AGORA QUANDO VOLTEI AO ATRIBUIR AULA – COMO ‘O’ – NA ESCOLA -FIQUEI NOVAMENTE QUASE UM MES SEM RECEBER – E AGORA A SECRETARIA DISSE QUE MINHA AULAS TORNARÃO SE LIVRES – E QUE FICAREI MAIS UM MES SEM RECEBER!!!! COMO ISSO É POSSÍVEL… – NÃO DEVO ENTRAR COM ALGUM PROCESSO??? – POR FAVOR ME AUXILIE – MEU CEL 6185 4185 – SOU PAI – TENHO PAGAMENTOS.. E MUITAS DÍVIDAS.. COMO FAÇO?? SOCORRO!!!
    PROF CARLOS FERNANDES DE OLIVEIRA

    Responder
    • 116. apeoesp  |  22/04/2012 às 20:00

      Prezado professor Carlos,
      Já cobrei do secretário e do secretário adjunto a regularização destas situações. Por favor, entre em contato com o departamento jurídico, na subsede da região, ou pelo telefone 11.33506214.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,858,372 hits

Comentários

apeoesp em
apeoesp em

%d blogueiros gostam disto: