Irresponsabilidade do Governo Estadual provoca falta d´água em escolas estaduais

21/10/2014 at 13:01 24 comentários

cantareira

Durante a campanha eleitoral para o Governo de São Paulo, o Governador Geraldo Alckmin, então candidato à reeleição pelo PSDB, pronunciou-se algumas vezes sobre a crise hídrica que ocorre no estado e vem causando falta d´água em diversas cidades, penalizando sobretudo a população mais pobre, que mora na periferia. Estima-se que mais de 18 milhões de pessoas em 18 cidades já sofrem com a escassez de água. Em todas as ocasiões, durante a campanha, o Governador minimizou a crise e assegurou que não haveria racionamento de água.

Mal foram apuradas as urnas, com a reeleição do Governador em primeiro turno, a Sabesp passouadmitir o racionamento e houve uma brutal ampliação das regiões onde falta água, atingindo agora até mesmo bairros de classe média. O caso assumiu tal gravidade que escolas e hospitais vêm sendo atingidos, provocando uma situação que afeta serviços públicos essenciais à população.

Diante desses fatos, podemos qualificar o Governo Estadual como irresponsável e incompetente no trato desta questão. É preciso lembrar que o atual Governador participa do Governo Estadual desde 1995 e que já havia sido Governador entre 2001 e 2006. Há pelo menos 10 anos o Governo estadual vem sendo alertado para a necessidade de obras para a captação de água, em função do potencial esgotamento do Sistema Cantareira, mas nada foi feito.

O Governo Estadual culpa a escassez de chuvas pela atual crise. Omite, porém, que o próprio Governo tem responsabilidade sobre esta situação, pois não apenas permitiu, como incentivou, o desmatamento ilegal e a abusiva cultura da cana de açúcar em grandes extensões de terra em todo o estado. Isto, obviamente, impactou o ciclo da água, contribuindo para a estiagem.

Com conseqüência da gestão irresponsável e predatória dos recursos hídricos, há falta d´água em diversas escolas, sobretudo nas regiões periféricas. Isto pode colocar em risco o cumprimento dos 200 dias letivos obrigatórios de acordo com a LDB. Como será a postura do Governo Estadual perante esta situação. Não podemos aceitar que a conduta irresponsável deste governo signifique prejuízo ao recesso escolar e ás férias de professores e estudantes.

Maria Izabel Azevedo Noronha
Presidenta da APEOESP

PS: Caso haja falta d´água na sua escola ou você tenha conhecimento de uma unidade escolar onde isso ocorra, por favor, comunique para presiden@apeoesp.org.br.

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Carta ao Jornal Folha de S. Paulo Encerrada a votação na enquete. Dilma obteve 67,8% dos votos válidos; Aécio, 32,0%

24 Comentários Add your own

  • 1. Juvenal de Aguiar Penteado Neto  |  21/10/2014 às 16:33

    Um pouco de História é bom para reflexão!
    Vamos por o dedo na ferida com uma rápida reflexão: Quais foram os Presidentes que defenderam os trabalhadores?
    O primeiro foi Getúlio Vargas que criou todos os direitos trabalhistas e o Salário Mínimo que até hoje não se recupera o poder de compra da Época. O fim do seu governo foi trágico. Não havia governabilidade, tendo em vista que o Capital se voltou contra ele.
    O segundo foi João Goulart que foi destituído ao defender os trabalhadores e tentar fazer as reformas de base. Abriu um confronto contra o Capital e perdeu a governabilidade.
    O terceiro e a Quarta, respectivamente, LULA e DILMA que deram um salto de qualidade em todos os setores do país. Foram mais inteligentes. Fizeram concessões para grupos do capital para que tivessem a governabilidade.
    Tivemos outros presidentes que tentaram governar contra o congresso e contra o Capital, como os casos de Jânio Quadros e Collor de Melo.
    No momento, estamos numa acirrada campanha, de um lado a Presidenta DILMA que representa avanços em todas as áreas, desde economia, infraestrutura, sociais, tecnologia, saúde e agora, mais do que nunca na Educação (Meta 17 do PNE) do outro lado o Candidato do Capital, da Indústria, dos Latifundiários, das Multinacionais, da Mídia e de tudo que possa representar o Capital.
    Por falta de conhecimento os “analfabetos políticos” que aceitam a lavagem cerebral imposta pela mídia votam contra si mesmo. O lado dos trabalhadores e dos funcionários públicos é a Presidenta Dilma, só não vê os que amam os inimigos por falta de conhecimento.
    Os novos avanços para a maioria dos brasileiros serão realidade com a eleição da Presidenta DILMA. Votar no outro candidato é aceitar tudo de mau que aconteceu na História Brasileira, exceto, nos governos dos quatro primeiros presidentes citados no início deste texto. Votar no outro candidato é votar contra si mesmo. É uma, verdadeira, idiotice.
    A candidata que está ao lado dos trabalhadores e dos funcionários públicos é a DILMA! 13!
    Professor Juvenal de Aguiar

    Responder
  • 2. Michelle  |  21/10/2014 às 22:30

    Desculpe, mas chega a ser ridículo culpar a falta d´agua somente no governador. Boa parte da culpa está tbm no prefeito e na presidente, no caso o Haddad e Dilma.
    Daqui a pouco a culpa pela fome das pessoas de qualquer cidade recairá no governador, a segurança de todas as cidades a culpa será do governador, o caos da saude no governador. Sem hipocrisia, a culpa são de todos, governador, prefeito e presidente. Culpar somente um só mostra o quanto ignorante político são as pessoas. E como representante da nossa classe deveria saber disso.

    Responder
    • 3. apeoesp  |  25/10/2014 às 15:50

      Prezada professora Michelle,
      Achei interessante sua afirmação. Gostaria de aprofundar o debate. Portanto, poderia apresentar aqui quais são as responsabilidades do prefeito Haddad e da Presidenta Dilma em relação à falta d´água em SP?
      É importante que o debate de estabeleça em cima de informações e não apenas de afirmações. Assim, todos poderão ser esclarecidos e poderemos atuar de forma mais consciente em relação aos problemas de nosso estado e de nosso país.
      Bebel

      Responder
  • 4. Jeferson Bortolo  |  22/10/2014 às 11:10

    quero parabenizá-los pelos desprezo demonstrado por vós em relação ao Dia dos Professores, ninguém nos visitou,ninguém nos parabenizou,nada nos foi ofertado,bem, teremos um baile, desde que pagamos poderemos participar, caso não, não,que diferença abissal existe entre a APEOESP e o SINTED-MS parabéns pela falta de interesse demonstrado por vós em relação aos vossos associados. não é ano de eleição, então, não precisam descer dos pedestais para se juntar a nós. Deus os Abençoe e tenham uma boa semana. Jef bortolo Date: Tue, 21 Oct 2014 13:02:13 +0000 To: jeferson_bortolo@hotmail.com

    Responder
    • 5. apeoesp  |  25/10/2014 às 15:43

      Prezado professor Jeferson,
      Nosso sindicato é desmembrado em 92 subsedes que realizam atividades para o Dia do Professor. De minha parte, encaminhei a cada associado e associada uma mensagem fonada e torpedo parabenizando pelo dia. Também publicamos anúncios no Jornal O Estado de S. Paulo e Metrô News denunciando nossos baixos salários e divulgando nossa luta pela equiparação salarial com as demais categorias com formação em nível superior.
      Quanto a ofertar algo aos professores, não creio que seja essa a função do sindicato. Nossa entidade existe para organizar as lutas da categoria e procura cumprir seu papel. Creio que isto é mais importante, tendo em vista que a situação de desvalorização em que vivemos não cria um ambiente muito favorável para comemorações e muito menos para a distribuição de presentes a 188 mil associados.
      O interesse que demonstramos pelos associados da APEOESP é lutar pelos seus direitos, mas isto você deve saber porque certamente está sempre presente nas assembleias e demais atividades do sindicato e não fica apenas esperando um presente ou baile da entidade no dia do professor.
      Bebel

      Responder
  • 6. Maria Clara  |  23/10/2014 às 21:14

    Oi Bebel
    Desculpe-me sair do tema em debate, apesar de morar no interior e ser de família de proprietários rurais onde a estiagem também está castigando, nunca vimos uma seca tão grande secaram cisternas , poços artesianos e nascentes antigas e é difícil achar fontes alternativas , imagine em São Paulo, mas o que eu queria saber é que se realmente o professor categoria O com contrato que se encerra esse ano e que esta sendo impedido de fazer a inscrição, mesmo sendo formado, poderá participar da escolha depois de um aluno que está no segundo de faculdade?

    Responder
    • 7. apeoesp  |  25/10/2014 às 14:19

      Prezada professora Maria Clara,
      Em relação ao problema da água, o mesmo partido está há vinte anos no governo e deveria ter criado fontes alternativas de abastecimento para uma cidade gigantesca como São Paulo e mesmo em outras regiões do estado. Há sete anos, pelo menos, especialistas alertaram para a possibilidade de ocorrer o que hoje acontece, mas nada foi feito. E estamos todos pagando por esta irresponsabilidade.
      Quanto à inscrição dos professores da categoria O, ingressamos com ação judicial, infelizmente não obtivemos a liminar e estamos aguardando a decisão judicial. Se prevalecer a decisão do governo, sim, um estudante poderá obter aulas antes.
      Bebel

      Responder
  • 8. jose mudeh  |  24/10/2014 às 10:28

    A blindagem da globo funcionou até aqui. Qual é o custo dessa blindagem?

    Responder
  • 9. Felipe  |  24/10/2014 às 20:59

    Boa tarde Bebel!!!

    Não consigo fazer minha inscrição no gdae aparece CPF não encontrado ou não atende aos requisitos necessários para Inscrição!
    Dei aula em 2013, mas em 2014 não dei aula para rede estadual, sou categoria O aprovado no concurso a senhora poderia me ajudar. Dizem que os aprovados do concurso estão inscrito automaticamente. Isso significa que os professores categoria O de 2014 vão estar na frente de quem passou no concurso.

    Responder
    • 10. apeoesp  |  25/10/2014 às 13:52

      Prezado professor Felipe,
      Sim, os aprovados no concurso estão inscritos automaticamente. Ao mesmo tempo, sim, os que já estão na rede neste ano e terão continuidade no contrato em 2015 terão prioridade na atribuição de aulas. Informe-se melhor pelo telefone 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 11. Leandro Oliveira  |  26/10/2014 às 23:07

    Existem boatos que devido a falta de água as ferias escolares serão antecipadas. Isso Procede!

    Responder
    • 12. apeoesp  |  02/11/2014 às 12:38

      Prezado professor Leandro,
      A legislação permite, em razão de “força maior”.
      O que é importante compreender é que a situação chegou neste ponto por má gestão do Governo Estadual. Para ganhar as eleições, o Governador escondeu a situação da população e não tomou as providências necessárias.
      A APEOESP está iniciando uma campanha para denunciar isto e está cobrando providências. Escolas com problemas de abastecimento devem ser informadas para presiden@apeoesp.org.br.
      Bebel

      Responder
  • 13. Professor  |  27/10/2014 às 03:31

    Bebel: Conheço uma pessoa que conhece uma pessoa da secretaria da educação…

    Ventila-se que o governador suspenderá as aulas a partir do dia 21 de novembro (prejudicando os alunos com o encerramento do ano letivo 1 mês antes) por causa da falta de água. Fechar as escolas seria uma forma de economizar água…

    A informação procede?

    Responder
    • 14. apeoesp  |  02/11/2014 às 12:33

      Prezado professor,
      Estamos lançando uma campanha para denunciar a falta d´água, inclusive nas escolas e cobrar providências do Governador.
      A legislação permite, sim, a suspensão das aulas em caso de “força maior”.
      O Governador, para não perder as eleições, enganou a população, esta é a realidade. Temos que denunciar isto.
      Bebel

      Responder
      • 15. Professor  |  02/11/2014 às 15:02

        Mas ele vai encerrar o ano letivo, ou ainda não há nada de concreto?

        Eu trabalho em São bernardo, onde a reserva da Billings está ainda com 70 % da capacidade. Por aqui não temos enfrentado problemas de falta d’agua.

        Todas as escolas teriam o ano letivo encerrado?

      • 16. apeoesp  |  09/11/2014 às 19:42

        Prezado Professor,
        A SEE assegura que não haverá encerramento antecipado do ano letivo.
        Bebel

  • 17. tania Paiva  |  27/10/2014 às 16:37

    Não entendo a mentalidade política de nosso povo, principalmente do nosso sindicato que se diz nossos representantes. Em julho quando o povo foi para a rua pedindo mudança, descontente com o curso de nossa política a bandeira do sindicato também se fez presente. No momento da eleição, momento esse mais apropriado para demonstrar nosso descontentamento vocês ficam se vangloriando porque continuou tudo a MESMA COISA. que vitória é essa. Acabo de ter certeza que vocês gostam mesmo é de arruaça e elevam a bandeira do quanto pior melhor! Estou decepcionada!

    Responder
    • 18. apeoesp  |  02/11/2014 às 12:28

      Prezada professora Tania,
      Em primeiro lugar, respeito é bom e todos nós gostamos. Não admito que nosso sindicato seja chamado de arruaceiro porque não pensamos como você.
      A mudança tem que ser para diante, nunca para trás. Os projetos em disputa eram claros: um deles apresentou perspectivas de continuar mudando o Brasil, o outro afirmava que temos salário mínimo muito alto e que é preciso cortar gastos públicos (ou seja, menos programas sociais, menos melhorias nos serviços públicos, menos valorização dos servidores públicos). Isto não é mudança, é retrocesso. Isto o Brasil, sabiamente, não quis.
      Estranhamente você não cita o Estado de São Paulo. Aqui reelegeu-se um Governador que nos deixa sem água e não valoriza o trabalho dos professores. Por que é legítima a sua reeleição e não é legítima e reeleição da Presidenta da República?
      Sua opção pelo retrocesso parece claríssima. Isto sim, é apostar na arruaça.
      Bebel

      Responder
  • 19. Claudia  |  05/11/2014 às 00:34

    Srª Presidente,
    Hoje, fomos informados, na nossa escola que, talvez as aulas terminem mais cedo por causa da crise hídrica. Que os alunos serão dispensados e nós ficaremos na escola até o previsto, em dezembro, mas que teremos que repor as aulas iniciando o próximo ano letivo, no dia 05 de Janeiro, graças a isso… Ainda argumentamos que, se for decretado estado de calamidade pública, não temos que repor, mas a coordenadora disse que neste caso, sim, teremos que repor.
    Sinceramente, não sei se suporto, pois estou no ápice do cansaço e do estresse, em dezembro, com as festas, ninguém descansa. Se eu tiver que voltar no dia 05 de janeiro, acho que vou ter que exonerar de cargo ou morrer… Sem exagero, nem dramalhões… Não me sinto capaz de emendar um ano letivo no outro, desta forma, sem descanso…
    O que a Apeoesp tem a dizer sobre isso?

    Responder
    • 20. apeoesp  |  09/11/2014 às 19:24

      Prezada professora Claudia,
      Levamos o assunto à Secretária Adjunta, que negou que essa providência vá ser tomada.
      Manifestamos nossa posição de que os professores e alunos não podem ser obrigados a repor aulas se elas forem suspensas por motivo de força maior, como a falta d´água.
      Bebel

      Responder
  • 21. Marco  |  12/11/2014 às 00:55

    Acho engraçado o texto fazer menção à “porém, que o próprio Governo tem responsabilidade sobre esta situação, pois não apenas permitiu, como incentivou, o desmatamento ilegal e a abusiva cultura da cana de açúcar em grandes extensões de terra em todo o estado. Isto, obviamente, impactou o ciclo da água, contribuindo para a estiagem”….
    Porém, não cita o absurdo desmatamento da Amazônia, responsabilidade do governo federal.
    Promessas não cumpridas e, ainda, para piorar, o governo da Dilma não assinou um tratado internacional para diminuir e zerar o desmatamento até 2030.
    Não defendo o nosso governador em hipótese alguma, principalmente em relação ao que ele faz com nossa categoria.
    Mas me incomoda muito, bastante, essa linha política deste blog.
    Sempre defendendo Dilma, Lula e PT e culpando os adversários.
    É lamentável essa postura.
    Alunos leem este blog. A comunidade lê.
    Sinceramente, ia escrever mais, todos os pontos sobre esta questão do desmatamento, mas, vou ficar por aqui.
    Abraços,
    Marco

    Responder
    • 22. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:08

      Prezado professor Marco,
      Você tem todo o direito de ter sua posição política e manifestá-la da melhor maneira possível. Nosso documento não cita muitas outras causas do problema climático, alguns deles situados fora do Brasil e que tem a ver com o aquecimento global, mas não se trata disso.
      Acredito que, ao contrário do que você diz, quem está defendendo um governo é você, no caso o governo Alckmin. Não há uma linha em nosso documento defendendo Dilma, Lula e PT. Há, sim, críticas ao governo do PSDB, que governa o Estado de São Paulo, no qual moramos e que não tomou providências necessárias para evitar a atual crise hídrica, embora tenha sido alertado desde 2009, pelo menos, sobre o agravamento da situação.
      Pior, o governador continua dizendo que está tudo bem, que não há problemas de abastecimento, enquanto não há água das pessoas da periferia (e agora também em bairros centrais), durante a noite. Escolas e hospitais tem sido afetados. E você acha mais importante defender Alckmin (ou buscar outros culpados)?!
      Nosso documento não foi escrito para discutir o desmatamento, a crise climática, os problemas ambientais, mas para cobrar do governador do nosso estado que cumpra seu papel. Se ele tinha cobranças a fazer do governo federal ou de quem quer que seja, não deveria ter fugido do tema, como fez, para ganhar a eleição. Escondeu a gravidade do problema, enganou a população e espero que os alunos realmente leiam e vejam tudo isso, para que se tornem cidadãos melhores e, no futuro, votem com mais consciência do que muitos que continuam mantendo a incompetência à frente do maior estado do país.
      Bebel

      Responder
      • 23. Marco  |  18/11/2014 às 22:16

        Cara Bebel, creio que houve um equívoco.
        Eu nunca defendi, nem nunca defenderei o Alckimin.
        O que ele faz com nós, professores, não me permite levantar uma palavra a favor dele.
        Mas, o que eu gostaria de começar a ler em todos os blogs, notícias e afins, são publicações que não sigam nenhum exemplo partidário.
        Por exemplo, o link abaixo é uma das análises mais sensatas que eu vi sobre a crise da água em SP (valeria a pena até ser divulgado pelo seu blog): https://www.facebook.com/gabriel.kogan2/posts/10152841048147784?fref=nf

        Resumindo, a crise de abastecimento pode sim, ser colocada na falta de planejamento do governo de SP.

        Contudo, o que sempre me preocupa é o fato de sempre colocarmos a culpa em nossos adversários, entende? Por exemplo, não ouço ninguém criticar a questão da Amazônia, responsabilidade do governo federal.
        Isso porque o que está acontecendo lá só será sentido daqui a uns bons anos. Mas, o problema está sendo agora (diga-se de passagem o mesmo que ocorreu com a água em SP: falta de planejamento e vontade).
        Veja a notícia abaixo, de hoje: Desmatamento avança 473% na Amazônia (http://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,desmatamento-avanca-467-na-amazonia,1594186).

        O meu desejo, sincero, seria ver um post em seu blog assim;

        “O Brasil pode sofrer grandes impactos devido à falta de planejamento do Governo Federal devido ao desmatamento da Amazônia.”
        Com um subtítulo: população pagará da mesma forma que a de SP está pagando pela falta de planejamento da água em SP.

        Entende meu ponto de vista?
        Quando iremos começar a ser isentos? E, já que somos professores, por que não aproveitar a questão da água em SP para poder cobrar esta absurda falha do governo Federal.
        É isso que gostaria. Saber que pessoas que exercem influência sobre outras (como este blog), pudessem deixar a questão partidária de lado e começar a olhar para dentro, sabe?
        Essa questão da Petrobras, exposta pela corrupção absurda do PT, nunca vista antes na história deste País, poderia ser um grande exemplo.
        O que temos para aprender com isso é fora de série.
        Pegar os culpados. Todos. Começando pelos de agora, do PT. Os bandidos.
        E aproveitar para pegar os do passado (PSDB, PMDB, etc).
        Não seria legal?
        Desculpe-me este longo texto, Bebel. Espero que você tenha lido até aqui.
        Mas, pense nisso.
        Vamos criticar o governo do PSDB, do Alckimin, que só prejudica a nossa classe.
        Mas vamos aproveitar para, também, levantar a bandeira de que, doa a quem doer, também iremos apontar os problemas, independente de política e ideologia.
        Grande abraço,
        Marco

      • 24. apeoesp  |  20/11/2014 às 13:42

        Prezado professor Marco,
        Recomendo que acesso o site da APEOESP e procure o vídeo da webconferência que a APEOESP realizou em setembro sobre a questão climática. Todos esses elementos estão presentes ali.
        Neste espaço publicamos textos curtos destinados a orientar os professores naquilo que diz respeito ao seu cotidiano. O fato é que o governo Alckmin foi imprevidente, negou e continua negando a crise da água, mentiu para obter a vitória eleitoral. No próximo jornal da APEOESP publicaremos entrevista com um especialista demonstrando que a crise é grave, mas não será resolvida com nenhuma medida mirabolante. Há certos momentos em que ampliar muito a análise retira o foco do problema e não evidencia com clareza as medidas a serem tomadas e quem pode fazê-lo.
        Bebel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,805,200 hits

%d blogueiros gostam disto: