Carta aberta ao secretário de educação do estado de São Paulo, Herman Voorwald

27/04/2013 at 10:16 42 comentários

Colaboração de nossa leitora, professora Lais Viajante

São Paulo, 26 de abril de 2013.

Estamos nós, professores, neste dia, reunidos a fim de tentar mais uma vez assegurar que direitos básicos nossos e daqueles que são assistidos por nós, alunos, sejam cumpridos. Poucas são as pessoas que tem a oportunidade de ocupar um cargo público de tanta responsabilidade e prestígio, como o que o senhor ocupa neste momento. Será que o senhor tem consciência de que toda decisão sua, está diretamente ligada aos inúmeros destinos de crianças e adolescentes de nosso estado?

Não se trata aqui, de uma luta de classes, do empregado (professores) versus patrão (Estado), se trata, sobretudo, de uma força motriz capaz de mudar toda estatística, em todos os níveis mais preocupantes, nas próximas décadas. Paulo Freire em seu livro A pedagogia da autonomia confirma: “O professor tem o dever de dar suas aulas, de realizar sua tarefa docente. Para isso, precisa de condições favoráveis, higiênicas, espaciais, estéticas, sem as quais se move menos eficazmente no espaço pedagógico. As vezes as condições são de tal maneira perversas que nem se move”. E é isso, o que pedimos enquanto classe… condições favoráveis para o nosso exercício profissional.

Há um programa estrangeiro de televisão que se chama UNDERCOVER BOSS, ou o chefe espião. A dinâmica desse programa se baseia na experiência que o dono, o responsável, o administrador principal, o prefeito de uma cidade, vai adentrar-se entre os seus funcionários a fim de descobrir o que se passa de fato, nos bastidores da empresa ou como é o caso, entre os servidores. Nesse programa, o chefe espião, passa a exercer temporariamente os diversos cargos, oferecido pela empresa ou a administração, a fim de que ocorra a inversão de papéis e a possibilidade daquele sentimento tão esquecido: a empatia, isto é, o colocar-se no lugar do outro. O resultado é que todas as vezes, em que o programa foi exibido, o chefe espião, se dava conta de quão levianas, as decisões que ele tomava na sala de reuniões, se tornavam diante da realidade. Seria uma excelente ideia, que o senhor, despido de seu cargo de secretário, atuasse um dia na pele de um servidor público, na educação. Estaria, o senhor Herman Voorwald disposto a se tornar um chefe espião? Teria o senhor coragem o suficiente para ser professor por um dia? Teria o senhor coragem o suficiente para ser professor eventual por um dia? Estaria o senhor aberto a essa possibilidade de ampliar o seu campo de visão além daquilo que o seu cargo como secretário lhe permite receber como remuneração no quinto dia útil? Estaria o senhor aberto a possibilidade de enxergar a educação, estando de fato, dentro dela? O senhor se dá conta, de que os professores do estado de São Paulo representam o capital humano a que o senhor tem obrigação de potencializar? Senhor Herman Voorwald, o quanto o senhor entende de educação além das decisões que lhe são submetidas a apreciação pelo seu chefe de gabinete Fernando Padula? Sob que efeito gerador são tomadas as decisões realizadas em sua secretaria? Teria ela como base, apenas os efeitos de receita, os efeitos na fazenda, os efeitos financeiros? Se é isso o que se dá na sua mesa de reuniões, fica claro, que pouco se entende de educação… Por que entender de educação é compreender que as decisões a serem tomadas, devem considerar acima de qualquer coisa, o fator humano, em todas elas!

Nas suas aparições, não se nota absolutamente nenhuma preocupação com o capital humano que a sua secretaria tem que gerir. Infelizmente, o ethos da SEE, enquanto órgão que administra a educação em nosso estado transmite a pior ideia que se tem a respeito da profissão professor. Nada é feito em termos de incentivo. Não há diálogo com a classe e nem transparência na gestão de recursos financeiros e prestação de contas. Na administração da SEE no estado de SP, não existe prestação de contas. Vamos aos números: Quais foram as empresas contempladas para a produção do caderno do aluno nestes anos? Quanto foi gasto especificamente? Quanto dinheiro foi lavado? As escolas contempladas com reforma completa e com reforma da quadra tiveram que aturar obras mal feitas e com material de baixa qualidade. Que empresas foram essas? Quanto foi superfaturado em cada azulejo de péssima qualidade colocado nas escolas? Qual é a fatia do bolo que cada empresa leva por escola? Os alunos recebem no inicio do ano o kit escolar, quem é a empresa que fornece cada lápis? O lápis é o pior, da mais baixa qualidade, nenhum se aproveita nos kits. Quem pagou quanto por cada lápis e a quem? A matemática é simples: O dinheiro público vai para o ralo, porque a SEE pouco se importa. Nos órgãos da SEE, quantos são os cargos de confiança? Quem são os prestadores de serviço terceirizados e quanto recebem pelos serviços prestados? Não é de hoje, senhor secretário que os professores sabem das ilegalidades cometidas pela SEE. Chalita que o diga. Quando que a SEE vai parar de dar esse suposto jeitinho brasileiro para mascarar os problemas de nossa educação? Quando os assessores de imprensa da SEE serão francos diante da realidade escolar? A SEE paga milhões a prestadores de serviço e não investe no capital humano, que é o professor. Esses cursinhos que a EF propõe aos professores, são financiados como e por quanto?

Queremos mais! Queremos que toda educação seja pensada pelo ponto de vista do BEM ESTAR SOCIAL. Professor, precisa de ócio criativo. Precisamos de tempo. Precisamos que a jornada do piso, seja colocada em prática sem subterfúgios e discursinhos amarelados em apresentações de ppt, como a que vimos em 2012! Senhor secretário, joga na real! A gente sabe, que o senhor é marionete do Fernando Padula, o qual entra e sai governo, permanece com a posição intacta. Precisamos de oportunidades reais para ascender em nossa jornada. Nem o senhor, que parece não gostar muito de comer (tão magrinho!) vive com nosso salário. E o salários dos agentes de organização escolar… nem se fala, então! E não fale mal do sindicato, viu?

Precisamos que a SEE, também seja avaliada do ponto de vista técnico. Quem garante que a SEE sabe o que está fazendo? Muita gente da SEE, precisa se aposentar, a educação precisa de sangue novo! Precisamos que nossos professores, categoria F e O, sejam respeitados como os de categoria A. As faxineiras da escola, possuem um contrato de trabalho mais digno do que os professores da categoria O. Precisamos ter um salário que nos permita vivências estéticas e culturais! O senhor já procurou se informar sobre o número de professores do estado de São Paulo que recorrem a empréstimos consignados em folha? Por que isso acontece? Atente-se a essa problemática crescente! É um problema sério para o qual o senhor deveria estar atento, já que incide de forma negativa na qualidade de vida dos seus professores! Não dá para pensar em qualidade na educação se a vida do professor, é marcada de forma diferente. E além disso, saiba que apesar de necessitarmos ainda de convênios particulares, o IAMSPE é nosso! Se possível for, gostaríamos que o senhor duplicasse o valor do vale coxinha e o estendesse para todos os professores, é claro! Enfim, dê mais sua cara pra bater, no sentido de mostrar serviço e faça essa SEE trabalhar, porque ultimamente daí, não tem saído nada criativo e nem digno de nota e nós estamos cansados desses mandos e desmandos e resoluções e carinhas felizes de emoticons! Atenciosamente.

Seus professores e cordiais servidores da educação.

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Agora estou também no facebook: www.facebook.com/maria.i.noronha.5 Moção pela homologação do Parecer CNE/CEB nº 18/2012

42 Comentários Add your own

  • 1. Elza de Lima  |  27/04/2013 às 11:48

    Belo texto!!! Estou aposentada há 4 anos e lembrei-me de algo, qdo em função e ia fazer cursos em outras cidades, levava uma marmita de comida pois oque ganhava não dava o luxo de alimentar-me em um restaurante e agora que aposentada nem vale refeição tenho, acho que os governantes acham q professor aposentado não se alimenta, afinal de contas já prestei serviços mesmo ao Estado e agora dane-se se estou velha e nem plano de saúde digno tenho, O professor qdo aposentado teria q ser indenizado isso sim, por ter trabalhado por 25 anos,sem direito a licença saúde pois se a tirava não recebia bônus e hoje jogado ao acaso!!!!kkkkkk é digno mesmo de risos senhor secretário da educação. O que me espanta é que muitos professores não aderem a greve pois têm medo de represálias, Sei bem oque é isso, mas se não houver luta não haverá Vitória!!!!

    Responder
  • 2. Prof° Oswaldo  |  27/04/2013 às 13:33

    Bom dia! Brilhante texto da Professora Laís, traduz, de maneira clara, o sentimento de nossa classe, o secretário precisaria ler, mas duvido que lerá, ele nesse momento está reunido com sua cúpula pensando, no que fazer para desestabilizar a greve, pois esta já começa a incomodá-lo, já desmarcaram a “importantíssima” reunião do SARESP prevista para o dia 30/05, com medo da repercussão da greve. Em relação ao que a professora escreveu, eu apenas acrescentaria, que ao invés de um dia como professor ele passasse um mês, e que neste recebesse o salário equivalente ao nosso e tentasse viver o mês seguinte somente com ele, garanto que a partir daí ele iria encarar nossos problemas de forma bem diferente. Parabéns professora Laís!!!!

    Responder
  • 3. sergio  |  27/04/2013 às 13:33

    Parabens pela carta bebel.

    Responder
    • 4. apeoesp  |  27/04/2013 às 18:00

      Prezado professor Sérgio,
      Parabenize a nossa colega professora Lais Viajante. Apenas publiquei.
      Bebel

      Responder
  • 5. Marina  |  27/04/2013 às 15:27

    Muito bem Lais estamos cansados de tantos descasos que não atinge só professores mas sim a uma sociedade inteira, isso que este monstro tem feito conosco é inaceitável,pois ele é culpado até pelas violências ocorridas no chão das escolas, finge que não sabe ele pretende que cada um de nós ,alunos e outros saiamos para rua armados para combater esta atracidade que eles(politicos malditos e governadores,secretários e marionetes do governo) vem praticando contra nós,depois que isso ancontecer aí vão querer nós crucificar como fizeram com o professor Tanhão de Diadema. E diante do que esta nos acontecendo hoje não da só para nos contentarmos em bater nesse safado.desculpe o desabafo mas estou no meu limite com essa atracidade coletva.Estou me sentindo como o menino do filme O Garoto de pijamas listrado indo direção à camara de gás .Mas ainda estou conseguindo lutar.Desculpem alguns erros mas não dá nem pra raciocionar de forma racional com tudo isso.´

    Responder
  • 6. Marina  |  27/04/2013 às 15:32

    Não da para aguentar isso parado,calado ,apaticos,isso é ruina,morte coletiva pelo Amor de Deus ou sei lá de quem vamos para luta contra esse caos social.Vaaaaaaaammooooooooooooosssssssssss!!!!!!!

    Responder
  • 7. Ana Santos  |  27/04/2013 às 18:15

    Excelente, excelente, excelente texto! Sinta-se aplaudida professora!! Coragem e opinião é tudo que precisamos nesta sociedade pacata que desconhece a força da palavra porque os valores se inverteram! O sindicato deveria publicar este texto nos principais jornais e sites, pois ele diz a verdade e chega a arrepiar pela emoção!!! Parabéns!

    Responder
  • 8. rosa  |  27/04/2013 às 20:59

    Parabenizo a professora por falar em nome de cada um de nós professores.
    Não podemos nos curvar diante de tantas injustiças, diante da incerteza do amanhã, pois a cada ano que passa temos um jugo maior imposto a nós.
    A nossa greve precisa ganhar mais força. E por falar na greve Bebel, leciono em uma unidade escolar, em Campinas, onde somente eu e um colega aderimos à greve, os demais simplesmente “torceram o nariz” para nós como se fossemos inimigos.
    Há várias escolas que os professores ignoram a existência da greve, tenho feito de tudo para divulgá-la. Os comandos aqui precisariam ser mais intensificados, não quero com isto dizer que não estão trabalhando, pois sei do esforço de cada um e, na segunda-feira estarei me unindo a eles.
    Por ser Campinas uma grande cidade com muitas escolas, não seria o caso de pedir socorro aos professores de cidades próximas onde há maior participação dos mesmos para nos ajudar aqui? Poderia também realizar um grande ato em que você pudesse estar presente, isso faria uma grande diferença.

    Responder
    • 9. apeoesp  |  28/04/2013 às 12:05

      Prezada professora Rosa,
      A ideia é ótima. Por favor, Procure a subsede da região e proponha diretamente à coordenação e ao comando de greve a realização dessas atividades. Você obtem o telefone em http://www.apeoesp.org.br.
      Bebel

      Responder
  • 10. jefferson simoes  |  27/04/2013 às 21:01

    Presidenta boa tarde, aqui em Monte Alto ma Escola Nelly Badhur Cano, os professores de greve estão sendo substituído por professores categoria “O”. Pergunta se na terça feira os professores de greve não entregar as notas ira atrapalhar o calendário escolar?

    Responder
    • 11. apeoesp  |  28/04/2013 às 12:03

      Prezado professor Jefferson,
      Respondo-lhe apenas que professor em greve não entrega notas.
      Bebel

      Responder
  • 12. anderson rizzutti  |  27/04/2013 às 21:48

    excelente texto

    Responder
    • 13. apeoesp  |  28/04/2013 às 12:02

      Prezado professor Anderson,
      Obrigada, em nome da autora.
      Bebel

      Responder
  • 14. prof. Reginaldo  |  27/04/2013 às 23:49

    Recentemente conversei com a supervisora, que aliás nunca a vemos atuando nas escolas (apenas a percebemos quando cobra índices quantitativos indiretamente); e, ela disse com todas as letras que quer ACABAR COM O PERÍODO NOTURNO EM DEFINITIVO. Disse que essa é a política do momento na SEE. Que engraçado, pois esse pessoal que ganha sem fazer ABSOLUTAMENTE nada e, só faz “puxar o saco” do governo agora têm como meta destruir o “ganha pão” suado que mantêm muitos professores (e os do noturno estão entre os melhores) na ativa. Bando de vagabundos profissionais!

    Responder
    • 15. apeoesp  |  28/04/2013 às 12:02

      Prezado professor Reginaldo,
      Creio que os professores devem se unir aos pais e aos estudantes para que não acabem as salas do noturno, pois muitos estudantes-trabalhadores só tem essa oportunidade de estudar.
      Bebel

      Responder
  • 16. Silzana  |  28/04/2013 às 04:22

    Parabéns Bebel e… minha amiga Laís V. Viajante…de S…tomara que eles leiam…vamos a luta…

    Responder
    • 17. Luciana  |  28/04/2013 às 23:02

      Parabéns pela carta!
      Preciso de uma informação … Prof. Cat. O pode acumular cargo de professor na prefeitura?
      Fui informada pelo secretario da escola que nao e possível pelo tipo de contrato da cat. O.
      Será que e isso mesmo?
      Preciso mto dessa informação….

      Responder
      • 18. apeoesp  |  29/04/2013 às 10:05

        Prezada professora Luciana,
        Obrigada em nome da autora, professora Lais Viajante.
        Quanto a sua pergunta, creio que não exista restrição, mas sugiro que ligue para 11.33506214 para ser melhor informada.
        Bebel

  • 19. Alexandre  |  28/04/2013 às 14:01

    Excelente texto, parabéns Lais!

    Responder
  • 20. Elsa  |  28/04/2013 às 15:58

    Dados Explicativos
    Para descobrir o preço do caderno do aluno fornecido pela secretaria de educação do Estado de São Paulo tivemos que recorrer ao preço de Xerox popular e ao site mercado livre, porque não encontramos divulgação oficial.
    Xerox colorido; R$9,80 a R$ 12,50
    Mercado Livre; R$6,00
    Consideramos então que o preço pago pelo governo pode ser algo entorno de R$5,00. Número de alunos do Ensino Fundamental II 2.447.074. Número de alunos do Ensino Médio 1.588.819. Ambos da rede Estadual de São Paulo. Censo escolar 2012 (dados oficiais) http://www.educacao.sp.gov.br
    Ensino Fundamental II
    O currículo oficial do Ensino Fundamental II do Estado de São Paulo possui oito (8) disciplinas, portanto cada aluno recebe oito cadernos do aluno por bimestre, sendo quatro bimestres por ano, cada aluno do Ensino Fundamental II recebe um total de 32 cadernos do aluno por ano. Multiplicando pelo número total de alunos da Rede.
    2.447.074 x 32 = 78.306.368 Cadernos do Aluno por ano.
    Considerando que cada Caderno do Aluno custou R$5.00, o Estado gastou em apenas um ano e só com os Cadernos do Aluno para o Ensino Fundamental II.
    R$ 5 x 78.306.368 = R$ 391.531.840,00
    2.447.074 alunos do Ensino Fundamental II estão divididos em grupos médios de 35 por sala de aula, totalizando 69.917 salas de aula.
    Ensino Médio
    O currículo oficial do Ensino Médio do Estado de São Paulo possui doze (12) disciplinas, portanto cada aluno recebe doze cadernos do aluno por bimestre, sendo quatro bimestres por ano, cada aluno do Ensino Médio recebe um total de 48 cadernos do aluno por ano.
    Multiplicando pelo número total de alunos da Rede.
    1.588.819 x 48 = 76.263.312 Cadernos do Aluno por ano.
    Se considerarmos que cada Caderno do Aluno custou R$5.00, o Estado gastou em apenas um ano e só com os Cadernos do Aluno para o Ensino Médio.
    R$ 5 x 76.263.312 = R$ 381.316.560,00
    1.588.819 alunos do Ensino Médio estão divididos em grupos médios de 40 por sala de aula, totalizando 39.721 salas de aula.
    Queremos deixar claro que não somos contra o Caderno do aluno, porém os próprios orientadores afirmam ser apenas um caderno de atividades e não apostilas. Achamos que estes valores exorbitantes podem ser gastos de forma que beneficie muito mais a Educação Pública do Estado de São Paulo.

    Responder
  • 21. Hélio  |  28/04/2013 às 20:32

    Texto maravilhoso, conseguiu expressar tudo que gostaríamos de falar na cara do secretário, mas este não tem coragem de vor até nós. É tudo isso que nós professores pensamos, e não o que esse senhor escreveu no site da SEE, dizendo que nós professores entendemos e acatamos a política da secretaria, pois 90% do professorado está trabalhando, quase tive uma síncope quando li tamanha infâmia! Covarde! Por que não desce do trono revestido de couro e sala bem refrigerada e vem aqui falar isso na cara da gente!
    As palavras da nobre colega Laís, com a mais absoluta certeza, é a palavra da nossa classe.
    Só para terminar, tb gostaria muito de saber por quanto comprar estas apostilas de baixíssima qualidade, como tudo, mesmo pq recebemos livros didáticos de altíssima qualidade do governo federal, escolhidos por nós – professores. Por que gastar o dinheiro do governo estadual com esse material de péssima qualidade, se já temos material pago pelo governo federal?

    Responder
    • 22. apeoesp  |  30/04/2013 às 00:57

      Prezado professor Hélio,
      Agradeço em nome da professor Lais.
      Quanto às apostilas, também considero um desperdício, mas como amplamente denunciado, o governo estadual favorece alguns parceiros.
      Bebel

      Responder
  • 23. alessandro  |  29/04/2013 às 01:07

    no site da apeoesp tem uma assinatura eletrônica a favor da categoria o pois eu como representante da escola, sempre que vou nas reunião de representante falo na reunião que melhor que greve deveria também fazer uma carta aberta para o governador dizendo o que queremos exemplo cinco coisa prioritária e pedir aos professores arranjar 100 assinatura em um abaixo assinado na mesma carta aberta, pois somos muitos professores 100 assinaturas por professores assustará o governador.

    Responder
    • 24. apeoesp  |  29/04/2013 às 10:02

      Prezado professor Alessandro,
      Obrigado pela sugestão. Vou levar para discussão no sindicato.
      Bebel

      Responder
  • 25. Jr.  |  29/04/2013 às 02:14

    Bebel, parabéns pela carta à SEE.

    Pena que essa carta não irá sensibilizar JAMAIS o Sr. Herman, os demais membros da alta cúpula da Secretaria, tampouco o Sr. Governador. Só não concordo com a sua afirmação de que a faxineira da escola tem condições mais dignas de trabalho que os professores categoria O. Não é verdade. Os Agentes de Serviços Escolares, efetivos, que ainda estão na rede, ganham mal, menos até que os AOE. Recebiam um adicional de insalubridade que ajudava a amenizar o parco provimento, que agora a SEE vem cortando, pois com a terceirização que vem ocorrendo na rede, estes estão deixando de trabalhar na limpeza, indo para o preparo da merenda, onde, segundo o entendimento da SEE, não fazem jus a receber esse adicional. E por falar em terceirização: as empresas que estão entrando para prestar serviços de limpeza geralmente tem contrato com a SEE por um ano. Nesse período, se perderem a licitação, pegam seu boné e vão embora. Como geralmente o empregador não é obrigado a dispensar o empregado para que este vá trabalhar na empresa que ganhou, o funcionário tem que pedir demissão para entrar na vencedora, se quiser continuar trabalhando. Com isso, deixa de receber férias, etc., de usufruí-las, já que geralmente são poucas pessoas que trabalham, para não onerar o lucro das empresas, e ficam acabadas. Sei muito bem disso, pois minha esposa trabalhou em três empresas, por três anos consecutivos, sem poder usufruir sequer de dez dias de férias. Para terminar, a SEE tem contratado Agentes de Serviços Escolares em municípios onde a merenda não é descentralizada, e ainda não terceirizada, como categoria “O” igualmente aos professores, e com um agravante: pro caso de função não-docente, é duzentena mesmo. Ou seja, todos nós que trabalhamos na SEE, sejam os Professores, os Diretores, os Agentes de Organização Escolar, os Secretários de Escola (meu caso, que entrou na lista de protegidos pelo IBAMA), estamos todos no mesmo barco.

    Responder
    • 26. apeoesp  |  29/04/2013 às 09:55

      Prezado Jr.,
      Quem merece os cumprimentos é a professora Lais Viajante, autora da carta. Agradeço por ela.
      Sim, estamos todos na mesma luta e o apoio da sociedade é fundamental para mudar a atual situação.
      Bebel

      Responder
  • 27. claudia  |  29/04/2013 às 14:27

    Parabéns a autora Profª Lais Viajante!!! Vale ressaltar que os atos de violência, hoje praticados por menores, são frutos ( ou crias ) do governo PSDB, que alimenta, cada vez mais, a degradação da educação e dos valores sociais!!! Não assume a própria culpa e a atribui aos professores. A educação cabe a família, a escola cabe a formação!!! Sinto que a greve atual tem força, mais precisamos nos unir mais!!!! Não ao SARESP!! NÃO AO BONUS!!! Se os índices são importantes vamos derrubá-los!! Abçs e vamos a luta!!!!

    Responder
  • 28. Éliton Dias  |  29/04/2013 às 14:43

    Bebel, na sexta-feira, lá em frente a sec. de educação. Você pediu o apoio dos seus eleitores, e não se ouviu nada. Sabe por que? Porque eles não estão em greve! Não estão atuantes! Falo isso pelo que vejo aqui em Marília. RE’s ligados à CTB e ArtSind estão todos dando aula normalmente. 😉

    Responder
    • 29. apeoesp  |  30/04/2013 às 00:55

      Prezado professor Éliton Dias,
      Não existe greve unânime, mas existirá uma greve cada vez mais forte se todos os que compreendem a sua importância trabalharem por ela. É preciso conversar com cada professor para convencê-lo da justeza do movimento e da necessidade de parar.
      Bebel

      Responder
  • 30. Felipe  |  29/04/2013 às 15:02

    BEBEL! ESTOU EM GREVE DESDE O DIA 19/04. SOZINHO EM MINHA ESCOLA… CADÊ A SUBSEDE DE CARAPICUÍBA NAS ESCOLAS???
    PRECISAMOS NOS UNIR MAIS A SUBSEDE LOCAL NÃO SE APRESENTA.
    GRATO
    FELIPE

    Responder
    • 31. apeoesp  |  30/04/2013 às 00:51

      Prezado professor Felipe,
      Por favor, entre em contato com a subsede (veja telefone em http://www.apeoesp.org.br) e solicite auxílio na sua escola.
      Bebel

      Responder
      • 32. Gu  |  02/05/2013 às 23:21

        Felipe a subsede tem feito comandos de greve, apesar de todas a dificuldades, Toufic, Manoel, Sardinha estão 100% em greve

  • 33. Sebastião Miguel  |  30/04/2013 às 00:35

    Vejam o que o governo publica no site da secretaria da Educação

    É lamentável! Não devemos deixar isso acontecer, temos que parar e lutar, temos que unir nossas forças contra o truculento governo – GREVE É nossa arma.

    26/04/13

    Secretaria da Educação repudia manipulação político-partidária de mobilização sindical
    Categoria
    Sindicalistas desprezam propostas da Educação e incitam pais a não levar filhos às escolas
    Calendário de atividades está mantido na rede estadual. Veja como foi a última semana
    Saiba Mais

    Mais de cinco mil escolas da rede estadual seguem cronograma normal de aulas
    Sindicato desconsidera propostas da Secretaria da EducaçãoÉ lamentável que a Apeoesp se paute por uma agenda político-partidária sem perspectiva de responsabilidade fiscal e orçamentária e completamente desvinculada do compromisso com o aprendizado dos alunos, demonstrado, inclusive, por meio de propaganda que incita pais a não deixarem os filhos irem à escola. É deplorável que os dirigentes sindicais, além de hoje terem erguido bandeiras de partidos políticos, busquem ampliar a baixa adesão de professores ao seu movimento tentando provocar a ausência de estudantes.

    A grande maioria dos profissionais da rede estadual de ensino, no entanto, já demonstrou seu empenho por um ensino de qualidade e sua confiança no trabalho da Secretaria da Educação ao comparecer às escolas para garantir o andamento das aulas. Desde o dia 19, mais de 90% dos docentes trabalharam regularmente. Nesta sexta-feira (26), os dados parciais dos períodos da manhã e da tarde apontam que o registro de faltas teve oscilação de 4,5% do total de docentes em relação à média diária de ausências de aproximadamente 5%.

    Responder
    • 34. apeoesp  |  30/04/2013 às 00:40

      Prezado professor Sebastião,
      Se estivéssemos em ano eleitoral, diriam que a greve tinha conotação eleitoral; em ano não-eleitoral, dizem que é político-partidária. Este governo não tem nenhuma seriedade ao lidar com o direito de greve.
      Bebel

      Responder
  • 35. TEREZINHA  |  30/04/2013 às 01:52

    DEVEMOS CHAMAR O SINDICATO DOS DIRETORES PARA ENTRAR EM GREVE E FECHAR AS ESCOLAS

    Responder
    • 36. apeoesp  |  05/05/2013 às 13:21

      Preezada professora Terezinha,
      Chamamos. Mas a UDEMO parece estar mais próxima do governo neste momento.
      Bebel

      Responder
  • 37. Prof. André  |  03/05/2013 às 01:01

    Olá Bebel, infelizmente muitas da Diretorias de Ensino estão repondo as aulas de professores titulares que aderiram a greve, isto faz com que o movimento perde força e que esta tudo sobre controle nas escolas, pois não se gera a expectativa e a força desta categoria, fato este que menciono a cidade de Araçatuba-SP com exemplo da politica praticada, pois aqui esta tudo norma, rotina normal e perspectiva nehuma!!!.

    Responder
    • 38. apeoesp  |  05/05/2013 às 12:53

      Prezado professor André,
      Esta medida é ilegal. Procure de imediato o departamento jurídico na subsede para que sejam tomadas providências contra o fato.
      Bebel

      Responder
  • 39. vera silva  |  04/05/2013 às 14:42

    Bebel, Bom dia..,
    Estou postando neste site, pois do SPPREV-ilegalidade parece estar com problemas no envio.

    Em Dezembro/2012, fui novamente a Apeoesp de minha região para verificar documentos da “Ação Individual” sobre aposentadoria referente aos descontos das licenças saúdes, sendo que informaram que não tinham posição sobre a Ação Coletiva. Quando informei que Apeoesp havia perdido, eles disseram não saberem, e fizeram consulta a alguém . Então recebi uma lista para providenciar 09 documentos para “Ação Individual”. Entre eles estão alguns, que ainda não pude providenciar, e indico o porquê da dificuldade em dar andamento ao meu pedido:

    Dois dos pontos para Ação Individual é:
    -Taxa de R$ 56,00 para Apeoesp.
    -Declaração com firma reconhecida, para Apeoesp entrar com “Açao”.
    PORÉM NA DECLARAÇÃO MENCIONA: “.. em caso de IMPROCEDÊNCIA (perda)…., ficarei inteiramente responsável pelo pagamento dos honorários do advogado da parte contrária, exceto em caso de Mandado de Segurança”.
    AGORA, PERGUNTO: Já que a Ação Coletiva não foi ganha e se vocês nos orientam para entrar com Ação Individual, acreditamos que está tudo incluso no processo. Se temos um sindicato e estamos pagando mensalidades e a referida taxa para nos representar e ajudar? Então como devemos assumir honorários da parte contrária em caso de perda?
    Quanto tempo demora uma ação individua para ser julgada? Como funciona isto? Alguém já ganhou uma ação individual? E se perdeu? Qual é o valor que teve de pagar?

    Um dos outros pontos para Ação Individual é:
    – cópia do PUCT da aposentadoria (pedido, fichas 100 e 101, certidão liquidação, indeferimento)
    INFORMO QUE: Já pedi e até já fiz por escrito, diversas vezes na escola, minha liquidação para Ação Individual, mas informaram que a D.E. não está dando entrada em processos e que só farão se tiver o 5º quinquênio . Fui também a Apeoesp de minha região, no ano passado, que enviou cópia da minha solicitação a D.E. e cobrar da escola, mas quando questionei na escola, disseram que enviariam a D.E. Porém, neste ano, quando pedi posição, informaram que não enviaram, e sempre dão a mesma resposta: Só, podem enviar quando tiver o 5º quinquênio e que a D.E. têm diversos outros processos parados.
    Informei que queria e preciso saber da minha contagem e se meu prontuário está em ordem. Disseram que isto iriam fazer na escola, mas estou aguardando ainda. Está na fila de pedidos da escola.
    ENTÃO, PERGUNTO: Como providenciar o PUCT, se não deram entrada no pedido na D.E.?
    Enquanto isto, como já te informei antes: Estou tentando repor as licenças, mas está difícil. E devido ao desenrolar das coisas, estou desanimada e desmotivada, me esforçando ao máximo para repor, pois parece que nada vai se resolver sendo que a lentidão e burocracia continuam e nada ocorre a nosso favor.

    Desculpe pelo desabafo. Obrigada e aguardo resposta.
    Vera

    Responder
    • 40. apeoesp  |  04/05/2013 às 16:58

      Prezada professora Vera,
      Não ter obtido liminar não significa perder a ação, cujo trâmite continua.
      A APEOESP não cobra nenhuma taxa por ações coletivas, mas cobra por ações individuais, que não cobre quase nada das custas dos processos, por não ser correto que os 184 mil associados arquem com todas as custas de ações que, por vezes, dizem respeito a uma só pessoa. É preciso entender que o que leva os professores a terem necessidade de ingressar com ações judiciais são as iniciativas do governo e não da APEOESP. A APEOESP está cumprindo seu papel de defender os professores contra as atitudes do governo.
      Finalmente, as regras sobre os processos judiciais não são criadas pela APEOESP e sim pelo Judiciário, como, por exemplo, a pessoa que inicia um processo arcar com as custas da parte contrária, caso perca a ação. Não teríamos a menor condição de bancar esses custos.
      Bebel

      Responder
  • […] 27/04/2013 at 10:16 […]

    Responder
  • 42. Ieda Maria Niguel  |  21/05/2013 às 22:02

    O governo do PSDB tem que cair fora, vamos através da urna mostrar a nossa insatisfação

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,803,933 hits

%d blogueiros gostam disto: