Quase 20% dos professores de São Paulo sofrem de depressão

02/10/2012 at 15:55 48 comentários

Quase 20% dos professores da rede básica de ensino do Estado de São Paulo sofrem de depressão. O dado foi revelado pelo levantamento A Saúde do Professor na Rede Estadual de Ensino, feito pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) em parceria com o Dieese.

Segundo o levantamento, divulgado com exclusividade para o R7, entre as pessoas que sofrem depressão, 57% acaba se afastando as aulas.

A pesquisa mostra que, além da depressão, os transtornos de ansiedade, também interferem na probabilidade de afastamento do professor. O estudo com 2.500 professores da rede revelou que 23% deles sofrem de ansiedade ou síndrome do pânico.

Segundo a presidente do sindicato, Maria Izabel Noronha Azevedo, o dado pode impulsionar políticas mais efetivas para tratar e prevenir a depressão entre professores.

— A vida do professor não morre na sala de aula, por isso, temos uma luta grande para implementar a jornada do piso salarial, que deve garantir tempo para que o professor possa preparar suas aulas e receber por isso.

Afastamento por doenças

De acordo com a pesquisa, apesar dos altos índices de doenças psicológicas, os problemas físicos são os que mais causam o afastamento. Segundo a secretaria de gestão pública do Estado, 3.817 professores efetivos estão afastados.

A hipertensão arterial atinge 30% dos professores. Em 2011, 37,6% dos professores que tiverem diabetes e 42% dos que tiveram asma, bronquite e outros problemas respiratórios foram afastados.

Para Maria Izabel, o governo precisa montar um grupo para trabalhar diretamente nas escolas e descobrir o motivo do adoecimento psicológico.

— O governo precisa definir o que quer da educação, de fato, e não procurar culpados. Quando eles fazem isso, quem fica doente somos nós. Nós somamos todas as profissões, não tem cabimento ficarmos largados, sem um olhar humano sobre nossos problemas.

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Professores decidem permanecer em estado de alerta! Os professores reafirmam seu compromisso e sua luta

48 Comentários Add your own

  • 1. Sandra Regina Toledo Rodovalho  |  03/10/2012 às 12:41

    Bebel, bom dia!!
    Sei q esse tema não tem nada a ver com o presente debate, mas gostaria de saber sobre a promoção por mérito. Quando sai o resultado? Vc tem alguma informação?
    Abraços
    Sandra

    Responder
    • 2. apeoesp  |  03/10/2012 às 20:09

      Prezada professora Sandra,
      Soubemos que sai durante o mês de outubro, mas sem uma data precisa.
      Bebel

      Responder
  • 3. Flavia Correia  |  03/10/2012 às 21:27

    Olá Bebel,
    Gostaria de saber sobre as atribuições do professor auxiliar, a professora que me acompanha em duas aulas semanais por sala foi obrigada pela diretora entrar em outra sala, e dar aulas nos horários das minhas aulas nessas salas. Essas salas estão sem o professor de matemática, que saiu de licença premio, e não conseguiram atribuir essas aulas, a diretora sem nenhum respeito comigo, com os alunos (não nos comunicou) mandou o recado pela própria professora, usando o termo “quem manda aqui sou eu” mandando a professora que me auxilia entrar nessas salas e dar aulas no lugar da professora que esta de licença.
    Gostaria de saber se a diretora tem esse direito, se existe lei para isso?

    Desde já agradeço.

    Flávia

    Responder
    • 4. apeoesp  |  07/10/2012 às 14:47

      Prezada professora Flávia,
      A diretora é responsávbel pela condução da escola, mas não pode cometer abusos. Ela deveria ouvir a equipe escolar. Procure a sua subsede e converse com o(a) advogado(a) a respeito.
      Bebel

      Responder
  • 5. Edna Santos  |  04/10/2012 às 01:23

    Bebel,
    Boa noite!
    A redução da jornada de trabalho para 26 aulas de 50 minutos ajudaria o professor a diminuir a tensão em sala de aula. Estamos adoecendo pois a pressão psicologica para atingir metas com alunos tão desinteressados é muito grande.
    Infelizmente, acredito que o governo vai reverter a situação. Para isso, é só alterar o tempo de aula para 60 minutos, o que eles
    conseguem rapidinho.
    Não quero ser pessimista, mas temos que ser realistas.

    Responder
    • 6. apeoesp  |  07/10/2012 às 14:37

      Prezada professora Edna Santos,
      Não podemos impedir que o governo tente, mas podemos lutar contra isso. De toda forma, é muito difícil que isto ocorra, pois teriam também que reduzir o número de disciplinas, privando os estudantes de disciplinas que já estão incoporadas ao curriculo, ou reduzindo a carga horária de disciplinas fundamentais. Não sejamos tão pessimistas.Lutemos!
      Bebel

      Responder
  • 7. Flávia  |  05/10/2012 às 01:39

    Boa noite, Bebel!
    Preciso de sua orientação com relação à falta-hora médica,pois minha diretora só está considerando, EXATAMENTE, o período que o médico coloca no atestado, ou seja, está desconsiderando o tempo do trânsito.Ela diz que o professor deve assumir as faltas- hora que necessitar para chegar até o médico e para retornar à escola ou, então, pedir ao médico um atestado com um horário maior do que aquele em que realmente esteve em consulta.Quanto ao direito as 3 horas, para tratamento de saúde, durante o período de trabalho, o diretor tem o direito de não aceitá-lo?
    Esse é um outro ponto que o sindicato precisa, urgentemente, resolver.Nossas péssimas condições de trabalho nos conduzem às doenças e não podemos nos tratar porque o governo limita os dias, as horas, em que podemos adoecer! Isso não existe em nenhuma outra categoria!
    Obrigada
    Flávia

    Responder
    • 8. apeoesp  |  06/10/2012 às 16:09

      Prezada professora Flávia,
      Trata-se de uma interpretação draconiana da lei. Consiga algo escrito em que a diretora defina sua interpretação da lei ou, quando houver o desconto, procure o departamento jurídico da APEOESP.
      Bebel

      Responder
  • 9. Maria  |  05/10/2012 às 13:12

    Minha colega é categoria F, já fez escrição para atribuição 2013. Porém sugiu um imprevisto e terá que mudar de cidade e diretoria. O que ela pode fazer para não perder o vínculo?

    Responder
    • 10. apeoesp  |  07/10/2012 às 13:32

      Prezada professora Maria,
      Deve fazer um requerimento à CGRH solicitando a mudança. Se for indeferido, procurar o departamento jurídico.
      Bebel

      Responder
  • 11. Marineide  |  06/10/2012 às 11:19

    Assumi como efetiva em 2011 estou longe de casa, sera que consigo o ar. 22

    Responder
    • 12. apeoesp  |  06/10/2012 às 15:54

      Prezada professora Marineide,
      Provavelmente sua inscrição será indeferido. Quando ocorrer, procure o departamento jurídico da APEOESP para ajuizamento de ação.
      Bebel

      Responder
  • 13. Ro  |  06/10/2012 às 14:16

    Bebel, a prova seletiva continuará sendo eliminatória? Existe a discussão e possibilidade de que ela passe a ser classificatória, sem a obrigatoriedade de 32 ou 40 pontos?

    Responder
    • 14. apeoesp  |  06/10/2012 às 15:53

      Prezada professora Ro,
      A prova não é eliminatória. Ela classifica os professores que obtiveram a nota mínima e também os que não obtiveram. Eles participam em momentos diferentes na atribuição de aulas.
      A nota mínima é uma imposição do governo. Já nos manifestamos e nos mobilizamos contra esta prova, inclusive por meio de greve (março de 2010), mas o governo mostra-se intransigente nesta questão. Conmtinuamos pressionando pelo fim da prova.
      Bebel

      Responder
  • 15. Prof° Oswaldo  |  08/10/2012 às 19:23

    Boa tarde, Bebel! Sempre te elogio pois nunca deixa de responder as dúvidas de quem te escreve, mas dessa vez tenho uma reclamação a fazer, eu te mandei uma dúvida no tópico anterior a esse, cujo título é “Reinvidicações ao secretário”, e você simplesmente não me respondeu, segue então novamente minha dúvida. Gostaria de saber onde encontro as tais mudanças que serão votadas pela Alesp após as eleições, queria ficar informado sobre isso, até para repassar à meus colegas. Sem mais agradeço.

    Responder
    • 16. apeoesp  |  12/10/2012 às 14:20

      Prezado professor Oswaldo,
      Desculpe-me por não ter respondido antes a sua dúvida, mas estive com muitas atribuições nos últimos e somente agora estou podendo atualizar o blog.
      Não há ainda nada escrito sobre os projetos que o governo enviará à ALESP. Entre os assuntos possivelmente estão a questão salarial, concurso, ensino integral e outros.
      Bebel

      Responder
  • 17. Patricia  |  09/10/2012 às 18:39

    Ola, olha a pressão sobre o professor so pode levar a ese estado lamentavel,fiquei sabendo que os professor auxiliar agora perde as aula dia 31/12 assim disse a diretora da minha escola isso acontecerá realmente alguma novidade sobre o professor auxiliar?

    Responder
    • 18. apeoesp  |  12/10/2012 às 13:42

      Prezada professora Patrícia,
      Sim, as aulas do professor auxiliar só existem enquanto está em curso o processo educativo. Com o fim do período letivo essas aulas cessam.
      Bebel

      Responder
  • 19. juliana  |  10/10/2012 às 21:03

    E a história se repete…
    Sou ingressante e tive de tirar licença com neurologista, na cidade onde eu morava quem assinou foi um psiquiatra. RESULTADO: Fui barrada na perícia esta semana. Voltarei em janeiro e sem a certeza de que serei liberada.

    Responder
    • 20. apeoesp  |  11/10/2012 às 10:01

      Prezada professora Juliana,
      Por favor, procure o(a) advogado(a) na sua subsede para ver se algo pode ser feito. Ou ligue para 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 21. Mari Clayre  |  11/10/2012 às 00:48

    Boa noite!!
    Infelizmente faço parte do grupo dos 20% que sofrem depressão!!!
    Passei por sérios problemas e quando estava bem voltei a trabalhar com o maior desejo de permanecer ativa até a minha aposentadoria. Uma pena não ter conseguido! A escola é perfeita, professores interessados e alunos ótimos… mas…. pena que a escola não se faça apenas de professores e alunos: no meio existem os diretores e professores coordenadores que, muitas vezes, atrapalham o sucesso pedagógico. É revoltante me lembrar que estava bem e por perseguição na escola meu quadro foi novamente diagnosticado como depressão grave e, pior, um agravante por motivos de assédio moral. Até quando a APEOESP vai fingir que não percebe que o professor está sendo massacrado??? Uma boa noite!
    Mari

    Responder
    • 22. apeoesp  |  11/10/2012 às 09:49

      Prezada professora Mari,
      Sinto muitíssimo pela que você está passando. Infelizmente, como vimos, é um problema que afeta parte considerável da nossa categoria. A APEOESP luta e lutará para que o Estado enfrente este problema, não apenas com políticas de prevenção, mas também como medidas de promoção da saúde do professor. Estamos preparando uma publicação com os dados da pesquisa e parcerias para trabalhar esta questão, bem como propostas concretas para o sistema e para as escolas.
      Quanto à APEOESP “fingir” que não percebe que o professor está sendo massacrado, não consegui entender porque você diz isto, se a matéria que você é sobre uma iniciativa da APEOESP e se a APEOESP distribuiu a cada associado e associada, por duas vezes, um manual com instruções quanto ao assédio moral. Além disso, nossas subsedes e o departamento jurídico estão constantemente à disposição para defender o professor de todo e qualquer abuso que seja cometido contra ele.
      A APEOESP tem denunciado constantemente a situação dos professores e cobrado medidas da SEE. Leia nossos boletins, visite nosso site (www.apeoesp.org.br) e acompanhe este blog.
      Bebel

      Responder
      • 23. Mari Clayre  |  12/10/2012 às 22:51

        Querida Bebel, tenho sim conhecimento das tentativas da APEOSP em resolver “certos” problemas, mas continuo indignada que ao procurar um advogado para ter informações da qual deveria ser minhas providencias fui informada que preciso de “provas” e que tais provas seriam depoimentos de colegas, gravações… IMPOSSÍVEL… jamais colocaria um colega em tal situação… não quero para ele o que estão fazendo comigo!!! e, com certeza, o colega que se dispõe a depor seria automaticamente também assediado!!! Uma pena!!! E, tem, mais… rsrrs .. a tal ação pode demorar até 30 anos… ai eu já estaria morta, você concorda??? Vou esperar terminar minha licença e voltar para o matadouro (pois é assim que estou vendo a escola ultimamente) sempre amei o meu trabalho e sempre o fiz com muito amor e dedicação, mas hoje percebo que a SEE não precisa de professores comprometidos com a verdadeira aprendizagem, portanto sou persona no grata… rsrrsrsr…Desculpe meu desabafo.. mas foi o único jeito que encontrei…
        Abraços
        Mari

      • 24. apeoesp  |  13/10/2012 às 04:55

        Prezada professora Mari,
        Infelizmente, professora, nossos advogados não fazem as leis ou as normas judiciais. A justiça requer provas, depoimentos, testemunhos. Os advogados da APEOESP trabalham para que o associado ganhe a causa. Se você ingressar com uma ação judicial e não for capaz de provar o que afirma, não apenas perde a ação, como terá que responder por falsa acusação.
        Bebel

  • 25. ROSANA  |  11/10/2012 às 14:45

    OI! BEBEL

    POR FAVR PODERIA VERIFICAR QUANDO SERÀ APLICADA A PROVA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO “PROVINHA” ANUAL.SABE SE SERÀ EM NOVEMBRO.
    OBS: JÁ ENTREI EM CONTATO COM O CGRH E NÃO ME RESPONDERAM.

    GRATA
    ROSANA

    Responder
    • 26. apeoesp  |  12/10/2012 às 13:16

      Prezada professora Rosana,
      Segundo apuramos, está prevista para meados de novembro.
      Bebel

      Responder
  • 27. Vilma  |  12/10/2012 às 10:09

    Prezada Bebel,

    O massacre começa pelos alunos e termina na direção. A tensão é constante numa jornada exaustiva, pergunto: qual físico/emocional suporta diariamente atravessar as várias situações a que somos submetidos ano após ano? Eu mesma tomo antidepressivo há mais de 7 anos…
    Por favor, leia a posição vergonhosa de um delegado de polícia
    aqui em Campinas.
    Abraços
    http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2012/10/numero-de-ocorrencias-por-violencia-em-escolas-de-campinas-cresce-20.html

    Responder
    • 28. apeoesp  |  12/10/2012 às 12:57

      Prezada professora Vilma,
      Acredito que só é possível encontrar soluções verdadeiras para os problemas que enfrentamos a partir da conjugação de esforços entre o Estado, as famílias, as comunidades escolares e as mais diversas instituições sociais.
      Há uma obrigação instransferível do Estado, que é a de nos garantir condições adequadas de trabalho, o que inclui a implementação da jornada do piso, estrutura nas escolas, materiais didáticos etc. Também é obrigação do Estado assegurar a segurança no entorno das unidades escolares.
      Entretanto, a violência no interior das escolas requer medidas mais complexas, que exigem o envolvimento de toda a comunidade. Nem todos os casos são casos de polícia.
      É preciso tornar a escola um espaço no qual as crianças e jovens queiram estar, que seja um local prazeroso para elas e que corresponda a suas expectativas. Isto reduziria com certeza a ocorrência de casos de violência. Há, claro, os casos que requerem punições, pois extrapolam os limites.
      Não há uma solução única, por isso não acho descabida a fala do delegado, desde que existam políticas públicas para o combate à violência nas escolas.
      Bebel

      Responder
      • 29. Mari Clayre  |  12/10/2012 às 22:54

        “É preciso tornar a escola um espaço no qual as crianças e jovens queiram estar”.. e o professor????
        Wilma o massacre aqui começa e termina na direção.. temos alunos ótimos,com excelente disciplina e aproveitamento, mas, infelizmente falta valorizar o professor que trabalha e não tem tempo para “picuinhas”
        Um grande abraço.. e… esquenta não .. eu também tomo uma pancada desses remedinhos… rsrrs
        Abraços
        Mari

      • 30. apeoesp  |  13/10/2012 às 04:52

        Prezada professora Marli,
        Não entendeu minha colocação. Se as crianças e jovens vierem sentido na escola, certamente se reduzirão os motivos e as oportunidades para a indisciplina e a violência e poderemos separar os problemas eventuais (que se multiplicam) daqueles casos que merecem punição mais severa. A escola não tem que ser boa para o professor, apenas. Se não for boa para o estudante, que é a razão de sua existência, a escola não será boa também para o professor. Se somos educadores, como podemos ver nosso estudante como nosso adversário?
        Bebel

  • 31. prof. Juliana  |  12/10/2012 às 21:03

    Olá Bebel, quero desejar a você e a todos um feliz dia dos professores, pois merecemos não é verdade? A propósito você sabe quando sairá o resultado da prova do mérito 2012.

    abraços,

    Responder
    • 32. apeoesp  |  13/10/2012 às 04:56

      Prezada professora Juliana,
      Muito obrigada. Desejo o mesmo a você e a todos os colegas de sua escola e região.
      Segundo apuramos, o resultado da prova de mérito será divulgado após as eleições. O pagamento é retroativo a julho.
      Bebel

      Responder
  • 33. Elizabeth  |  12/10/2012 às 23:11

    Já está mais do que provado que nosso ambiente de trabalho é insalubre! Salas lotadas, jornada de trabalho excessiva, um barulho infernal dentro da sala de aula, os alunos não param de falar um minuto, é o tempo todo chamando a atenção de um, de outro, eu saio da escola perturbada, com minha nuca endurecida, e minha cabeça trepidando por dentro, as vezes fico com medo de ter um derrame no meio da sala de aula por conta do barulho insuportável que esses alunos fazem, tenho vontade de contratar um profissional que mede decibeis e entrar contra o estado por nos expor a ambiente tão insalubre e não nos pagar nada por isso, mas acho que o sindicato poderia fazer isso por nós.
    O professor sofre calado, pois há anos vem sendo marginalizado por políticos que precisam de um “boi de piranha”, para mascarar sua política incompetente, pela direção, coordenação, pais e alunos.
    Quando chego da escola, não consigo conversar com ninguém, não consigo ouvir um barulho, me irrito facilmente.
    O NOSSO AMBIENTE DE TRABALHO É INSALUBRE!
    Não posso colocar um tampão no meu ouvido e fingir que nada está acontecendo, sou obrigada a administrar alunos que não querem fazer lição, que ficam brincando em sala, que gritam para falar com seus colegas e quando uso o argumento de que eles precisam do estudo para serem alguém na vida, eles rebatem: ” pra quê, para ser igual à você?”
    Fora pais que vem querer nos agredir verbalmente e fisicamente, até.
    PRECISAMOS GANHAR ADICIONAL INSALUBRIDADE, PRECISAMOS TRABALHAR NO MÁXIMO 20 AULAS COM ALUNO, NO MÁXIMO 20 ALUNOS POR SALA, PRECISAMOS DEFINIR JUNTO AO GOVERNO A HORA-AULA, TODA A JORNADA DO PROFESSOR (AULA,HTPC,HTPL) SEMPRE GIROU EM TORNO DE 50 MIN. (ainda que no papel ele tenha colocado que nossa jornada gira em torno de horas) E NÃO PODEMOS ESPERAR ELES FAZEREM AQUILO QUE ACHAMOS QUE NUNCA FARIAM, POIS FAZEM!
    Inclusive há uma corrente dentro do sindicato, chamada MUDE que defende a definição da hora-aula, mas foram voto vencido, infelizmente.
    Li o material sobre a 5ª conferência estadual da educação e fiquei decepcionada, pois há várias correntes dentro do sindicato, cada um defendendo algo, tornando o sindicato ao meu ver fragilizado, pois ao invés de unir forças para lutar por uma verdade para todos da categoria, se fragmenta internamente o sindicato em 12 grupos para cada um lutar pela sua verdade!
    Enquanto isso, estou enlouquecendo, morrendo… dentro da sala de aula!

    Responder
    • 34. apeoesp  |  13/10/2012 às 04:49

      Prezada professora Elizabeth,
      Você tem razão, parcialmente, quando fala do excesso de grupos no sindicato. Porém, uma das virtudes da democracia é o espaço para todos manifestarem seus pontos de vista, como neste blog. Alguns grupos são tão pequenos que não creio que sejam capazes de causar tanto dano assim. Sim, há os grupos maiores, que em vez de reforçar nossa luta, percorrem escolas para falar mal da direção do sindicato e do próprio sindicato, gerando desconfiança e descrédito em muitos professores.
      Para além dos grupos e das divergências que possam existir, professora Elizabeth, há uma força maior que precisa ser despertada, que é a nossa própria categoria. Para conscientizá-la de sua força, e do poder que temos de mudar as coisas, não bastam a direção do sindicato, as correntes de opinião, os boletins, o site, este blog. É preciso que cada professor e cada professora converse com seu/sua colega. Que participem das atividades quando convocados, que venhma à Praça mostrar que não somos cordeiros e não aceitamos qualquer coisa. Reuniões de negociação são importantes, mas o que faz mudar a situação é a indignação e a mobilização.
      Bebel

      Responder
  • 35. vanda  |  14/10/2012 às 17:59

    Olá Bebel, gostaria de saber qdo sera a prova seletiva para 2013, já saiu alguma data?? ano passado foi no dia 30/10/2011. Sou readaptada pq não posso mais ficar em sala de aula a depressão toma conta, o pânico tbem. Sou uma pessoa doente não suportei as salas superlotadas, a falta de respeito e o descaso dos nossos governantes com relação ao nosso salario. Agora estou bem em uma biblioteca, frustrada pq amava lecionar, mas minha saúde esta em 1 lugar. Bjos e Parabens a vc sempre tao educada e nos trazendo informaçoes preciosas sobre nossa educação, Fiquei muito feliz pela conquista sobre aposentadoria do readaptado, mais uma vitoria de nosso sindicato e com vc à frente.. Obrigada! se souber a data da prova ficarei muito feliz,,mas acho q de concreto não saiu nada ainda em DOE, bjos.

    Responder
    • 36. apeoesp  |  20/10/2012 às 13:56

      Prezada professora Vanda,
      Segundo fontes da SEE, deve ocorrer em meados de novembro.
      Lamento que sua situação seja esta, como a de milhares de outros colegas. Vamos continua lutando para sermos respeitados, valorizados e não termos mais que passar por situações assim.
      Bebel

      Responder
  • 37. tati  |  15/10/2012 às 11:27

    Olá Bebel, um FELIZ DIA DOS PROFESSORES a todos os incansáveis nesta luta, que um dia tenho certeza será recompensada. Não desanimemos, continuemos neste lindo trabalho que é a arte de ensinar. Parabéns a todos nós!!!!!!!

    Responder
    • 38. apeoesp  |  15/10/2012 às 12:13

      Prezada professora Tati,
      Muito obrigada. Feliz dia dos Professores para você e para todos os colegas.
      Sim, tenho a certeza de que chegaremos lá. Com luta e perseverança, porque sempre conquistamos nossos direitos com muito esforço e mobilização.
      Bebel

      Responder
  • 39. TATI  |  15/10/2012 às 11:39

    Olá Bebel, gostaria de saber como ficará o quinquênio já adquirido, pelos professores que eram L e viraram O. A secretária da escola em que leciono(mas que não é minha sede) disse em htpc, que poderiamos requerer através do anexo I, uma reativação do quinquênio, por ser de direito e que receberiamos até os atrasados. Já fiz isso e até agora nada. Trabalho há sete anos no estado, nem férias recebi este ano. Sei das suas incansáveis lutas por nossa categoria, mas gostaria de saber o que pode ser feito? Desde já agradeço.

    Responder
    • 40. apeoesp  |  15/10/2012 às 12:16

      Prezada professora Tati,
      Você deve munir-se do comprovante do requerimento e buscar orientação no departamento jurídico da APEOESP. É preciso verificar se já é momento de ingressar com outro tipo de ação, o que apenas o departamento jurídico poderá afirmar.
      Bebel

      Responder
      • 41. Marcos  |  17/10/2012 às 15:45

        Cara Bebel, nosso sindicato entrará com mandato de segurança para o artigo 22 ? ou terei que entrar com o pedido individualmente ?

      • 42. apeoesp  |  20/10/2012 às 13:07

        Prezado professor Marcos,
        Sim, ingressaremos, mas você também pode ingressar com ação individual. Procure o departamento jurídico na sua subsede.
        Bebel

  • 43. Marcos Muniz  |  16/10/2012 às 01:29

    Olá queridas Bebel e Francisca! É nosso dia mas ainda não temos o que comemorar; talvez o fato sim de nunca entregarmos os pontos! Sei que muitos de nós já adoeceram e sei também que a luta é absolutamente árdua e por vezes até desumana, tão grande a desconsideração que nos é dada pelos poderes constituídos.
    Vislumbro dias melhores…e sei da capacidade que temos de transformar a sociedade, o Brasil vai bem, estamos em pleno desenvolvimento, e por que não melhorar as nossas condições de trabalho? As próximas mudanças no cenário político paulista irão determinar e muito o nosso futuro….sem ilusão é claro; mas a mudança irá ocorrer e quem do poder faz uso verá que é tarde demais para nos valorizar… aqueles que só nos viram nos gráficos irão sentir a força que temos na formação de uma sociedade mais justa…eu fui bem formado, e nossos professores estavam sob a égide do militarismo… houve saída e sempre haverá…é só dar um passo de cada vez! Mas sempre alerta pois outros virão.
    Dedico esta mensagem à todos os meus Professores que um dia me encontraram menino e ….estou chorando!

    Responder
    • 44. apeoesp  |  20/10/2012 às 13:35

      Prezado professor Marcos,
      Persistência, perseverança, confiança em nossos princípios e na nossa luta. Isto faz mudar o mundo. Pode demorar mais tempo ou menos tempo, mas as transformações viraão. Entretanto, não vão acontecer se não acreditarmos e se deixarmos de lutar por elas. Vamos em frente. O Brasil está mudando e essas mudanças também chegarão ao estado de São Paulo.
      Bebel

      Responder
  • 45. Ivone  |  16/10/2012 às 01:42

    Bebel
    Segundo o que menciona sobre os profs categoria O em relação ao quinquenio e a sexta-parte, que APEOESP entrará imediatamente com uma ação coletiva.
    Para que seja necessário entrar nessa ação devemos procurar a APEOESP ou teremos que aguardar para vermos se obteremos resultado satisfatório mediante a essa ação.
    Grata Ivone

    Responder
    • 46. apeoesp  |  20/10/2012 às 13:32

      Prezada professora Ivone,
      Por favor, entre em contato com o departamento jurídico para avaliar se é conveniente ingressar desde já com ação individual. Fone 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 47. Fatima Leme  |  17/10/2012 às 01:29

    Bebel, boa noite.
    Como pode?! Dia 26/06/2012 saiu no D. O publicado meu quarto quinquenio junto com a sexta parte, este mes (05/10) recebi só a sexta parte e o quinquenio nada, só porque sou categoria O e não estou recebendo os tres primeiros quinquenio, ele não me pagou o quarto quinquenio, ele e o Serra deveria ser exterminado da face da terra, eles passam por cima até de uma pulicação, por isso que eu quero deixar o estado (bico) e ficar só na prefeitura.
    Fátima Leme

    Responder
    • 48. apeoesp  |  20/10/2012 às 13:20

      Prezada professora Fátima,
      Procure o departamento jurídico na sua subsede para ingressar com ação judicial de preservação de direitos.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,911,308 hits

%d blogueiros gostam disto: