Reunião com a Secretaria da Educação

06/11/2014 at 19:53 114 comentários

Em reunião mantida na tarde de terça-feira, 04/11,com a Secretária Adjunta da Educação, professora Cleide Bochixio, a Diretoria da APEOESP tratou dos seguintes assuntos de interesse da nossa categoria:

Crise hídrica – situação das escolas
A Presidenta da APEOESP, professora Maria Izabel Noronha, questionou sobre informação que tem circulado nas redes sociais e nas escolas de que haveria a antecipação do encerramento do ano letivo em função dos problemas de abastecimento de água nas unidades escolares. A Secretária Adjunta disse que não existe qualquer discussão neste sentido no âmbito da SEE.
A Diretoria da APEOESP, entretanto, insistiu no assunto, mencionando o caso de muitas escolas que experimentam falta d´água, inclusive para a higiene dos banheiros e para beber. A APEOESP cobrou da SEE que mantenha as escolas funcionando em condições adequadas de abastecimento d´água e higiene – com caminhões-pipa, por exemplo – de forma a cumprir o ano letivo sem que professores e alunos precisem repor aulas durante o recesso ou férias.
Reiteramos a solicitação expressa no Boletim CRRR para que as subsedes façam o levantamento da situação nas escolas, informando por meio do Portal da entidade: http://www.apeoesp.org.br/falta-d-agua.

Atribuição de aulas
A APEOESP, uma vez mais, reivindicou a realização da atribuição de aulas centralizada nas Diretorias de Ensino, para que os professores F e O possam concorrer em condições de equidade, considerando-se, inclusive, seu tempo de serviço na rede estadual de ensino.
A Secretária Adjunta justificou a atribuição nas escolas, num primeiro momento, para manutenção das equipes escolares. Diante, porém, de ponderações sobre distorções que ocorrem no processo (como, por exemplo, escolas com muitos professores da categoria F e outras com carência de professores), disse que discutirá internamente na SEE a possibilidade de centralização.
A Secretária Adjunta justificou a atribuição nas escolas, num primeiro momento, para manutenção das equipes escolares. Diante, porém, de ponderações sobre distorções que ocorrem no processo (como, por exemplo, escolas com muitos professores da categoria F e outras com carência de professores), disse que discutirá internamente na SEE a possibilidade de centralização.

Categoria O
A APEOESP, mais uma vez, questionou sobre a possibilidade de inscrição dos professores da categoria que não estão com contratos em vigor ou que encerram seus contratos em 2014 e, também, sobre o envio de projeto de lei para extinção da duzentena, estendendo-se a quarentena para todos os temporários.
A Secretária Adjunta informou que o projeto de lei foi encaminhado pela SEE para as instâncias superiores do governo.Ela disse ainda que reiterou cobrança por uma posição do Governo, mas não obteve resposta.
Por ora, sem a aprovação deste projeto, os professores que encerram seus contratos em 2014 devem cumprir a duzentena, podendo inscrever-se apenas para o cadastro emergencial, assim como os professores que cumpriram quarentena, mas não são remanescentes do concurso. Estes, cerca de 70 mil professores, foram inscritos automaticamente. No total foram inscritos 238 mil professores para a atribuição de aulas, sendo 42 mil da categoria O.
A Secretária Adjunta informou que pretende abrir o cadastro emergencial logo no início do ano e concordou que a inscrição se faça nas Diretorias de Ensino. A APEOESP voltou a informar que tem ação judicial em andamento e solicitou que, caso se confirme a inscrição apenas para o cadastro emergencial, que ela seja feita nas Diretorias de Ensino, para assegurar maior justiça no processo de atribuição de aulas.

Inscrição: correção da contagem de pontos
Frente a uma dúvida surgida durante a reunião, a Secretária Adjunta alertou que os professores que tenham notado qualquer incorreção nos dados sobre a sua contagem de pontos durante a inscrição devem solicitar a correção na unidade escolar.

Titulares de cargo
A Presidenta da APEOESP apresentou solicitação de que os professores titulares de cargo possam fazer a complementação da jornada e que possam também optar pela jornada reduzida de trabalho. Alertou que tais restrições acontecem porque está ocorrendo fechamento de classes, sem que haja um estudo efetivo da sazonalidade da demanda nas regiões. Muitas classes são fechadas por decisão unilateral de diretores e dirigentes.
Solicitou, assim, que não haja fechamento de classes em 2015 e que seja feito este estudo durante o ano para melhor organização da rede em 2016.
A Secretária Adjunta comprometeu-se a levar proposta para discussão na Secretaria e, inclusive, aventou a possibilidade de reativação dos grupos de planejamento compostos por diretores de escolas no âmbito das DEs, para que sejam realizados esses estudos.

Ingresso dos professores PEB I 
Questionada pela APEOESP, a Secretária Adjunta informou que o ingresso dos professores de educação básica I (PEB I) que serão aprovados no concurso se dará no início de 2015.

Ingresso dos professores PEB II
Ela voltou a dizer que não há data prevista para a nova chamada dos professores aprovados no concurso de PEB II, porque ainda estão ocorrendo “acomodações” na rede. Disse, porém. que o concurso será prorrogado e que a nova chamada
provavelmente ocorrerá no decorrer de 2015 para posse em 2016.

Evolução Funcional pela Via Não Acadêmica
Frente a informações de professores de que não estão conseguindo realizar a Evolução Funcional pela Via Não Acadêmica, pois as Diretorias de Ensino estariam informando que os procedimentos estariam suspensos por ordem da SEE, a Secretária Adjunta afirmou que isto não procede e que orientará as DEs a darem prosseguimento normal aos processos.

Minutas do Estatuto do Magistério
A Diretoria da APEOESP solicitou à Secretária Adjunta que se pronunciasse sobre uma possível retomada da tramitação das minutas de alteração do Estatuto do Magistério que circularam na rede há alguns meses. Ela foi taxativa em afirmar que as minutas não estão mais em discussão e que não serão retomadas. Em todo o caso, continuamos alertas.

Perícias médicas
A Diretoria da APEOESP demonstrou com números que houve um aumento de 300% no número de licenças médicas negadas aos professores, com a passagem deste serviço para o âmbito da SEE.
Também foram relatados casos de atendimento dos professores por profissionais de áreas diversas e de médicos com suposto credenciamento inadequado (por exemplo, cirurgia plástica).
A Secretária Ajunta reconheceu que faltam principalmente profissionais de ortopedia e psiquiatria nos polos regionais e solicitou que todas as denúncias sejam feitas por escrito e com informações suficientes para o descredenciamento do profissional, se for o caso. Essas denúncias devem ser encaminhadas para presiden@apeoesp.org.br.

Agendamentos em locais distantes
A APEOESP informou à Secretária Adjunta que está encontrando dificuldades para obter reagendamentos de perícias médicas agendadas para locais distantes do local de residência e/ou trabalho do professor. A Secretária Adjunta comprometeu-se a reativar o canal antes existente entre a APEOESP e a CGRH para esta finalidade.

Falta médica parcial
A Lei Complementar 1.041/08 prevê o direito à falta-médica parcial, ou seja, que o servidor que “entrar após o início do expediente, retirar-se antes de seu término ou dele ausentar-se temporariamente, até o limite de 3 (três) horas diárias, desde que sujeito à jornada de 40 (quarenta) horas semanais ou de no mínimo 35 (trinta e cinco) horas-aulas semanais, no caso de docentes integrantes do Quadro do Magistério”, não sofrerá nenhum desconto pecuniário.
Ocorre que, com a vigência da Resolução SE 08/2012, os professores que têm carga horária de 35 horas-aula (soma de horas com alunos e HTPC e HTPL) passaram a ter negados os pedidos de falta-médica parcial, sob a alegação de que não contam com 35 horas (60 minutos) semanais de carga horária.
A APEOESP apresentou este problema à Secretária Adjunta, que se comprometeu a estudar a questão, com vistas a uma possível solução.

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Nota de Pesar Falta água na sua escola? Conhece alguma escola com falta de água? Denuncie

114 Comentários Add your own

  • 1. Prof Clovis  |  06/11/2014 às 20:04

    Boa tarde, só para lembrar que a minha situação frente ao recebimento e a retirada das faltas das greves de 2010 e 2013 continuam sem solução.Obrigado

    Responder
  • 2. Fabio  |  06/11/2014 às 20:05

    so faltou uma coisa, com relação aos salários dos próximos anos, o secretario não se pronunciará?

    Responder
    • 3. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:42

      Prezado professor Fabio,
      Nesta reunião não tocamos neste assunto, simplesmente porque já sabemos a resposta de cor: o Secretário afirma que encaminhou uma proposta ao governador e não obteve retorno.
      Temos uma convicção e temos dito isto à categoria: somente com uma forte greve conquistaremos reajuste salarial, aplicação da jornada do piso (que tramita no STF) e outras reivindicações importantes. Infelizmente o comparecimento dos professores às assembleias demonstra que a categoria ainda não está disposta a realizar este movimento.
      Bebel

      Responder
  • 4. Sidnei  |  06/11/2014 às 20:29

    Olá. Gostaria de saber sobre a redução no número de aulas, já que, o TSJ não julgou o caso. Então para este ano novamente não teremos a jornada do Piso, nem mesmo com redução parcial?

    Responder
    • 5. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:39

      Prezado professor Sidnei,
      Nossa ação no STF aguarda a nomeação de um juiz relator.
      Nas reuniões com a SEE, tocar neste ponto é apenas cumprir um protocolo, mas eles afirmam que já cumprem a lei, com o que não concordamos.
      Nosso papel, como representantes da categoria, é levar as demandas ao governo, buscar a negociação e apontar caminhos para a mobilização da categoria. Desde junho estamos dizendo claramente que somente uma forte greve pode arrancar deste governo reajuste salarial, aplicação da jornada do piso e outras reivindicações importantes. Infelizmente o comparecimento às assembleias demonstra que a categoria ainda não está disposta a realizar este movimento.
      Bebel

      Responder
  • 6. Katita  |  06/11/2014 às 20:49

    Querida Bebel, boa noite! infelizmente sobre a nossa jornada NADA foi tratado, perguntado e parece que caiu no esquecimento da SEE, que triste!

    Responder
    • 7. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:36

      Prezada professora Katita,
      Talvez tenha caído no esquecimento da SEE, mas não no nosso. Nossa ação judicial continua protocolada no Supremo Tribunal Federal e aguarda a distribuição para um dos juízes, como relator do processo.
      Poderíamos, sim, ter tocado no assunto, mas resposta sabemos de cor, já que a SEE insiste em dizer que já aplica a jornada do piso.
      Outro caminho possível para conquistar a jornada do piso é a greve, mas até o momento o comparecimento às assembleias demonstra que a categoria ainda não está disposta a trilhar este caminho.
      Como direção, nosso papel é apontar caminhos e temos sido claros: uma forte greve é necessária para conquistarmos reajuste salarial, jornada do piso e outros pontos fundamentais.
      Bebel

      Responder
  • 8. CARLOS OLIVEIRA  |  06/11/2014 às 21:15

    Prezada Professora Bebel.

    A senhora não conversou com a Secretária Adjunta sobre a lei do piso, sua implementação? Outra questão e a prova do mérito já tem data para divulgar os resultados? Sobre a remoção? E as injustiças cometidas no artigo 22, quando o professor só pode ir pela sua jornada e disciplinas? e injusto pois como a resolução 75 permite você “ampliar sua jornada com aulas das disciplinas correlatas, então porque não concorrer no artigo 22 também incluindo as correlatas? já que não vai haver remoção.

    Atenciosamente,

    Aguardo resposta
    Carlos Oliveira, Região de Guaratinguetá

    Responder
    • 9. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:32

      Prezado professor Carlo,
      Não abordei a questão da jornada do piso, como fiz em todas as reuniões anteriores, simplesmente porque não há qualquer mudança no cenário. A SEE afirma que já aplica a lei, razão pela qual temos ação em andamento no Supremo Tribunal Federal.
      Ainda não foi divulgada data para a publicação das notas da prova de mérito.
      Quanto ao artigo 22, farei um consulta à SEE e também ao departamento jurídico.
      É importante frisar que vimos há meses alertando a categoria sobre as dificuldades de negociação com este governo e, desde junho, temos convocado os professores para organizarmos uma greve, que é a única forma que vislumbramos para abrir um processo verdadeiro de negociação. Infelizmente o comparecimento às assembleias não tem sido suficiente para a deflagração deste movimento.
      Bebel

      Responder
  • 10. Prof° Oswaldo  |  06/11/2014 às 21:43

    Boa noite! Não foi falado nada sobre aumento salarial, e sobre a redução de jornada? Você citou que pediu para permitir a redução de jornada para a reduzida, e qual foi a resposta? Isso muito me interessa, pois tenho dois cargos e preciso reduzir o segundo. Obrigado!

    Responder
    • 11. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:27

      Prezado professor Oswaldo,
      Nos dois assuntos a posição da SEE está bem clara. Na questão salarial o Secretário diz que encaminhou proposta ao Governador, mas não obteve retorno e na questão da jornada, continua afirmando que já cumpre a lei do piso, razão pela qual temos ação judicial tramitando no Supremo Tribunal Federal.
      Está muito claro que somente com uma forte greve faremos o governo recuar, porque ele não pretende negociar esses pontos.
      Bebel

      Responder
      • 12. Prof° Oswaldo  |  30/11/2014 às 10:34

        Bebel! Sinto que se não for feito nada até o final desse ano, ficaremos os quatro anos seguintes sem nenhum centavo de aumento, foi assim da outra vez que esse Picolé de Xuxu governou, ele deu alguns pequenos aumentos nos primeiros quatro anos,e depois ficamos anos e anos sem nada, a hora de cobrar é agora, se é necessário greve, vamos à ela então! Abraço!! Ps: e o processo pela lei do piso, a quantas anda?

      • 13. apeoesp  |  01/12/2014 às 19:31

        Prezado professor Oswaldo,
        Estamos convocando toda a categoria para um grande ato na SEE no dia 5/12, ás 14 horas. Quanto ao processo da lei do piso, está tramitando no STF aguardando a nomeação do juiz relator.
        Bebel

  • 14. maria  |  06/11/2014 às 21:56

    Bebel, tudo bem! Não entendi.Quando perguntaram para a categoria f sobre a realização da atribuição centralizada na Diretoria de Ensino, os professores preferem nas Escolas. O sindicato deveria perguntar primeiro aos professores. Vejo sempre seu Blog e não li nada a respeito que você levaria esta questão ao Secretário sem consultar os professores, iremos voltar ao sofrimento de novo?
    Por favor,revogue o seu pedido para o Secretário e faça com que a atribuição seja feita nas escolas, como é o desejo de todos os professores que tenho contato.Beijos!!!!!

    Responder
    • 15. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:25

      Prezada professora Maria,
      Como Presidenta do Sindicato, não posso encaminhar uma posição a partir de uma opinião isolada e sim o que é deliberado nas instâncias da APEOESP, como assembleias e congressos.
      Esta tem sido a posição de maioria aprovada. Para que seja alterada, é preciso que a maioria dos delegados em congressos e participantes de assembleia definam outro caminho.
      Bebel

      Responder
  • 16. Cidinha  |  06/11/2014 às 22:30

    Nao concordo com a atribuição de aula na DE, so porque alguns professores dentre centenas estão sendo prejudicados em algum coisa por conta dissomexer com a vida de todos!!!!! Isso é o cumulo do absurdo!!! Se os professores PEBII os prejudicados realize com eles.. e não com todos da rede!!!!

    Responder
    • 17. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:23

      Prezada professora Cidinha,
      Esta reivindicação tem sido aprovada nas instâncias da APEOESP, como assembleias e congressos. Debata o assunto na sua escola, encaminhe sua posição por meio do(a) representante da APEOESP para que o assunto possa ser rediscutido. Prevalecerá sempre a posição da maioria.
      Bebel

      Responder
      • 18. MARI  |  12/11/2014 às 01:15

        Sou a favor que a atribuição seja nas escolas. Primeiramente porque, perder a sede e diminuir nosso tempo?
        Há anos estamos em decadência de trocas. Agora acredito que a maioria seja a favor de ter uma escolha. Ao menos os professores de minha região pensam assim. Trocar é perder….
        Os representantes da Apeoesp sabem disso, o quanto foi difícil esta conquista . Mesmo assim este ano tivemos uma troca de professores e perdas de sedes em virtude do ingresso.
        Não é justo perdemos ainda mais….

      • 19. apeoesp  |  15/11/2014 às 11:58

        Prezada professora Mari,
        Há controvérsias nessa questão, aliás, como quase tudo que diz respeito à atribuição de aulas. Por maioria, as decisões nas instâncias da APEOESP (assembleia, congresso, diretoria e CER) são por reivindicar a atribuição centralizada nas diretorias de ensino e é o que estamos encaminhando.
        Bebel

  • 20. Ferreira  |  06/11/2014 às 23:01

    Boa noite!

    Meu contrato termina em dezembro, já cumpri uma quarentena, agora tenho que cumprir uma duzentena. Mesmo sendo remanescente do concurso vou ter que cumprir a duzentena e esperar o cadastro emergêncial?

    Responder
    • 21. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:21

      Prezado professor Ferreira,
      Infelizmente, sim, a não ser que obtenhamos sentença favorável em nossa ação judicial.
      Bebel

      Responder
  • 22. CLAUDIONOR  |  06/11/2014 às 23:40

    Absurdamente não vejo o menor esforço de nosso sindicato em pautar o concurso de REMOÇÃO…e muito menos sobre os professores que possuem direito constitucional de UNIÃO DE CÔNJUGE! A secretaria não considerou os professores que anteriormente ao concurso de PEB II, estavam fora de seus municípios!

    Responder
    • 23. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:17

      Prezado professor Claudionor,
      O sindicato não apenas pautou o assunto nas duas reuniões anteriores com a SEE, como fez um pedido formal de explicações sobre a questão da atribuição de aulas. Na resposta, a SEE diz que o recente ingresso de novos professores não permite que haja a remoção neste momento e remete a questão da união de cônjuges para a utilização do artigo 22. O departamento jurídico fez um estudo, mas até o momento não ficou definida uma base para uma ação judicial não existe, em função de que o governo alterou a legislação dos concursos de remoção. Obviamente, estamos buscando uma saída jurídica, mas a questão é política.
      Se um governo não negocia com o sindicato, o caminho da categoria tem que ser a luta, a greve. Temos razões suficientes para uma greve: não há reajuste salarial, os concursados não estão todos sendo chamados, não há respeito nem dignidade na contratação dos professores temporários, há assédio moral nas escolas etc, etc. Entretanto, o sindicato vem convocando assembleias desde junho em estado de greve, mas o comparecimento da categoria não tem sido suficiente para a decretação deste movimento. Suponho que você tenha percebido isto em todas as assembleias de que participou, juntamente com os professores de sua escola.
      Então, diante da intransigência do Estado, é preciso que os professores atendam ao chamamento da entidade para a mobilização, porque o limite da negociação, que é feita pela diretoria da entidade, é a possibilidade de que algo seja conquistado pela argumentação e pela palavra. Se isto não ocorre, temos que ir à luta.
      Bebel

      Responder
  • 24. Carlos  |  07/11/2014 às 03:19

    Bebe,

    Pelo o que entendi a atribuição de aulas de 2015 para F e categoria O com contrato vigente será na UE?

    Responder
    • 25. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:07

      Prezado professor Carlos,
      Pleo que depreendemos até aqui das conversas que tivemos com a SEE, sim, mas ainda não há nada oficial neste sentido quanto ao categoria O. Nossa reivindicação é de que seja centralizada nas diretorias de ensino. É preciso aguardar a resolução de atribuição de aulas de 2015 para sanar esta dúvida.
      Bebel

      Responder
  • 26. Mariana  |  07/11/2014 às 13:45

    Quanto as atribuições, quando ela diz que no primeiro momento será na sede de controle isso vale para F e O?? Porque tem Diretoria de Ensino falando que o O vai poder atribuir na casa mesmo.
    Grata

    Responder
    • 27. apeoesp  |  09/11/2014 às 18:04

      Prezada professora Mariana,
      Em contatos com a SEE, temos ouvido a manifestação da pasta em manter as equipes que já estão trabalhando. Ao mesmo tempo, nossa reivindicação é que a atribuição sejam centralizada nas diretorias de ensino. É preciso aguardar a minuta de resolução para a atribuição de aulas de 2015 para podermos sanar esta dúvida.
      Bebel

      Responder
  • 28. Leide  |  07/11/2014 às 16:26

    E sobre os Interlocutores de Libras??

    Responder
    • 29. apeoesp  |  09/11/2014 às 17:55

      Prezada professora Leide,
      Por favor, poderia formular sua pergunta, para que eu possa respondê-la?
      Bebel

      Responder
  • 30. Professor Frustado  |  07/11/2014 às 17:46

    Cara Presidenta, tomando como mote o assunto tratado acima a respeito de pericias e afastamentos, gostaria de perguntar a senhora se não seria um direito do professor ingressar com açao visto que, como eu e toda a nossa classe, no periodo que ficamos afastados para tratamento medico é descontado o valor relativo a previdencia do Estado. Mas como isso é possivel se este tempo como sabemos não é computado nem como tempo para aposentadoria? Não é uma contradição? obrigado

    Responder
    • 31. apeoesp  |  09/11/2014 às 17:55

      Prezado professor Frustrado,
      Sim, claro, você tem razão. A APEOESP tem ação tramitando no TJSP. Infelizmente, não foi concedida liminar e aguardamos o julgamento do mérito da ação.
      Bebel

      Responder
  • 32. Daniel Santos  |  07/11/2014 às 21:52

    Apesar de tudo tem previsão para aumento salarial da categoria, acho que a APEOSP tem que ficar de “olho aberto”, reeleito em primeiro turno o Governador irá querer fazer o que bem querer.

    Responder
    • 33. apeoesp  |  09/11/2014 às 11:59

      Prezado professor Daniel,
      Não. Não há previsão de reajuste. Teremos que ir á greve para tê-lo.
      Bebel

      Responder
  • 34. Roberta  |  08/11/2014 às 00:25

    Prezada Bebel,
    Obrigada por estar nos representando e buscando o melhor para todos os professores.
    Realmente este assunto é de extrema importância. Por isso aproveito o tema em busca de sua orientação.
    Sou professora efetiva há 20 anos na rede estadual e sócia da APEOESP. Todas as vezes que precisei solicitar apoio jurídico, pude contar com toda assessoria disponibilizada pelo sindicato. Agora estou com problemas que podem estar futuramente afetando o meu cargo na rede estadual (pois tenho acúmulo legal, entre a escola Municipal e Estadual).
    Vou tentar ser breve:
    Passei no concurso público de 2011 na cidade de Vinhedo-SP. Trabalhei como contratada de 2011 a 2013. No início de 2014 fui chamada para tomar posse do cargo público, mas não me permitiram escolher a escola. Deixaram meu cargo “na secretaria municipal da Educação” mesmo existindo cargo livre na escola de minha preferência, após remoção de outros professores no final de 2013 (para o ano letivo 2014), ou seja, vagas remanescentes como é determinado na Lei Complementar 4/98 de Vinhedo (§ 4º O concurso de remoção deverá sempre preceder o ingresso, podendo somente ser oferecidas em concurso de ingresso as vagas remanescentes.) Ou seja, no momento do meu ingresso não foi me oferecida a vaga existente e nem permitiram que eu tomasse posse da vaga existente. Agora me forçam a entrar num processo de remoção junto com professores antigos da rede sem que eu tenha uma unidade escolar, o que dificulta a ida para a escola de preferência, pois a classificação dos professores para remoção se faz por tempo de serviço no magistério Municipal de Vinhedo. (Art. 12 A remoção é a passagem do exercício do servidor de uma unidade escolar para outra, dentro do município, preenchendo vagas existentes, sem que se modifique sua situação funcional.).
    Vocês podem me assessorar nesta situação, mesmo sendo um concurso municipal?
    Preciso de orientação urgente, por favor me responda.
    Grata,
    Roberta

    Responder
    • 35. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:39

      Prezada professora Roberta,
      Sim. A APEOESP representa professores estaduais e municipais. Procure o departamento jurídico na subsede.
      Bebel

      Responder
  • 36. Roberta  |  08/11/2014 às 00:33

    Prezada Bebel,
    Preciso de sua orientação.
    Sou professora efetiva há 20 anos na rede estadual e sócia da APEOESP. Todas as vezes que precisei solicitar apoio jurídico, pude contar com toda assessoria disponibilizada pelo sindicato. Agora estou com problemas que podem estar futuramente afetando o meu cargo na rede estadual.
    Vou tentar ser breve:
    Passei no concurso público de 2011 na cidade de Vinhedo-SP. Trabalhei como contratada de 2011 a 2013. No início de 2014 fui chamada para tomar posse do cargo público, mas não me permitiram escolher a escola. Deixaram meu cargo “na secretaria municipal da Educação” mesmo existindo cargo livre na escola de minha preferência, após remoção de outros professores no final de 2013 (para o ano letivo 2014), ou seja, vagas remanescentes como é determinado na Lei Complementar 4/98 de Vinhedo (§ 4º O concurso de remoção deverá sempre preceder o ingresso, podendo somente ser oferecidas em concurso de ingresso as vagas remanescentes.) Ou seja, no momento do meu ingresso não foi me oferecida a vaga existente e nem permitiram que eu tomasse posse da vaga existente. Agora me forçam a entrar num processo de remoção junto com professores antigos da rede sem que eu tenha uma unidade escolar, o que dificulta a ida para a escola de preferência, pois a classificação dos professores para remoção se faz por tempo de serviço no magistério Municipal de Vinhedo. (Art. 12 A remoção é a passagem do exercício do servidor de uma unidade escolar para outra, dentro do município, preenchendo vagas existentes, sem que se modifique sua situação funcional.).
    Vocês podem me assessorar nesta situação, mesmo sendo um concurso municipal?
    Preciso de orientação urgente, por favor me responda.
    Grata,
    Roberta

    Responder
    • 37. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:37

      Prezada professora Roberta,
      Sim, porque o estatuto da APEOESP, para maior clareza, afirma a representação para professores estaduais e das redes municipais de ensino. Procure o departamento jurídico na subsede.
      Bebel

      Responder
  • 38. kaue  |  08/11/2014 às 01:04

    Olá Bebel,
    O professor categoria O participará da atribuição em sua Sede este ano?
    Obrigado

    Responder
    • 39. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:35

      Prezado professor Kauê,
      Sim, se estiver com contrato em vigor.
      Bebel

      Responder
  • 40. Rosa Maria Garcia Silva  |  08/11/2014 às 01:40

    Continuem lutando…E o IAMSPE para a categoria O quando vai dar certo?

    Responder
    • 41. apeoesp  |  08/11/2014 às 20:15

      Prezada professora Rosa,
      Existe uma minuta de projeto de lei. Está nas instâncias do governo para encaminhamento.
      Bebel

      Responder
  • 42. Carlos  |  08/11/2014 às 01:57

    Categoria O escolherá na UE. Existe alguma possibilidade neste sentido? Obrigado

    Responder
    • 43. apeoesp  |  08/11/2014 às 20:14

      Prezado professor Carlos,
      Somente os que já estão na escola. Os demais, na Diretoria de Ensino.
      Bebel

      Responder
  • 44. marli25  |  08/11/2014 às 10:54

    Bom dia, por gentileza…Sou categoria O, tive meu primeiro contrato encerrado no final de 2013, e foi feito novo contrato em janeiro de 2014. Já fiz minha inscrição para 2015. Poderei participar normalmente no processo de atribuição 2015? Aguardo retorno. Grata

    Responder
    • 45. apeoesp  |  08/11/2014 às 20:12

      Prezada professora Marli,
      Sim. Se a inscrição foi feita.
      Bebel

      Responder
  • 46. Belinda Maria Lobo  |  08/11/2014 às 22:34

    Em qual momento irá se discutir o aumento dos salários, tanto o reajuste como o aumento real?

    Responder
    • 47. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:32

      Prezada professora Belinda,
      Estamos discutindo esse assunto com a Secretaria em todas as reuniões desde o segundo semestre do ano passado, conforme os relatos que temos publicado nos boletins da APEOESP (vide este blog e o portal http://www.apeoesp.org.br). Por isso temos realizado as assembleias e entramos em estado de greve em junho de 2014. A greve não foi possível porque este não parece ser o desejo da categoria neste momento, já que o comparecimento às assembleias tem sido pequeno.
      Nesta ultima reunião não tratamos deste assunto porque a resposta do Secretário tem sido repetitiva: encaminhou proposta ao Governador, mas não tem retorno.
      Somente uma forte greve em 2015 pode arrancar algum reajuste salarial, mas a categoria tem que estar disposta a isto.
      Bebel

      Responder
  • 48. Marcos  |  08/11/2014 às 23:09

    Os remanescentes cumpriram duzentena?

    Responder
    • 49. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:29

      Prezado professor Marcos,
      Todos os professores da categoria O que terminam o contrato em 2014 devem cumprir duzentena. Temos ação judicial em tramitação para derrubar essa exigência.
      Bebel

      Responder
  • 50. Thiago  |  08/11/2014 às 23:13

    E sobre as remoções Bebel?

    Outra coisa: o 4º bimestre fecha dia 19/12… Mas a direção da minha escola quer as notas finais no dia 28/11. Legalmente a direção da escola pode pedir isso?

    Eu acho que isso é uma forma de pressão sobre os professores desnecessária. Atropela qualquer planejamento possível…

    Aliás, como imagino que a presidenta saiba, os 200 dias letivos são uma ficção, pois em todos os anos devemos entregar as notas e faltas bem antes e os alunos param de frequentar a escola já na primeira semana de dezembro.

    Responder
    • 51. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:28

      Prezado professor Thiago,
      Não. A direção não pode exigir isto. Você deve cumprir o calendário escolar e a direção também.
      Se configurar assédio moral, denuncie.
      Bebel

      Responder
  • 52. Carlos  |  09/11/2014 às 00:56

    Mas Bebel no início do ano os professores categoria O com contrato vigente escolherão na UE depois dos Fs?

    Responder
    • 53. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:27

      Prezado professor Carlos,
      Sim. Este é o procedimento.
      Bebel

      Responder
  • 54. Katita  |  09/11/2014 às 01:20

    Boa noite, Bebel! Sei que são muitas perguntas para serem respondidas e talvez a minha não tenha sido escolhida, enfim pq na reunião não foi conversado nada sobre a nossa jornada? Quando o senhor secretário junto com o nosso DESgovernador irão cumprir a lei? Primeiro falavam em estudos para cumprir, depois a tal história de cumprir paulatinamente e agora nem sequer é mencionado esse assunto nas reuniões ….necessitamos da jornada, a nossa tarefa na sala é árdua. Um abraço Katita.

    Responder
    • 55. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:24

      Prezada professora Katita,
      Não foi conversado porque priorizamos questões emergenciais e porque em todas as outras reuniões a resposta é sempre a mesma: eles afirmam que já aplicam a jornada do piso e nós afirmamos o contrário. O caso está no Supremo Tribunal Federal e esperamos o julgamento. Há outra forma de resolver o problema: uma grande, ampla e massiva greve, mas é preciso que a categoria esteja disposta a isso.
      Bebel

      Responder
  • 56. Lais  |  09/11/2014 às 04:59

    Quer dizer então que fizemos o concurso para assumir 3 anos depois?
    Presidente passe a sugestão ao governador e a SEE para que as próximas chamadas sejam de autonomia dos DIRIGENTES de cada DRE de acordo com a necessidade, pois sou da DRE leste 5 e aqui existem mais de 40 cargos de matemática e a chamada parou exatamente no meu numero, agora se tem cargos por que não ter a chamada?
    Muitos professores estarão sem emprego ano que vem e grande parte passou no concurso.
    Cade a APEOESP para nos ajudar?
    Nos estamos combinando de ir em frente a SEE com cartazes e nos manisfestar exigindo a próxima chamada para esse ano, pois tem vagas sim.

    Responder
    • 57. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:21

      Prezada professora Lais,
      A SEE diz que da última chamada ainda há professores que não assumiram e que só é possível realizar nova chamada após um balanço geral das vagas existentes. Vou ponderar sobre sua sugestão, mas não concordamos com ingresso durante o ano letivo, pois causa grandes tumultos e prejuízos para os professores que estão ministrando aulas e para os alunos. Se for possível ingresso ainda no início de 2015 é a solução ideal.
      Bebel

      Responder
      • 58. Carlos  |  09/11/2014 às 11:20

        Prezada Bebel,
        Sabe pq não há greve?! Pq os professores deixaram de acreditar em vocês. Estão se mostrando omissos, um sindicato sem voz, sem representação.

      • 59. apeoesp  |  09/11/2014 às 11:43

        Prezado professor Carlos,
        Sindicato e reivindicações salariais e profissionais não são questões de fé. Não se trata de acreditar ou não. Trata-se de mobilização e de condições objetivas para a luta. O fato é que foram realizadas várias assembleias, convocadas por carta, boletins, cartazes, telefonemas e anúncios pagos na tv. Diferentemente de você, eu respeito a vontade da base e confio no discernimento dos professores. Sei que no momento certo eles virão e definirão pela realização da greve, se esta for a sua vontade.
        Para julgar assim a atuação do sindicato, acredito que você é uma forte liderança, reconhecida em sua escola e capaz de mobilizar os professores, coisa que, segundo você, o sindicato não consegue. Então acredito que sua escola participou em peso das assembleias e você esteve presente em todas, certo. Por que, se assim não for, fica difícil aceitar sua crítica tão destrutiva.
        Bebel

  • 60. Manoel Vasques  |  09/11/2014 às 09:23

    Prezada Bebel,

    Gostaria de saber se após 90 dias do meu pedido protocolado de aposentadoria na secretaria da escola, já posso me afastar, mesmo não tendo saído a aposentadoria oficialmente?

    Obrigado

    Prof. Manoel

    Responder
    • 61. apeoesp  |  09/11/2014 às 10:19

      Prezado professor Manoel,
      A SPPREV diz que o afastamento só conta do momento em que o pedido entra no sistema deles, mas discordamos disso. Por favor, entre em contato com o departamento jurídico na subsede ou ligue para 11.33506214 para orientar-se melhor.
      Boa sorte.
      Bebel

      Responder
      • 62. Luiz Sérgio  |  09/11/2014 às 11:15

        Recebi informações do CGRH que o professor que nunca cumpriu quarentena ou duzentena faz jus a cumprir 40 dias uma única vez. Liguei no setor responsável de legislação do CGRH e tive a informação que a Lei Complementar n° 1.215, de 30 de outubro não sofreu mudanças . Então a informação QUE TODOS OS REMANESCENTES DE 2013 IRÃO CUMPRIR DUZENTENA NAO PROCEDE. Diga-se de passagem que é uma vergonha esse sindicato não ter voz contra tais massacres ao professor categoria O e não cobrar uma terceira chamada. Deixei de acreditar em vocês ha muito tempo.

        Lástimas.

      • 63. apeoesp  |  09/11/2014 às 11:49

        Prezado professor Luiz Sérgio,
        Agradeceria se você me demonstrasse em que lugar escrevemos que todos os remanescentes do concurso irão cumprir duzentena. Eu própria não escrevi ou disse isto em lugar algum, porque seria uma inverdade. Somente os remanescentes do concurso que são categoria O e que terminam seus contratos em 2014 terão que cumprir a duzentena, se não conseguirmos sucesso em nossa ação judicial.
        Caso não seja capaz de demonstrar que escrevi diferente disto, espero que seja então capaz de desculpar-se. Por outro lado, se por um lapso dei uma informação errada, terei imenso prazer em desculpar-me, humildemente.
        Quanto a cobrar uma terceira chamada, creio que você deveria ler os boletins da APEOESP antes de fazer a afirmação de que não temos feito isso. Se tiver comparecido às assembleias, sabe que isto não é verdade.
        Bebel
        Bebel

  • 64. marli25  |  09/11/2014 às 11:24

    Bom dia…
    Bebel…vi sua resposta para um professor, onde vc responde que professor Categoria O, escolhe aula na UE. Conforme resolução de atribuição 2014, só escolheu na UE os professores F ou efetivos que acumulam como categoria O. Os professores que são apenas categoria O tem que ir para a DE. Bom verificar sua resposta, pois isso vai gerar confusão.
    Abraços

    Responder
    • 65. apeoesp  |  09/11/2014 às 11:38

      Prezada professora Marli,
      Vamos aguardar a nova resolução. A intenção manifestada pela SEE é a de fixar os professores nas escolas onde estão.
      Bebel

      Responder
  • 66. Karina  |  09/11/2014 às 12:42

    Estou lendo os posts aqui e vendo que você Bebel está dizendo aos professores da categoria O que atribuição deles é na Unidade Escolas (na sua sede), nunca foi assim, por mais que o professor categoria O tenha vinculo em uma determinada escola quando chega o processo de atribuição do ano seguinte esses professores categoria O sempre escolhem nas Diretorias de Ensino. É preciso ter uma certeza disso Bebel porque os professores ficam na esperança de escolher suas aulas naquela unidade escolar.

    Responder
    • 67. apeoesp  |  09/11/2014 às 17:46

      Prezada professora Karina,
      Você tem razão. Esta possibilidade se depreende da manifesta intenção da SEE de fixar os professores nas unidades escolares e manter as equipes. Mas devemos aguardar a resolução de atribuição de aulas para 2015.
      Bebel

      Responder
  • 68. Patricia  |  09/11/2014 às 16:46

    Professora Isabel concordo com o comentario da Lais, pois na minha DRE também tem vagas ou seja vaga é o que não falta.
    Negocie com a SEE para que cada DRE tenha autonomia para chamar conforme a necessidade.
    Quanto a não ter bagunça no meio do ano eu até entendo, porem a senhora a de concordar que esperar até 2016 é muito e temos famílias né.
    A chamada pode sim ocorrer ainda esse ano no fim de Novembro para assumir até fev

    Responder
    • 69. Marcel  |  11/11/2014 às 23:16

      Concordo com você Patrícia. Minhas despesas com filhos não espera e eu para trabalhar precisarei esperar a boa vontade dos outros, porque cargos existem, mas não querem convocar. Como pode haver professores que não assumiram? Esses que estão atrasados deveriam ter ir para o final da fila. Existe prazo para as coisas e essa benevolência só está nos prejudicando. Terceira chamada já.

      Responder
  • 70. Rosana  |  09/11/2014 às 19:26

    O que devemos fazer fazer para a 3° chamada ser esse ano já que existem vagas?

    Responder
    • 71. apeoesp  |  15/11/2014 às 13:24

      Prezada professora Rosana,
      Estamos pressionando para que a chamada seja feita neste ano, porém a SEE diz que não pode fazê-la porque faltam professores da chamada anterior tomarem posse. A saída é mais pressão. Por isso estamos convocando uma manifestação no dia 5/12 em frente à SEE.
      Bebel

      Responder
  • 72. Luiz Sérgio  |  09/11/2014 às 20:44

    Prezada Bebel…
    A sra. acabou de repetir : “Somente os remanescentes do concurso que são categoria O e que terminam seus contratos em 2014 terão que cumprir a duzentena…”. Isso não é verdade, o certo é: ” Somente os remanescentes do concurso que são categoria O e que terminam seus contratos em 2014 e que ja tenham cumprido a quarentena na interrupção do contrato anterior terão que cumprir a duzentena…”. Lei complementar 1.215 30 de Outubro de 2013.

    Responder
    • 73. apeoesp  |  15/11/2014 às 13:20

      Prezado professor Luiz Sérgio,
      Exatamente. Aqueles que já cumpriram a quarentena uma vez e que terminam seus contratos agora terão que cumprir a duzentena. Os demais estão com contratos em vigor ou são novos.
      Bebel

      Responder
  • 74. Renata  |  10/11/2014 às 02:07

    Bebel, fiquei preocupada em relação aos O escolherem na UE, no meu caso sou F, tenho uma boa pontuação, passei no concurso, mas ainda não fui chamada Em 2015 não vai ter aulas na minha sede. Nesse caso se os O escolherem na UE o que vai sobrar pra nós que somos F na DE ? Veja bem, não tenho nada contra, mas nós que somos F, temos que escolher primeiro.

    Responder
    • 75. apeoesp  |  15/11/2014 às 13:19

      Prezada professora Renata,
      Em todas as situações, os professores da categoria F escolhem antes dos professores da categoria O.
      Estamos reivindicando da SEE que a atribuição de todos (O e F) seja centralizada nas DEs.
      Bebel

      Responder
  • 76. Kátia  |  10/11/2014 às 13:22

    Quando o estado emitirá a nota da prorrogação no D.O? Será prorrogado em mais 2 anos? Isto é, até 2017 podemos ser convocados? É triste saber que a gente teremos de esperar por 4 anos para sermos efetivados, sendo que o há falta de professores na rede.

    Responder
    • 77. apeoesp  |  15/11/2014 às 13:12

      Prezada professora Kátia,
      A prorrogação só pode ocorrer quando findar o prazo inicial de dois anos de validade.
      Bebel

      Responder
  • 78. Douglas C.  |  10/11/2014 às 15:32

    Como é possível fazer uma GREVE ou MANIFESTAÇÃO?

    Há alguma possibilidade real e verdadeira que permita através de processo individual ou coletivo processar o Estado, tal como outros profissionais processam seus empregadores para que haja uma mudança real com o respaldo daqueles que são respeitados pelo próprio Estado, o poder judiciário?

    Em resumo é possível processar o Estado efetivamente para que algo mude?

    Pois, greve e manifestação todos sabemos que não vai acontecer…

    Além da pergunta peço permissão para esboçar uma reflexão.

    A greve ou a participação nas manifestações é de longe inviável, é uma utopia, por um lado pelo fato de que a categorização massiva da nossa profissão, por levar a uma forma ridícula de pensamento que professores reproduzem com “apenas categoria O”, “os da categoria F, N, P, V, e todo o abcedário; os EFETIVOS”, e assim por diante, não sabem nada um do outro, mas olham com a ponta empinada do nariz, como se fossem superiores, somos todos professores explorados e desunidos sem nenhuma possibilidade de sobrevivência digna se comparado a outras profissões com nível superior, o Estado, o aluno, a mídia, a família em geral ri da gente, que como barata se esbarra um no outro e sem direção, a burocracia nos humilha, e nos impossibilita de fazer greve, ou de manifestar-se, não por comodismo apenas, mas pela simples necessidade de sobrevivência, quantos já perderam dinheiro e tiveram conquistas mínimas. Quantos tiveram que mudar de profissão para não passar fome. E porque ainda existem tantos cursos de graduação? Se o Estado não precisa de professores?

    Responder
    • 79. apeoesp  |  15/11/2014 às 13:07

      Prezado professor Douglas,
      Sinto discordar de você. Manifestações, greves e movimentos são decididos pelas pessoas e realizados pelas pessoas. Não são eventos da natureza, que ocorrem ou não ocorrem, sem controle. São decididos, organizados e realizados por nós mesmos. Se houver vontade e decisão, eles ocorrerão. E já ocorreram várias vezes e várias vezes deram resultados, mais próximos ou mais distantes do que pretendíamos.
      Creio que se nos ocupássemos mais de realizar nossa vontade do que analisarmos a vontade do outro, os fatos ocorreriam como desejamos que ocorram. A quantidade de professores que diz que faria determinada coisa, mas que o colega é que não faz, seria suficiente para fazermos assembleias, atos, mobilizações greves gigantescas, como já fizemos em outras ocasiões. Será que não atribuímos ao colega do lado uma indecisão que na verdade é nossa?
      Não existe forma jurídica de resolver um problema político e sindical. Sim, temos muitas ações judiciais contestando inúmeros aspectos das políticas do governo, inclusive toda a forma de contratação dos professores da categoria O. Mas a justiça julga se as medidas são legais ou não, constitucionais ou não, se ferem direitos ou não. A justiça não julga se um governo é competente ou não, se tem boas políticas ou não.
      Somos uma categoria com 230 mil profissionais. Mesmo que uma grande parte não queira sem mobilizar (embora seja beneficiada pelos resultados das mobilizações que outros fazem) ainda teríamos gente para fazer muitas e grandes mobilizações. Mas precisamos agir pela nossa própria vontade e determinação e não deixar de fazer algo ou fazê-lo de acordo com a atitude do colega ao lado.
      Eu creio que, assim, seremos muitos e seremos fortes. Os demais virão depois.
      No dia 5 de dezembro faremos um ato público em frente à Secretaria da Educação. Eu espero um grande comparecimento. Que venham todos os que querem mudar a situação.
      Bebel

      Responder
  • 80. Ana  |  10/11/2014 às 22:04

    Boa noite Bebel. tudo bem?

    Primeiramente obrigada pro todo o trabalho do sindicato!

    Gostaria de esclarecer algumas duvidas sobre as atribuições do ano de 2015.

    Sou professora categoria O com contrato que se encerra no final deste ano, mas, graças a Deus passei no concurso, então a minha situação ficaria como? Me enquadro no cado da duzentena, ou por participar da atribuição por ser aprovada no concurso fico desobrigada a cumprir?

    Obrigada pela atenção

    Ana

    Responder
    • 81. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:54

      Prezada professora Ana,
      Infelizmente, prevalece a lei 1093/09, ou seja, você precisa cumprir a duzentena, se não conseguirmos derrubá-la.
      Temos ação judicial tramitando. Não conseguimos liminar e estamos aguardando julgamento do mérito da ação.
      No dia 5/12 vamos realizar um grande ato na frente da SEE para pressionarmos a SEE quanto a essa e outras questões.
      Bebel

      Responder
  • 82. Pedro  |  10/11/2014 às 23:49

    Bebel, vocês informaram o seguinte “… A Secretária Adjunta informou que pretende abrir o cadastro emergencial logo no início do ano e concordou que a inscrição se faça nas Diretorias de Ensino. ”

    Estão dizendo que as inscrições dos contratados acontecerão a partir do dia 19/janeiro e essa data pode ser tudo, menos ser considerado ‘início do ano’. Está na hora de solicitarmos a antecipação das atribuições (se possível para o dia 5 de janeiro) e deixar para que o cadastro emergencial aconteça no dia 19.

    Responder
    • 83. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:51

      Prezado professor Pedro,
      Não existe possibilidade alguma do cadastro emergencial ser aberto antes da atribuição de aulas, que ocorre na segunda quinzena de janeiro.
      Se você considera que os meses de janeiro e fevereiro não são “início do ano”, eu poderia também dizer que o dia 5 de janeiro não seria “início do ano”, mas apenas o dia 1º ou 2.
      Não vamos solicitar que a atribuição seja realizada no dia 5 de janeiro porque os professores tem direito a férias e a recesso escolar. Como sindicato, não seremos nós a interromper as férias dos professores. Pelo contrário, estamos reivindicando da SEE que a atribuição ocorra nos últimos dias de janeiro. Como trabalhadores incansáveis e sujeitos a grandes pressões durante o ano, os professores tem direito a merecido descanso.
      Bebel

      Responder
  • 84. Edna Santana  |  11/11/2014 às 01:09

    Olá Bebel, também compartilho da opinião da colega acima, quanto à demora da 3ª chamada! Agora, o governo alega estar ”acomodando” ainda profs que ingressaram, mas ele não pensou assim, da 1ª, para a 2ª chamada! Ou seja: teve bem menos tempo entre a 1ª e a 2ª! Agora, nosso governador que intevalar todo esse tempo,enquanto tantos categorias O’s, estão aí, de duzentena, impedidos de se inscreverem, passaram no concurso,e serão obrigados a ver vagas e não poder trabalhar! Nós, da 3ª chamada, principalmente, estamos realmente, desanimados…

    Responder
    • 85. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:45

      Prezada professora Edna,
      Você tem razão. Vamos continuar tentando pela via da negociação, mas é fundamental, agora, a mobilização.
      Vamos realizar um grande ato na frente da SEE no dia 5 de dezembro. Ajude a mobilizar a sua escola para pressionar o governo.
      Bebel

      Responder
  • 86. Cybelle  |  11/11/2014 às 14:36

    Cara professora Bebel
    Li os comentários e em resposta a uma nova chamada para os remanescentes do concurso, diz esta ser concretizada em 2016. Peço ao sindicado que interceda para que esta ocorra já para o ano de 2015, visto que há vagas, tempo hábil ( o que falta é boa vontade e agilização) e que nós remanescentes do concurso, estamos na espera que isto ocorra, precisamos muito poder trabalhar com a certeza da efetivação. Como já mencionado pelos colegas, vagas é o que não faltam nas diretorias. O que não pode é deixar o concurso caducar, afinal no último concurso, vocês conseguiram junto a secretaria que todos fossem chamados! Peço também que se caso a atribuição ocorra na U E (o que seria ideal), que está também ocorra para a categoria O, pois já estamos trabalhando na mesma. Caso seja na diretoria, corremos o risco de no primeiro momento ficarmos sem aula, pois na D. E. a chamada inicia-se primeiro chamando efetivo e categoria F novamente e por fim, nós da categoria O. Precisamos de um processo de atribuição mais justo, já que já é tão injusto sermos divididos em categorias.
    Abraços

    Responder
    • 87. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:39

      Prezada professora Cybele,
      Sim, estamos fazendo isso. O problema é que a SEE alega que ainda há professores da chamada anterior que não tomaram posse e que não poderia realizar nova chamada.
      Sabemos que há desorganização e má-vontade também. Mas, neste caso, os limites de conversas e negociações são estreitos, já que a SEE se mantém intransigente. Aí entra o papel da mobilização e da pressão sobre o governo. Estamos organizando o um grande ato para o dia 5/12. Precisamos de muita gente lá para demonstrar a insatisfação da categoria. Isto poderá forçar alguma negociação concreta.
      Quanto à atribuição, as decisões de maioria em assembleias, congressos e reuniões do CER da APEOESP são pela atribuição centralizada nas DEs, o que já solicitamos à SEE. Também acho que essa divisão em categorias é absurda, mas, como já disse, quanto menos nos mobilizamos, mais o governo realiza desmandos.
      Bebel
      Bebel

      Responder
  • 88. Tiago  |  11/11/2014 às 15:58

    olá bebel
    Os professores que encerram contrato em dezembro terão que cumprir duzentena? vejo que estamos esperando uma decisão judicial, mas até quando teremos uma resposta. O professor contratado já é excluído de tantos direitos e agora terá que cumprir duzentena isso é absurdo. Acredito que uma mobilização e o sindicato presente nas escolas para informar sobre a situação seria benéfico para uma greve senão de toda categoria pelo menos do categoria O .

    Responder
    • 89. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:34

      Prezado professor Tiago,
      Estamos aguardando a decisão da justiça. Na negativa de liminar, o juiz diz que pode decidir até dezembro, mas esperamos que a decisão saia antes.
      Estamos preparando um grande ato para o dia 5/12 na Secretaria da Educação. Um dos pontos centrais será esse.
      Bebel

      Responder
  • 90. Cristiane Salvador  |  11/11/2014 às 18:01

    Prezado Senhores,

    Já fiz essa pergunta outro dia, mas não obtive resposta.Por favor gostaria de saber o seguinte:
    Tenho minha liquidação de tempo publicada, gostaria de saber como funciona esse prazo de seis meses, pois caso eu ultrapasse esse tempo eu tenho que pedir nova publicação. Minha dúvida é: caso eu não saia dentro de seis meses e mudar alguma coisa na legislação , quanto a salario, idade , ou qualquer outra mudança, eu entro na legislação nova ou tenho direitos adquiridos?
    Estela A.S.R .da Silva

    Responder
    • 91. apeoesp  |  15/11/2014 às 12:24

      Prezada professora Estela,
      Vou encaminhar sua dúvida para o departamento jurídico, porém, creio que você não pode sofrer consequências de mudança de legislação na medida em que já ingressou com seu pedido e a demora é do Estado. Imagino que haveria, no mínimo, margem para contestação judicial.
      Aguarde um posicionamento do departamento jurídico.
      Boa sorte.
      Bebel

      Responder
  • 92. Alessandro  |  12/11/2014 às 02:46

    Tenho uma dúvida, gostaria muito que me ajudasse. Fui convocado na primeira chamada pela minha primeira chamada, porém não compareci á escolha de vaga pelo fato de ainda não ter me formado, caso eu venho ser convocado pela segunda opção, eu poderei tomar posse?

    Responder
    • 93. apeoesp  |  15/11/2014 às 11:56

      Prezado professor Alessandro,
      Sim, se tiver o diploma. Poderá ainda ser chamado na “repescagem”, ao final de todo o processo.
      bebel

      Responder
  • 94. Alessandro  |  12/11/2014 às 02:48

    Tenho uma dúvida, gostaria muito que me ajudasse. Fui convocado na primeira chamada pela minha primeira opção, porém não compareci à escolha de vaga pelo fato de ainda não ter me formado, caso eu venha a ser convocado pela segunda opção, eu poderei tomar posse?

    Responder
    • 95. apeoesp  |  15/11/2014 às 11:55

      Prezado professor Alessandro,
      Sim, se estiver de posse do diploma. Poderá ainda ser convocado na “repescagem” ao final de todo o processo.
      Bebel

      Responder
  • 96. Maria  |  15/11/2014 às 20:54

    Quanto a escolha de aulas para 2015, será atribuição do diretor ou escolha dos professores???
    Obrigada

    Responder
    • 97. Maria  |  15/11/2014 às 20:55

      A pergunta é em relação aos professores efetivos.
      ]

      Responder
    • 98. apeoesp  |  20/11/2014 às 14:13

      Prezada professora Maria,
      A exemplo deste ano, estamos ingressando na justiça para garantir o direito de escolha dos professores.
      Bebel

      Responder
  • 99. Rogerio Alexandre Garcia  |  16/11/2014 às 12:17

    Sou Categoria O , com contrato de 2013, no entanto meu contrato se encerra este ano e sou remanescente do concurso PEB II, já possuo aulas atribuídas, poderei participar da atribuição em minha sede ?

    Responder
    • 100. apeoesp  |  20/11/2014 às 14:09

      Prezado professor Rogério,
      Infelizmente, se já usou a quarentena uma vez, não poderá participar da fase inicial da atribuição, a não ser que consigamos derrubar a duzentena. Temos ação judicial no TJSP e aguardamos o julgamento.
      Bebel

      Responder
  • 101. cristiane de paiva reguero  |  19/11/2014 às 00:46

    dúvida: os remanescentes do concurso, são aqueles que passaram no concurso e ainda não foram chamados ?

    Responder
    • 102. apeoesp  |  20/11/2014 às 13:17

      Prezada professora Cristiane,
      Sim. Exatamente,
      Bebel

      Responder
  • 103. Aline  |  19/11/2014 às 10:15

    Bebel como fica a situação da cat O que o contrato vence agora em 2014??? Simplesmente não fica, estamos desempregados e ponto???A apeoesp não vai fazer nada??? Isso é uma injustiça, professor viver assim sem uma segurança, somos seres humanos, quanta humilhação e nada de ajuda….

    Responder
    • 104. apeoesp  |  20/11/2014 às 13:14

      Prezada professora Aline,
      Como pode afirmar que a APEOESP não vai fazer nada?!!! Acredito que sequer leu o texto que está comentando. Já estamos fazendo. Não apenas a APEOESP está cobrando da SEE que seja permitida a participação de todos na atribuição de aulas, como temos ação judicial em tramitação no TJSP, da qual estamos aguardando julgamento. Isto vem sendo informado por nós desde o mês de outubro!
      Como professores, devemos ter o hábito de ler a informações publicadas e, aí sim, fazer nossas críticas, se houver motivo para tanto.
      Bebel

      Responder
  • 105. Bruno  |  19/11/2014 às 16:13

    Cara Bebel,o sindicato na qual a senhora e presidente está sendo desacreditado pela classe. A maioria dos professores que tenho encontrado não concordam com as atitudes tomadas pelo sindicato até mesmo a 3º chamada foi deixada de lado gostaria de saber quando o sindicato ira tomar posição sobre isso pois, que me consta quem deve ser mantido o aprovado em concurso e efetivado , vário professores aqui tiveram a capacidade de serem aprovados no certame porque então não defender esses professores que esperam a efetivação ?

    Responder
    • 106. apeoesp  |  20/11/2014 às 13:08

      Prezado professor Bruno,
      Obviamente, você tem sua opinião, que para mim tem tanto valor quanto os apoios que o sindicato recebe em nossas visitas às escolas, nas reuniões do CER, nas cartas que recebo e neste blog, como você poderá ver lendo os diversos comentários.
      Gostaria que não atribuísse a mim ou ao sindicato atitudes e desmandos do governo. Não somos nós quem fazemos as chamadas do concurso que, aliás, só existiu graças à nossa greve de 2013. Portanto, não posso aceitar que você venha acusar a APEOESP, que luta o ano inteiro em defesa dos professores.
      Gostaria que antes de fazer afirmações, você lesse os textos que publicamos. Se ler, verá que cobramos uma posição da SEE, como aliás vimos fazendo em todas as reuniões anteriores. A resposta da SEE – e não a nossa – é a de que não será possível uma nova chamada para 2015. De nossa parte, não aceitamos o ingresso no meio do ano letivo, causando tumultos e desempregando professores que tiveram aulas atribuídas. A SEE respondeu que fará a chamada em 2015 para posse em 2016.
      Quando o sindicato conquistou o concurso público, não vi nenhuma mensagem sua reconhecendo o resultado de nossa luta e de nosso esforço. Continuamos lutando da mesma forma, mas não podemos ver apenas um lado da questão.
      Bebel

      Responder
  • 107. katia Araujo  |  20/11/2014 às 02:05

    Boa noite Bebel !
    O professor de categoria O não efetivo, pode pleitear uma vaga como coordenador ?

    Responder
    • 108. apeoesp  |  20/11/2014 às 12:12

      Prezada professora Katia,
      Em princípio, não, por ser temporário. Informe-se melhor pelo telefone 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 109. Carla  |  22/11/2014 às 13:14

    Prezada Bebel, o que significa já ter cumprido 40 dias de carência?! Exemplo: assinatura do primeiro contrato em 2013, final do ano letivo, ferias e recesso, nova atribuiçao em 2014, encerranento de contrato em dezembro. O periodo de Ferias e recesso ja vale como cumprimento de quarentena? Mas se sim, nao teriamos q ter recebido as ferias e em 2014 termos assinado novo contrato? Nesse caso prevalece a duzentena?! Vejo muitos fazendo confusao, ate onde sei, o contrato vale por ate dois anos letivos e a ruptura so vale ao assinarmos a quebra. Me oriente. Grata.

    Responder
    • 110. apeoesp  |  23/11/2014 às 12:30

      Prezada professora Carla,
      Se, antes do contrato de 2013, você ainda não tinha nenhuma período de trabalho como categoria O, cumprirá a quarentena pela primeira vez. Assim, poderá voltar na atribuição inicial no final de janeiro. Se você é remanescente do concurso, está automaticamente inscrita.
      Bebel

      Responder
  • 111. Aline  |  24/11/2014 às 12:06

    Bebel eu li sim o texto e acompanho todas as informações da APEOESP, porém estou sim desesperada, eu leio e fico feliz pelo que vejo, porém os dias estão passando e cada vez mais estou perto do desemprego e vejo que o que eu li ainda não se concretizou. Amo o que faço e estou triste e revoltada com esta situação. Espero que nós professores possamos contar com o apoio de vocês.
    Obrigada e desculpa o desabafo

    Responder
    • 112. apeoesp  |  25/11/2014 às 12:47

      Prezada professora Aline,
      Não apenas contam com o apoio do sindicato, como estamos lutando com todas as nossas forças para que a situação se resolva favoravelmente. Pressionamos o governo, buscamos negociação, voltamos a nos reunir, fizemos assembleias, ingressamos na justiça e, agora, estamos convocando o ato público do dia 5/12. Este o papel do sindicato: representar, negociar, pressionar, organizar a luta, chamar a categoria, recorrer à justiça quando necessário. Nós o estamos cumprindo. Infelizmente o poder não está em nossas mãos.
      Bebel

      Responder
  • 113. TIAGO  |  25/11/2014 às 15:48

    Olá Bebel
    Sou professor categoria O com contrato encerrando e percebi que a apeoesp está lutando pela derrubada da duzentena, porém, não consigo achar informações a respeito do andamento da ação judicial, por favor poderia me ajudar. Agradeço sua luta por nós categoria o e peço que divulguem o ato do dia 05 para pressionarmos esse governo e acabarmos de vez com a duzentena. Outra dúvida caso caia a duzentena o cadastro emergencial será já no começo do ano para quem está encerrando contrato. Obrigado.

    Responder
    • 114. apeoesp  |  29/11/2014 às 12:43

      Prezado professor Tiago,
      A ação foi julgada improcedente em primeira instância e ingressamos com recurso. No dia 5 de dezembro faremos um grande ato na frente da SEE, sendo este um dos pontos principais.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,860,965 hits

Comentários

apeoesp em
apeoesp em Temer, inimigo da educação, ve…

%d blogueiros gostam disto: