NO DIA 19 DE ABRIL OS PROFESSORES ENTRAM EM GREVE

16/03/2013 at 13:48 97 comentários

  No mesmo dia 19 de abril, às 14 horas, assembleia na Avenida Paulista com caminhada até a Praça da República

Diante da intransigência do governo – que não atende as reivindicações da categoria – cerca de 5 mil professores presentes à assembleia estadual realizada na tarde de sexta-feira, 15, na Praça da Sé, em São Paulo, definiram que o magistério entrará em greve no dia 19 de abril e uma nova assembleia acontecerá na mesma data no vão livre do Masp (avenida Pau­lista) para decidir a continuidade do mo­vimento, conforme deliberação da nossa V Conferência Estadual de Educação. Em seguida será realizada uma passeata até a Praça da República.

GREVE

Conforme já informamos, a diretoria da APEOESP reuniu-se com o secretário da Educação no dia 12 de março. A entidade cobrou a constituição da comissão paritária para discussão do reajuste salarial, conforme determina a lei complementar 1143/11, reajuste sa­larial de 36,74% e a recomposição do reajuste previsto para 2012 (10,2%), do qual apenas uma parte foi efetiva­mente pago, uma vez que no índice concedido estava embutida a terceira parcela de incorporação da GAM, de 5%; além da implementação da jornada do piso; solução para a situação precária da chamada categoria “O”, no que diz respeito à forma de contratação, direi­tos e condições de trabalho; pelo fim da remoção ex-officio nas escolas de tempo integral e o pagamento da GPDI a todos os professores que optarem pela jornada integral. O governo não respondeu a nenhuma reivindicação.

Para completar, o Governo do Estado pretende privatizar o Hospital do Servidor Público Estadual. Nosso posicionamento contra a privatização é claro. Estão sendo enviadas para as regi­ões adesivos contra a privatização, bem como cartazes a serem afixados nas escolas e locais de grande visibilidade.

A luta por reajuste salarial, contra a precarização do trabalho, contra priva­tização do HSPE e outros setores do IAMSPE, por melhores condições de trabalho e outras reivindicações unificam os interesses de todo o funcionalismo estadual. Por isto, a APEOESP, por meio do Fórum do Funcionalismo da CUT/SP, está se articulando com outras entidades de servidores estaduais. Também já ini­ciou articulação com as demais entidades da educação para exigir do Governo que realize negociações. Conforme decisão da assembleia, a APEOESP proporá um ato unificado de todo o funcionalismo no dia 19 de abril. Os servidores da saúde já decidiram pela greve a partir de 1º de abril. Outras categorias poderão entrar em greve.

No período de 25 de março a 05 de abril realizaremos a III Caravana da Educação, que percorrerá diversas regiões do Estado. As subsedes serão contatadas a partir de segunda-feira para organizarem suas atividades. Uma carta aberta aos professores e à população será remetida às subsedes na próxima semana para ser amplamente distribuí­da. Também seguirá na próxima sema­na o cartaz que convoca a assembleia de 19 de abril.

Os professores paulistas entram em greve por:

 Reposição salarial de 36,74% e complementação do reajuste refe­rente a 2012;

 Pelo cumprimento da lei do piso: no mínimo 33% da jornada de tra­balho para atividades de formação e preparação de aulas;

 Dignidade na contratação, condi­ções de trabalho e atendimento no IAMSPE para os professores da categoria O;

 Fim da remoção ex-officio e da de­signação de professores das Escolas de Tempo Integral;

 Regime de dedicação exclusiva para todos, por opção de cada professor(a);

 Melhores condições de trabalho e políticas de prevenção do adoeci­mento dos professores;

 Fim da lei das faltas médicas;

 Fim dos descontos de faltas e licen­ças médicas para efeito de aposen­tadoria especial;

 Fim das provinhas e avaliações ex­cludentes;

 Por um plano de carreira que atenda às necessidades do magistério.

 Não à privatização do Hospital do Servidor Público Estadual e do IAMSPE.

A GREVE É NOSSA. A CULPA É SUA, SENHOR GOVERNADOR!

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Todos à Assembleia Estadual! 15 de março, 14 horas, Praça da Sé O Governo do Estado quer entregar o Hospital do Servidor e o IAMSPE para uma das empresas do grupo Andrade Gutierrez. Não vamos permitir!

97 Comentários Add your own

  • 1. Carlos Roberto da Silva  |  16/03/2013 às 14:07

    oi bebel. Sou da sbsede de Casa Branca e estive presente aí ontem. Fiquei contente com o resultado e creio que poderemos mobilizar muito mais pessoas a partir de agora. Mandem logo os cartazes e cartas para já começarmos a mobilização. E muita sorte a todos nós. Você viu a nota da secretaria: “já cumprem a jornada do piso pagandono-nos 2088 por quarenta horas. E ” o sindicato está mentindo”. ´E inaceitável isso e temos msm de ir à luta.

    Responder
    • 2. apeoesp  |  17/03/2013 às 17:48

      Prezado professor Carlos,
      Também compartilho do seu modo de ver. Acredito que possamos realizar uma grande greve. Ela é necessária, porque o governo está nos desrespeitando. Temos um mês para nos prepararmos. Vamos à luta.
      Bebel

      Responder
    • 3. Professor Adail  |  18/03/2013 às 23:49

      Bebel., Disponibilizo meu twitter para divulgação dos movimentos de reivindicação. Hoje sou o professor com o maior numero de seguidores no Twitter Brasil ,que já somam quase 400mil Pessoas incluindo a América latina que seguem o professor Adail,há mais de 3 anos. Siga meu perfil com a conta do sindicato ” @prof_Adail ” para que possa RT as convocações, e avisos.

      Tenho conversado com diversas personalidades do mundo da politica, incluindo o próprio Governador de SP,mas principalmente os partidos de esquerda. Caso queira saber de meu alcance nas nas mídias digitais basta que Pesquise por meu nome Professor adail no Google e vai ver que já cravei meu nome nas primeira paginas do site de buscas.

      Quero ajudar a divulgar, a partir de agora, as reivindicações do Sindicato, já que o movimento me parece a primeiro momento buscar uma saída rápida para os categorias “O” “F” da qual faço parte da primeira.

      Sem mais.

      Responder
      • 4. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:37

        Prezado professor Adail,
        Muito obrigada. O site da APEOESP e este blog tem as opções de compartilhar e “retuitar” as matérias e informações.
        Bebel

  • 5. Gustav  |  17/03/2013 às 12:57

    Bebel, colega entrou na justiça em dezembro e conseguiu mandado de seguranç a para remover-me da sede e assumir no meu lugar, alegou que não foi aberto remoçaõ e que havia sido convocado antes de mim, e conseguiu, o sindicato municipal nada fez, a apeoesp pode me representar?

    Responder
    • 6. apeoesp  |  17/03/2013 às 17:22

      Prezado professor Gustav,
      Sim, claro, desde que você seja associado.
      Bebel

      Responder
  • 7. Vilma  |  17/03/2013 às 17:10

    Prezada Bebel,
    Nós continuamos sem a data base para os aumentos, isto é, também sem aumento?
    Abraços

    Responder
    • 8. apeoesp  |  17/03/2013 às 17:20

      Prezada professora Vilma,
      Haverá reajuste salarial em julho de 2013, conforme a lei complementar 1143/11, mas não repõe nossas perdas. Além disso, o governo anunciou 10,2% em 2012, mas só efetivou 5%.
      Bebel

      Responder
  • 9. sonia  |  17/03/2013 às 18:03

    qual vai ser o valor do do aumento que teremos no meio do ano?

    Responder
    • 10. apeoesp  |  17/03/2013 às 18:09

      Prezada professora Sonia,
      Está previsto um reajuste de 6%. Mas o governo nos deve 5% de 2012. E há as perdas salariais acumuladas.
      Bebel

      Responder
      • 11. Elvira  |  17/03/2013 às 21:22

        Mas o acertado não foi 42% em 4 anos? Não daria uns 10% por ano? Pq só 6% este ano?

      • 12. apeoesp  |  21/03/2013 às 03:04

        Prezada professora Elvira,
        Os aumentos são cumulativos.
        Bebel

    • 14. apeoesp  |  21/03/2013 às 03:03

      Prezada professora Vilma,
      Lamentável e oportunista é esta nota da SEE. Eles fingem que não são governo e acusam a APEOESP de algo que não fizemos. Nós contextualizamos este caso em meio a dezenas, centenas de outros casos que vem se sucedendo nas escolas estaduais. Diariamente há episódios violentos dentro e nos entornos das escolas. Cada um desse casos terá uma explicação. Houvesse mais estrutura, programas efetivos de prevenção, mais funcionários, mais diálogo, mais respeito e mais governo cuidando das escolas, certamente haveria uma redução muito grande no número de casos. Embora não seja possível impedir uma ou outra ocorrência, talvez casos como a morte desta professor pudessem ser evitados, por haver pessoas observando e ostensivamente cuidando de inibir possíveis autores. Vamos responder a esta nota.
      Bebel

      Responder
  • 15. mara  |  17/03/2013 às 22:48

    PREZADA BEBEL .precisamos mesmo nos mobilizar a respeito das faltas médicas para efeito de aposentadoria especial ,,conte comigo abraços ..

    Responder
  • 16. Ricardo J F Almeida  |  17/03/2013 às 23:23

    Ricardo
    Bebel, em que pé está a ação judicial que obriga a implantação da jornada na justiça?

    Responder
    • 17. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:56

      Prezado professor Ricardo,
      Ganhamos a causa, mas o processo está preso por um recurso da SEE, do ano passado, cujo mérito não foi julgado. Esperamos para breve a entrada em pauta deste processo.
      Bebel

      Responder
  • 18. Lucas  |  18/03/2013 às 02:00

    Bebel, quero saber como as subsusedes iram se organizar? Temos um tempo ainda, é fundamental, penso, que haja intensa divulgação entre os professores e também entre os pais.

    Responder
    • 19. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:57

      Prezado professor Lucas,
      As subsedes estão orientadas a visitar as escolas, dialogar com a comunidade, conversar com os professores e realizar assembleias, atos e outras atividades preparatórias nas regiões.
      Bebel

      Responder
  • 20. Ailton  |  18/03/2013 às 08:57

    Prezada Bebel,
    Sou Categoria O, como ficaria a questão do meu contrato por participar do movimento do dia 19/04?
    Abraços

    Responder
    • 21. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:50

      Prezado professor Ailton,
      Emn toda greve há risco. As faltas terão que ser negociadas com o governo.
      Bebel

      Responder
  • 22. Fernando  |  18/03/2013 às 18:36

    Olá, gostaria de saber qual a solução que vocês apresentam para o fim das provinhas?
    São os concursos públicos ou o objetivo de vocês é apenas buscar favorecer as pessoas de maior idade?

    Responder
    • 23. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:43

      Prezado professor Fernando,
      Creio que você não anda lendo os materiais da APEOESP. Uma de nossas reivindicações históricas são os concursos públicos. Quem deixa de realizá-los é o Estado. Por outro lado, concurso público não tem nada a ver com as provinhas. Somos contra essas provinhas porque elas nada avaliam e servem apenas para punir e excluir professores.
      Bebel

      Responder
  • 24. Renato  |  18/03/2013 às 22:19

    E sobre o bônus, não há nenhuma notícia ainda?

    Responder
    • 25. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:37

      Prezado professor Renato,
      Por enquanto, nada ainda.
      Bebel

      Responder
  • 26. Fabio Nobre  |  19/03/2013 às 01:21

    Ola, Bebel acho que vc esta precisando de um estrategista junto de vc, Ofereço meus serviços. Greve esse ano vai ser como em 2010. Infelismente irão entrar poucos. E o secretario não vai atender aos pedidos. Vc tem problemas estruturais na Apeoesp gravissimos, Quem não entra no site, não fica sabendo de nada. Foi um (1) unico onibus de Campinas para SP, aqui tem duas diretorias, e mais de 4000 professores, e foram apenas 40 na assembeia, se tirar o integrantes da apeoesp, não foram 15 professores comigo. Tem muita gente em volta de vc e poucos ajudando. Ta faltando dar um choque nesse povo. Sua voz tem que entrar em todas as escolas, Quando entramos em greve, todos os dias o diretor das escolas digitam as faltas dos professores que estão em greve no Gdae. Eles tem toda a situação controlada. E a Apeoep? Tem todos os professores registrados, independende de ser filiados ou não?

    Nesta hora precisamos de todos. Agilize

    Responder
    • 27. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:17

      Prezado professor Fábio,
      Agradeço imensamente sua oferta, mas creio que temos instâncias suficientes para definir as estratégias da APEOESP, inclusive o Conselho Estadual de Representantes e a assembleia estadual.
      Creio que você daria uma enorme contribuição estratégica ao nosso movimento na sua própria região, conversando com seus colegas, convencendo-os a participar das atividades da APEOESP. Assim, certamente a delegação da sua região poderá crescer e ser mais representativa.
      Bebel

      Responder
  • 28. Rafael  |  19/03/2013 às 03:41

    Olá Presidenta! Gostaria de pedir mais apoio e principalmente empenho das pessoas ligadas ao sindicato nas cidades do interior do estado, visto que muitas vezes apenas a capital e o litoral entram em greve, fazendo com que haja uma disparidade grande já que boa parte das cidades do interior de São Paulo não aderem a greve. Aqui quando se fala em greve todos tratam com descaso, espero que possa haver uma cobrança maior no interior para que possamos criar um movimento coeso de greve. Obrigado

    Responder
    • 29. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:12

      Prezado professor Rafael,
      Nossa experiência mostra o contrário, com grande adesão do interior, muitas vezes superando a capital. Em todo o caso, a assembleia, o Congresso, a direção estadual e o CER tomam as decisões e as encaminham de forma global. Cabe às direções locais, também eleitas, aplicar essas decisões no âmbito de cada subsede. Os professores que querem organizar a greve, se sentem que a direção local não está dando o devido apoio, devem organizar-se para pressioná-la a trabalhar corretamente. A orientação geral já existe. Se se trata de um caso específico, gostaríamos de receber informações a respeito.
      Bebel

      Responder
      • 30. Daniel  |  24/03/2013 às 17:56

        Bebel, você está equivocada. Aqui no interior, os professores nem sabem dessa greve. Não estou falando em tom ofensivo, mas sim informativo!

        Que essa greve aconteça!

      • 31. apeoesp  |  01/04/2013 às 19:39

        Prezado professor Daniel,
        Não posso me equivocar quanto à deliberação que nossa categoria tomou em assembleia, nem quanto ao trabalho que temos que realizar para ela aconteça. Tudo o mais depende do engajamento e do empenho das lideranças locais, dos representantes de escola e dos professores. Se não tivermos sucesso, o prejuízo é de todos.
        Bebel

  • 32. sergio  |  19/03/2013 às 13:48

    Os comentário são pucos.Todos estão sumindo.È só falar em greve e todos somem.Um absurdo.

    Responder
    • 33. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:08

      Prezado professor Sérgio,
      Os comentários no blog tem sua importância, mas é lá na escola que a greve deve ser organizada.
      Bebel

      Responder
  • 34. Prof. Rena  |  20/03/2013 às 01:55

    “se articulando com outras entidades de servidores estaduais.” Essa é a nossa única saída para de fato pressionar esse governo fascista. A greve deve “pegar geral”; se não vejo problemas gravíssimos de capacidade de pressão do funcionalismo num futuro muito próximo…infelizmente. Se querem privatizar o IAMSPE imagine o alvo seguinte. Ou agimos ou morremos.

    Responder
    • 35. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:18

      Prezado professor Rena,
      Sim, estão acontecendo reuniões. Já há greve da saúde programada para o início de abril e articulações para que o dia 19 de abril seja um dia de luta de todo o funcionalismo.
      Bebel

      Responder
  • 36. Ana Santos  |  20/03/2013 às 03:28

    Pelo que todos podem ver o Governo do Estado de São Paulo faz o que quer dos professores. Mandam, pisam, judiam e ignoram contato com nossos representantes. Atitudes como essas são de uma violência, de uma falta de educação e desprezo tão grandes que se tornam, a cada dia, mais observadas pela comunidade escolar e servem de muito mau exemplo. Não é ‘a toa que já perdemos significativamente a credibilidade como mediadores do conhecimento há muito tempo. As escolas e salas de aula se tornaram ponto de encontro de uma clientela que, em sua maioria, não prezam mais objetivos, expectativas para a formação de seu caráter, do seu futuro. É certo que essa falta de perspectiva é geral, mas nós temos que insistir em “salvar” o que nos pertence, Para tanto, é necessário que os nossos direitos sejam respeitados para que o nosso estímulo e autoestima sejam recuperados e que os nossos governantes refaçam os seus conceitos. A rotina nos deixa cansados e as cobranças nos deixam doentes. Isso tudo precisa mudar.

    Profa. Ana Santos

    Responder
    • 37. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:16

      Prezada professora Ana,
      Muito bem. Em resumo: Greve!
      Bebel

      Responder
  • 38. Ana Santos  |  20/03/2013 às 03:36

    Bebel,
    Gostaria de saber se é legal uma dirigente proibir que seus professores registrem boletim de ocorrência quando são agredidos por seus alunos, seja com palavras ou atos. Também preciso saber se o terceiro ATPC tem, obrigatoriamente, ser utilizado para preparar aulas, pois essa foi uma exigência feita pela nossa Diretoria de Ensino, segundo a equipe gestora. Entendo que este é um horário de trabalho coletivo e dessa forma ele se torna individualizado, o que dispersa o grupo e todos acabam fazendo nada, mas tem que permanecer na escola cumprimdo horário em plena sexta-feira das 18 ‘as 19h. Um verdadeiro absurdo, desperdício de tempo, onde poderíamos estar discutindo de forma coletiva problemas internos, soluções, estudando algo do nosso interesse.

    Profa. Ana Santos

    Responder
    • 39. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:14

      Prezada professora Ana Santos,
      No meu entendimento, a diretora está exorbitando em ambos os casos. Você pode:
      a) fazer uma queixa na Diretoria de Ensino;
      b) procurar o departamento jurídico da APEOESP na subsede ou pelo telefone 11.33506214 para orientar-se sobre o que pode ser feito.
      De fato o HTPC é para o trabalho coletivo. Há o horário em local de livre escolha que deve ser utilizado individualmente pelos professores e queremos ampliar esses horários com a jornada do piso, que o governo não aplica.
      Bebel

      Responder
  • 40. flaviana  |  20/03/2013 às 21:22

    E esta provinha ridicula ,sabendo que não tem professores o suficiente na rede. Deixando os alunos passarem na frente daqueles que não obtiveram nota suficiente. É sempre assim, a corda sempre arrebenta para o lado mais fraco.

    Responder
    • 41. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:09

      Prezada professora Flaviana,
      Que tal dar um basta? Vamos todos juntos dar uma resposta a tanta incompetência e indignidade.
      Bebel

      Responder
  • 42. Regina néri oliveira  |  20/03/2013 às 21:24

    Bebel, o nosso reajuste não foi de 42% escalonado em 4 anos? Isso daria + ou – 10% ao ano. Pq este ano o aumento é de 6%? Gostaria que me explicasse, pois se ele nos deve 5% do ano passado, então este deveria ser algo como 15%!

    Responder
    • 43. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:07

      Prezada professora Regina,
      Os reajustes são cumulativos. Não significa que estejamos satisfeitos, muito ao contrário.
      Bebel

      Responder
  • 44. Vanilda  |  20/03/2013 às 22:49

    Todos os comentários fogem do tema GREVE, também estive na assembléia, o difícil está em convencer os colegas….

    Responder
    • 45. apeoesp  |  21/03/2013 às 01:05

      Prezada professora Vanilda,
      Greve não é um tema fácil, mas necessário. No momento, único caminho para que sejamos respeitados e para que haja negociação em torno das nossas reivindicações. É preciso conversar calma, mas firmemente com nossos colegas, Alguém está satisfeito com a situação? Queremos soluções para os nossos problemas? O caminho é o da mobilização.
      Bebel

      Responder
  • 46. Ana Santos  |  21/03/2013 às 01:04

    Bebel,
    É legal a coordenadora junto com um PCOP assistirem a aula dos professores porque são cobrados pela dirigente, além de avaliarem a aula e convocar um ATP para orientar professores das disciplinas que eles consideram inadequadas? Eu ainda sou do tempo em que na minha sala quem cuida e manda sou eu. Resolvo os problemas, não aborreço a direção da escola e acho muito incoveniente a presença deles para essa finalidade. Isso tudo acontece numa escola em que o grupo é de efetivos que trabalha muito e de modo sério. Por favor, peço esclarecimento. Obrigada!

    Profa. ana Santos

    Responder
    • 47. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:54

      Prezada professora Ana Santos,
      Embora consideremos um procedimento invasivo e antipedagógico, não há ilegalidade nesses procedimentos.
      Bebel

      Responder
  • 48. Kel  |  21/03/2013 às 02:21

    Querida,presidenta!

    Gostaria de saber se a lei dos duzentos dias já caiu, pois entrei com mandado de segurança pela minha subsede e até agora não obtive exito.Obrigada.

    Responder
    • 49. apeoesp  |  21/03/2013 às 02:53

      Prezado professor Kel,
      Não caiu. É preciso aguardar a decisão judicial. A SEE promete mudar a lei, mas ainda demora.
      Bebel

      Responder
  • 50. oliveira.  |  21/03/2013 às 13:50

    HÁ 20 ANOS; OUÇO AS MESMAS REIVINDICAÇÕES…..E TUDO CONTINUA NA MESMA.

    Responder
    • 51. apeoesp  |  22/03/2013 às 09:40

      Prezado professor Oliveira,
      Não acredito mesmo que você pense desta forma. É verdade que as políticas são as mesmas e que a situação da educação estadual continua péssima sob os governos tucanos, porém não é verdade que nossa luta de nada serve. Do contrário, nossa categoria já estaria extinta e a escola pública fechada. Sinto muito, mas certas afirmações soam mais como pretextos para não participar da luta. Entretanto, outros lutarão, se arriscarão, e o resultado virá de toda forma.
      Bebel

      Responder
  • 52. Gullar  |  21/03/2013 às 15:10

    Eu sei da minhas angústias, por isso, se tiver que fazer greve de um homem só, eu serei este homem.
    Não há outra forma de luta!

    Responder
    • 53. apeoesp  |  22/03/2013 às 09:37

      Prezado professor Gullar,
      Certamente, milhares já pensam como voc~e. É preciso convencer outros milhares. E vamos fazê-lo.
      Bebel

      Responder
  • 54. Regina néri oliveira  |  21/03/2013 às 17:27

    Como assim os aumentos são CUMULATIVOS? Não entendi? Por favor, exemplifique! Pois entendo que cumulativo seja: primeiro ano 10% + segundo ano 10% + terceiro ano 10% + quarto ano 10% = 40%. Não seria isso?

    Responder
    • 55. apeoesp  |  22/03/2013 às 09:35

      Prezada professora Regina,
      Não. Cumulativo é um reajuste calculado sobre o anterior.
      Bebel

      Responder
  • 56. Arnaldo  |  22/03/2013 às 00:00

    ESTE ANO VAI TER O FAMOSO BÔNUS PARA ILUDIR NOVAMENTE OS PROFESSORES?
    QUANDO SERÁ PAGO?

    Responder
    • 57. apeoesp  |  22/03/2013 às 09:27

      Prezado professor Arnaldo,
      Sim, haverá o bônus. Ainda não sabemos quando será pago.
      Bebel

      Responder
  • 58. alessandro  |  22/03/2013 às 12:25

    Hoje devemos fazer o que o governo faz, estudar a melhor estratégia, o que o governo tem mais medo, eu acho apesar de não gostar de achismo, que é a não reeleição para o governo de São Paulo, Presidência da Republica devemos desde já fazer campanha contra o PSDB,greve funciona mas campanha para tirar, o governo do PSDB, funcionaria melhor que cada professor arrumasse 100 “parentes amigos filhos tio tia avo e etc, voto contra o PSDB e seus aliados, uma conta simples 100 X 50000 professores 5.000.000 de pessoas
    Tirar o PSDB É MAIS IMPORTANTE PARA O PROFESSOR AGORA DO QUE QUALQUER COISA.
    16 ANOS E ESSE GOVERNO CADA VEZ PIOR PARA EDUCAÇÃO.

    É a unica fala que o governo fala e pensa.
    Sem mais obrigado professor categoria O

    Responder
  • 59. Eduardo Heindl  |  22/03/2013 às 23:35

    Prof. Bebel gostaria de colocar abaixo um manifesto escrito pelo meu coordenador, da qual compartilho e concordo plenamente, veja:
    “Fico extremamente revoltado com o fato das pessoas julgarem sem conhecer. No programa agora é tarde, da band, com Danilo Gentille, ele fez um comentário mais do que infeliz, ao referir-se ao fato do aluno ter colocado uma receita de miojo na redação do ENEM. Ele diz : “se bem que vindo de escola pública me admiro muito não ser receita de Benzina para cheirar”. Uma fala de extrema falta de respeito com os milhares de alunos das escolas públicas que levam a sério o que fazem, que não fazem uso de nenhum tipo de droga. Uma fala que revela um preconceito latente com as classes mais baixas e com os alunos das escolas públicas, como se nas classes que tem acesso as escolas particulares os alunos fossem todos imunes a este problema social. temos muitos alunos excelentes nas nossas escolas, eles não merecem ser taxados dessa forma!”
    Por este motivo peço que a Apeoesp cobre deste cidadão um pedido de desculpas em rede nacional, pois isto nos afeta diretamente e eu como professor me sinto revoltado! Obrigado

    Responder
    • 60. apeoesp  |  24/03/2013 às 15:32

      Prezado professor Eduardo,
      Obrigada. Vou discutir na entidade a publicação de uma nota.
      Bebel

      Responder
  • 61. Vilma  |  23/03/2013 às 09:46

    Cara Bebel,

    Não compreendo a política salarial.
    Comecei em 8 de maio de 1991.
    Vou fazer 22 anos no Estado, mas estão descontando minhas licenças, então serão 20 anos agora em maio.
    Sempre dei as 33 aulas por causa da necessidade de sobrevivência.
    Meu salário base é 2007 reais, tenho 3 quinquênios, uma evolução, a primeira prova de mérito (25%), meu salario totaliza 2.500 reais com descontos. Alimentação, nem pensar…
    Pergunto: trabalhar todo esse tempo pra ganhar essa mixaria???
    será que realmente é só isso?
    Cabe uma revisão da ficha 100?
    Quem está começando agora está ganhando melhor que eu!

    Abraços

    Leia o link
    http://revistaeducacao.uol.com.br/textos/107/salarios-dos-professores-279028-1.asp

    Responder
    • 62. apeoesp  |  24/03/2013 às 15:24

      Prezada professora Vilma,
      De fato, acredito que você deva pedir uma recálculo do seu salário. A grande questão é que, infelizmente, por incrível que pareça, quando fazemos as contas descobrimos que nossos salários são muito baixos mesmo. Como os adicionais são calculados sobre uma base baixa, tudo o que advém se torna também irrisório.
      Bebel

      Responder
    • 63. Ana Santos  |  27/03/2013 às 01:44

      Prezada Vilma, boa noite! O meu caso é muito semelhate ao seu. Comecei em 1990, estaria completando 23 anos em março, mas em função de algumas licenças foram descontados 2 anos. atualmete eu recebo 4 quinquênios sexta parte, tb me encaixo no mesmo valor recebido pela prova de mérito. Ocorre que este ano uma remoção apareceu e entrou na minha frente. a pessoa tem 14 anos de tempo de serviço, não tem os mesmos méritos que eu, não possui títulos e ´passou na minha frente. Tenho certeza de que o cálculo da contagem de pontos está erada. Pedi revisão mas até agora ninguém, digo, secretaria da escola se mexeu. sinto-me injustiçada, mas vou até a última instância para requerer os meus direitos. Se eu não conseguir pela escola, passo para a diretoria de Ensino, o que será ainda pior, mas não me resta outra alternativa. somos muito mal pagos para estudar e preparar aulas, porém temos que “fritar o peixe olhando o gato” Se o professor tem que “ter dom”, segundo disse o nosso governador, creio que os gerentes e agentes escolares deveriam tê-lo também, pois errar a vida do professor é absurdo, no mínimo desrespeito. Estou muito desanimada e indignada pela situação em que se encontra essa falsa educação…

      Responder
      • 64. Vilma  |  27/03/2013 às 08:15

        Cara Ana, bom dia!
        Não dá pra compararmos os holerites porque são diferentes.
        A dificuldade começa aí, ficamos sem parâmetros.
        Os funcionários da escola não tem consideração com a vida funcional do professor, desde os inspetores que marcam as faltas. O ponto deve ser fiscalizado nos finais de cada mês, com certeza, no meu caso houve faltas até em períodos em que não trabalho. A secretaria da escola, por sua vez, deve ser cobrada, sim, em recontar nosso tempo, pois é nossa vida que alí está. Não espere respeito e/ou consideração por parte dos funcionários, não existe e a maioria é incompetente.Se a escola não atender, mande um e-mail para a ouvidoria da SEE, coloque o problema, eles cobrarão a sua DE que, por sua vez, cobrará a escola.
        Tive um problema com um documento que sumiu para fazer o terceiro quinquênio. Depois de telefonemas para outra cidade, idas em busca, um empurrando p/ o outro, perdi tempo, mandei o tal e-mail. Minha DE foi cobrada e o documento apareceu…na própria DE!
        Ana, somos apenas um número e nada valemos. Se há um caminho pra resolver nosso problema, façamos valer o nosso direito, doa a quem doer, mesmo para a direção da escola.
        Vou pedir a minha recontagem e agir assim como exponho a você. Abraços!

  • 65. oliveira.  |  24/03/2013 às 13:05

    BEBEL, POSSO TER ME EXPRESSADO DE UMA FORMA INCORRETA; QUANDO EU REFERI AS REIVINDICAÇÕES HÁ MAIS DE 20 ANOS É JUSTAMENTE QUANTO A POLÍTICA DO PSDB EM NÃO ATENDER NOSSAS REIVINDICAÇÕES. EU RECONHEÇO A LUTA DO SINDICATO; POIS . PARTICIPO DE TODOS OS MOVIMENTOS DA CATEGORIA; NA MINHA ESCOLA EU LUTO MUITO PELAS NOSSAS CONQUISTAS. ( EU REFERI MAIS SOBRE, QUESTÕES SALARIAIS, PLANOS DE CARREIRA….ETC. QUEIRA ME DESCULPAR.

    Responder
    • 66. apeoesp  |  24/03/2013 às 15:13

      Prezado professor Oliveira,
      Muito obrigada pelo esclarecimento. Me desculpe também pela forma como me expressei, mas temos que estar sempre atentos àqueles que procuram passar um ideia de que não vale a pena lutar,pois nada muda. Obviamente, não foi o seu caso.
      Bebel

      Responder
  • 67. ELAINE  |  25/03/2013 às 01:42

    Boa noite!
    Gostaria de saber se já tem data para o pagamento do bônus 2013,
    OBRIGADA.

    Responder
    • 68. apeoesp  |  26/03/2013 às 09:57

      Prezada professora Elaine,
      Não temos ainda informação sobre o assunto.
      Bebel

      Responder
  • 69. Vilma  |  25/03/2013 às 19:14

    Olá Bebel, sou categoria O, atribui aulas no dia 07/02 porém o contrato só saiu no D.O no dia 25/02 não recebi salário em março,será que recebo em abril referente a fevereiro?

    Responder
    • 70. apeoesp  |  26/03/2013 às 09:45

      Prezada professora Vilma,
      Procure o departamento jurídico na subsede para orientar-se sobre como proceder neste caso.
      Bebel

      Responder
  • 71. Elaine  |  26/03/2013 às 02:43

    Bebel,
    Boa Noite! mudando um pouco de assunto, gostaria de saber o que será feito contra o não cumprimento da Lei que implanta a lingua espanhola na rede pública e porque a lingua espanhola ainda não esta na grade curricular.
    Poucas são as escolas que a oferecem e quando isso acontece é no horario do contraturno e apenas para alunos de 1°ano, quando já deveriam ser para os três anos do ensino médio.

    Responder
    • 72. apeoesp  |  26/03/2013 às 09:33

      Prezada professora Elaine,
      A SEE alega que não há professores suficientes, mas também não estabelece políticas eficazes para resvoler o problema. Vou pedir ao departamento jurídico que estude um encaminhamento judicial que coloque essa questão em termos de resolução.
      Bebel

      Responder
  • 73. oliveira.  |  26/03/2013 às 19:21

    É UM ABSURDO TÃO GRANDE, QUE SE COMENTA , QUE O PROF. CATEGORIA F PASSE PARA A CATEGORIA O, SE A NOSSA LUTA É JUSTAMENTE O CONTRÁRIO. CATEGORIA F ´JÁ SÃO DIREITOS ADQUIRIDOS (ESTABILIDADE) ESSES TIPOS DE COMENTÁRIOS NÃO DEVERIAM NEM SER POSTADOS NESSE RESPEITOSO BLOG; COMO DISSE A PRESIDENTA: ISSO É DE PESSOAS QUE NÃO TEM O QUE FAZER, MAL INFORMADAS E MAL INTENCIONADAS.

    Responder
    • 74. MARILENA  |  01/04/2013 às 02:57

      Sabe Oliveira, creio também que Direitos adquiridos são conquistas, espero não prejudicarem ainda mais a vida professor……

      Responder
      • 75. apeoesp  |  01/04/2013 às 14:41

        Prezada professora Marilena,
        Não há fundamento em boatos sobre perde de direitos dos professores da categoria F.
        Bebel

  • 76. Lidia Soares  |  27/03/2013 às 00:01

    Olá Bebel!

    Sou cat F e tenho 12 aulas em substituição… gostaria de saber se eu posso desistir, e pegar 20 aulas livres em outra u.e? agradeço desde já a atenção… obrigada!!

    Responder
    • 77. apeoesp  |  27/03/2013 às 02:18

      Prezada professora Lidia,
      Não pode haver desistência de aulas, a não ser em casos excepcionais, justificados.
      Bebel

      Responder
  • 78. Benedito  |  28/03/2013 às 00:38

    Está chegando o momento da verdade, quem defende a greve , e quem diz defender a greve.A greve é uma necessidade dos professores frente ás mentiras do governo democrático Tucano e do secretário Ex reitor da Unesp, que dizia propor o diálogo com os professores nos pólos de debates promovidos por ele dizendo que queria entender o que estava acontecendo com a educação para poder consertar.Nestes período que esteve á frente da secretaria , este secretaria que gosta de ouvir professores, ;dividiu nossas férias, manteve a prova para atribuição de aulas, manteve a categoria O, em nível de contrato precário , não deu o reajuste combinado , que seria em torno de 13% mais a GAM, , 1/3 de horas atividades, que depois se transformou em uma aula por ano até que fosse cumprido o contrato da jornada, A
    s mentiras deste governo se estende para dentro das salas de aulas com professores AP, de português e matemática que vão a´s salas de aulas uma vez por semana para dar aula de reforço, um verdadeiro professor para-quedas que cais no meio de uma aula , sem saber o que está acontecendo,( embora defenda o direito desse professor trabalhar).Este é o momento da verdade , onde os homens se separam dos meninos, ou seja , onde aqueles que entendem de fato a necessidade de lutar e aqueles que dizem entender a necessidade de lutar, mas, só que….Este é o governo da mentira e o secretaria da mentira , só contou lorotas para os professores e ainda mantém os professores com as mãos estendidas esperando a migalhas de bônus este é o momento da verdade , e a verdade , a greve se constrói, não dá para esperar que todos estejam bem para fazer greve, greve fazemos quando há a necessidade ,embora aja gente que diga que não estamos prontos, nós estamos prontos sim , o que precisamos é firmeza e clareza dos diretores da APEOESP , para construir a greve, greve se constrói, ela não nasce pronta, ninguém acorda de manhã cedo e diz que ira fazer greve, a greve é um processo de enfrentamento de ideias, de interesses da própria categoria com os indivíduos , ou com os grupos, e que vais amadurecendo e evoluindo para uma grande greve á medida que a confiança do professor aumenta ao ver que sua vontade de greve é defendida pela maioria das pessoas. Enquanto aquele professor que è CR, diretor do sindicato mostrar medo a categoria não vai, os diretores e CRs da APEOESP precisam perder o medo e serem mais ousados, e é assim que se separa os pequenos dos grandes.Vamos á greve!

    Responder
    • 79. apeoesp  |  28/03/2013 às 09:49

      Prezado professor Benedito,
      Decida agreve, a orientação da diretoria é para que todos os diretores, CERs, REs e RAs trabalhem nas escolas e nas regiões para torná-la realidade. A contribuição de todos os professores é fundamental neste sentido.
      Bebel

      Responder
  • 80. Antonio Carlos  |  28/03/2013 às 18:38

    Boa tarde,

    Primeiramente quero parabenizar seu trabalho como presidenta de nosso sindicato… Desejo-lhe muita força e saúde na luta pelos nossos direitos…
    Uma dúvida: Você pode me informar o número de faltas permitido ao professor categoria O (falta abonada, justificada, injustificada, médica e licença médica). Peço ainda que cite a lei (ou leis) na qual constam estes números…

    Obrigado…

    Responder
    • 81. apeoesp  |  29/03/2013 às 19:41

      Prezado professor Antonio Carlos,
      Muito obrigada.
      Quanto às faltas:
      Lei 1093/2009
      Artigo 13 – Serão consideradas como dias trabalhados as ausências do contratado em virtude de:

      I – casamento, até 2 (dois) dias consecutivos;

      II – falecimento de pais, irmãos, cônjuge, companheiro ou filhos, até 2 (dois) dias consecutivos;

      III – serviços obrigatórios por lei.

      Artigo 14 – O contratado poderá requerer o abono ou a justificação de faltas, observadas as condições estabelecidas em decreto.

      Artigo 15 – As faltas abonadas e as consideradas justificadas pela autoridade competente não serão computadas para os fins do inciso IV do artigo 8º desta lei complementar.

      Decreto 54.682/2009:
      Artigo 18 – O contratado que no prazo de vigência do contrato faltar ao serviço poderá requerer o abono ou a justificação da falta.
      § 1º – Para fins do disposto no “caput” deste artigo, deve o contratado apresentar requerimento por escrito no primeiro dia útil subsequente ao da ausência, para deliberação da autoridade competente.
      § 2º – As faltas abonadas, até o limite de 2 (duas), durante o período contratual, não excedendo a uma por mês, não implicarão em desconto da remuneração.
      § 3º – As faltas justificadas, até o limite de 3 (três), durante o período contratual, não excedendo a uma por mês, implicarão na perda da remuneração do dia.
      § 4º – As faltas abonadas e as consideradas justificadas, pela autoridade competente, não serão computadas para os fins do disposto no inciso IV do artigo 8º da Lei Complementar nº 1.093, de 16 de julho de 2009.
      § 5º – A ausência do contratado será considerada falta injustificada ao trabalho no caso da não apresentação do requerimento de que trata o §1º deste artigo.

      Bebel

      Responder
      • 82. Antonio Carlos  |  05/04/2013 às 18:40

        Obrigado pela resposta Bebel,
        Apenas mais uma dúvida: Quanto ao número de faltas médicas, sabe me informar e a base legal (estou tendo problemas com a secretária da minha escola)…

        Mais uma vez, obrigado pela resposta e continue com forças para nossa luta…

      • 83. apeoesp  |  07/04/2013 às 15:29

        Prezado professor Antonio Carlos,
        A lei complementar 1041/08 limita o número de faltas médicas a seis por ano.
        Bebel

  • 84. maria aparecida souza  |  30/03/2013 às 13:54

    BEBEL EU ME EFETIVEI EM 2012 POSSO IR LÁ NA APEOESP PEDIR P VCS ENTRAREM NA JUSTIÇA E REQUERER A JORNADA DE 40 HS POIS QUERO MINISTRAR SÓ 26 AUALS TÁ MUITO CORRIDO ANUM TO CONSEGUINDO DA CONTA, MORO HA´24 K, DA ,MINHA CASA. BJS FELIZ PASCOA

    Responder
    • 85. apeoesp  |  30/03/2013 às 16:50

      Prezada professora Maria Aparecida,
      Sim, você pode ingressar com ação individual.
      Bebel

      Responder
  • 86. MARILENA  |  01/04/2013 às 02:50

    Bebel……. Afinal categoria F ,,,vai deixar de ter seu direito adquirido? isso é de +…. conquista de um lado e perda de outro sempre tivemos….. Creio que devem ajudar sim os de Categoria O mas, não prejudicar conquistas. Até alunos ingressantes este ano da faculdade estão dando aulas e aí direitos iguais? ou será que vão terceirizar a educação? Tudo se pode esperar….desse PSDB .. PROVINHAS só p/ quem realmente trabalha ?
    Afinal direito adquirido pode ser retirado? Tantas lutas para nada?

    Responder
    • 87. apeoesp  |  01/04/2013 às 14:40

      Prezada professora Marilena,
      Há boatos sem fundamento circulando sobre perda de diretos dos professores da categoria F. Nada a ver.
      Bebel

      Responder
  • 88. Benedito  |  04/04/2013 às 10:47

    Penso que para quem está em início de carreira não pode se conformar com este salário de 1.500.00 e achar que está bom, e em se tratando de pai de família e de quem está na sala de aulas 15 ou 20 anos muito menos! Não podemos nos esquecer que a luta é principalmente par que o governo fora da lei cumpra com 1/3 de horas atividades, o que nos sobraria tempo para fazermos outras coisas além de prepararmos nossas aulas e corrigirmos provas.Acho que a greve precisa ser construída e todos os contentes e descontentes podem contribuir para a melhora, em primeiro lugar, é apoiar e incentivar e participar da greve e apoiar quem vai fazer a greve. Em segundo lugar, não criticar quem está em greve; em terceiro lugar ajudar a fazer o debate de quanto este governo arruinou com a educação e em quarto lugar precarizou os contratos dos professores e isto já é motivo mais que suficiente para a greve.Creio que o medo de sermos usados ele é real , existe , mas existe também a política deste governo que está acabando com a vida dos professores, que estão em sala de aulas doentes, endividados etc, penso que estas coisas tem que falar mais alto.Para mim, a greve de 2010 foi um marco importante da luta do professor e ela em que pese as mancadas e vacilos da diretoria do sindicato, ela conseguiu levantar a cabeça do professor, nos dias de greve , se via o olhar do professor brilhar seu orgulho estava em alta, diferente do de hoje olhar opaco , olhar de tristeza , olhar de boi indo para o matadouro.penso como um ditado gaúcho que diz”não te entregues nem que as calças caia” No entanto nem bem o governo bateu o pé e tem gente arriando as calças.LEVANTA A CABEÇA PROFESSOR , NÃO SE DEIXE TANGER FEITO GADO!

    Responder
    • 89. apeoesp  |  05/04/2013 às 17:02

      Prezado professor Benedito,
      Sim, o sindicato está encaminhando a greve. A direção da APEOESP propôs a greve como alternativa de luta, que foi aprovada na III Conferência Estadual de Educação, em dezembro de 2012. Agradecemos sua contribuição e lembramos que as orientações para a greve tem sido divulgadas pelos boletins do sindicato, neste blog e por outros meios. Deixo de lado sua observação sobre supostas mancadas e vacilos do sindicato, pois isto é uma visão subjetiva. O que importa, mesmo, é estarmos unidos na luta.
      Bebel

      Responder
  • 90. Rose Marie Rodrigues Martinelli Viscaino  |  04/04/2013 às 17:23

    Bebel
    Sei que toda greve tem risco e sei também que quanto maior a adesão mais fortes ficamos. Tenho,junto com outros colegas professores, conversado muito com nossos companheiros e a resistência à greve está sendo enorme,principalmente da categoria O. No entanto muitos colegas professores me perguntam:quais os procedimentos burocráticos que temos que fazer para garantir nosso direito à greve? E a categoria O, como deve proceder? É necessário protocolar algum documento na escola? E se rescindirem o contrato do O por causa das faltas da greve? No ano passado eu consegui uma grande adesão de professores para a greve dos 3 dias pelo piso. Nós não pudemos repor e carregamos estas 3 injustificadas. Meus colegas me cobram e estão também desmotivados para esta greve devido principalmente a este fato. Preciso de ajuda…não está sendo fácil e não estou vendo êxito neste meu trabalho de ajuda na construção da greve.
    Abraços

    Rose Marie

    Responder
    • 91. apeoesp  |  05/04/2013 às 15:24

      Prezada professora Rose,
      Vamos divulgar ainda hoje boletim sobre o direito constitucional à greve e os procedimentos que os professores, sobretudo da categoria O, devem tomar para assegurar este direito. Quanto à reposição e o pagamento das aulas, isto está diretamente ligado à força da greve e à nossa união, pois será objeto de negociação.
      Bebel

      Responder
  • 92. Rose Marie Rodrigues Martinelli Viscaino  |  04/04/2013 às 17:30

    Não seria possível criar uma “cartilha” para ajudar os REs nesta preparação da greve? Ela teria umas respostas para as perguntas mais comuns que os colegas professores falam e também tópicos para ajudar quebrar resistências ( Exs. Não entro em greve porque a categoria é desunida, não entro em greve porque na minha escola ninguém entra, não vou entrar porque vou perder a L. Prêmio, não entro porque o sindicato não resolve nada, entre outras.
    Obrigada,
    Rose Marie

    Responder
    • 93. apeoesp  |  05/04/2013 às 15:22

      Prezada professora Rose,
      É uma boa ideia. Vou determinar que seja encaminhada.
      Bebel

      Responder
  • 94. Denis  |  06/04/2013 às 22:24

    Eu sou muito a favor da greve. Mas vcs não sabem fazer greve. Passei o meu ensino médio inteiro com os professores fazendo greve, que durava um mês e acabava, sem conseguir o que queriam. Tem que fazer greve e ficar.de grrve até as reinvidicações serem atendidas, até trazer o povo pro nosso lado. Agora fazer greve e voltar tudo ao normal depois de um mês sem que as exigências tenham sido aceitas passa a impressão qie vcs só fazem greve pra fazer baderna e falar mal de político.

    Responder
    • 95. apeoesp  |  07/04/2013 às 15:42

      Prezado Denis,
      Poucas foram as greves do magistério que terminaram sem o atendimento de qualquer reivindicação. Muitas vezes este atendimento, parcial é verdade, veio depois de algum tempo, mas não aconteceria se a greve não tivesse existido. Coimo resultado da greve de 2000, conseguimos a instituição da Gratificação Por Trabalho Educacional, GTE, embora nossa reivindicação fosse de reajuste salarial. Também criou condições para que não houvesse a reforma do ensino médio, que reduziria disciplinas e prejudicaria estudantes e professores. A greve de 2010 resultou na instituição, meses depois, do plano de reajustes anuais até 2014. Não atende plenamente nossas reivindicações, ma impede que os salários continuem perdendo da mesma forma. Agora, queremos a reposição das perdas acumuladas, pois nossa base salarial é muito baixa. As greves realizadas na década de 1990 sempre resultaram em algum ganho para a categoria. Vale, sim, a pena lutar.
      Bebel

      Responder
  • 96. Wagner  |  14/04/2013 às 17:35

    Bebel, passa governo e vem governo e o que se percebe que é estes secretários de educação são apenas pessoas decorativas, nunca negociam nada de concreto com a categoria que acaba sempre tendo que recorre as greves para buscar alguma conquista por menor que seja. Este secretário que aí está hoje comandando a pasta é um exemplo claro disto. Agora falando como cidadão pagador de impostos e não mais como professor, proponho ao governador que só pensa em reduzir custos não se impotando que prejuízo causará a população, que ele conseguiria uma redução de custos ainda maior na educação se trocasse esse senhor por um “CONE”, afinal a educação nesse governo tem caminhado de mau a pior,e ele tem sido incapaz de fazer qualquer movimento para resgatá-la, logo, se el adotasse essa idéia o máximo que poderia acontecer seria continuar tudo como está; caminhando dia após dia para mais perto do fundo do poço, ou acabar melhorando pela própria boa vontade de nós professores….

    Responder
    • 97. apeoesp  |  15/04/2013 às 16:13

      Prezado professor Wagner,
      Por estas razões, temos que dar uma resposta contundente, e a greve é esta resposta. Feche sua escola, chame os colegas, e vamos fazer uma grande assembleia na Paulista no dia 19/04.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,803,210 hits

%d blogueiros gostam disto: