Todos ao ato público no dia 5 de dezembro!!

19/11/2014 at 19:43 48 comentários

O Conselho Estadual de Representantes da APEOESP, reunido no dia 14 de novembro, decidiu que o sindicato realizará um grande ato público dos professores no dia 05 de dezembro, sexta-feira, às 14 horas, em frente à Secretaria da Educação, na Praça da República.

Até esta data, as Subsedes da APEOESP devem realizar atos públicos regionais, em relação aos eixos de luta que vão abaixo, mas, sobretudo, quanto aos pontos que mais afetam os professores e as comunidades escolares de suas respectivas regiões.

As subsedes devem também realizar uma massiva convocação em todas as escolas para garantir um grande número de professores no dia 05/12 para lutar:

  • Por atribuição de aulas justa, transparente e centralizada nas DEs. A APEOESP vai ingressar com ação judicial para que todas as aulas, inclusive de projetos, sejam disponibilizadas na atribuição de aulas. Da mesma forma, ingressará novamente com ação judicial para que seja garantido o direito de escolha de aulas aos professores na atribuição;
  • Em defesa dos professores da categoria O, da participação de todos na atribuição de aulas e fim da duzentena;
  • Que seja assegurado ao professor PEB I seu emprego como temporário ou categoria F se não for aprovado no concurso;
  • Por uma nova forma de contratação de professores temporários. Transitoriamente, assegurar aos professores da categoria O os mesmos direitos da categoria F, até que sejam aprovados em concurso público;
  • Contra o fechamento de classes e escolas, sobretudo no ensino médio. A APEOESP vai realizar campanha pela manutenção e abertura de classes no ensino médio noturno, inclusive com medidas judiciais. Vai denunciar ao Ministério Público o fechamento de salas de aula e seus prejuízos a estudantes e professores.
  • Contra a superlotação das salas de aula;
  • Pela implantação da jornada do piso;
  • Por aumento salarial de 75,33% para equiparação com as demais categorias com formação de nível superior, rumo ao piso salarial do DIEESE para jornada de 20 horas semanais de trabalho;
  • Pela garantia de licenças e atendimento médico para os professores doentes. A APEOESP vai realizar uma campanha cujo lema será; “Pelo Direito à Vida. Professor doente não consegue lecionar.”
  • Pelo fim da escola de tempo integral do governo estadual;
  • Contra alterações curriculares que reduzem disciplinas ou número de aulas;
  • Pelo fim das escolas “padrão Nakamura” (escolas de lata) e construção de unidades de alvenaria nas mesmas regiões em os estudantes residem;
  • E outras reivindicações que constam na pauta do sindicato.

O CER aprovou ainda outros eixos de luta e atividades que a APEOESP deve realizar no próximo período:

  • Continuar e ampliar a campanha sobre a crise hídrica, que atinge escolas e outros serviços públicos, denunciando a responsabilidade do Governo Estadual e cobrando soluções. É fundamental que continuem a ser comunicadas as escolas com problemas de abastecimento de água para: http://www.apeoesp.org.br/falta-de-agua.
  •  Organizar amplo debate, com a contribuição de diferentes correntes de pensamento, sobre o movimento articulado da direita no país e as perspectivas de luta. Debater o papel da mídia neste contexto. Publicar balanço do processo eleitoral e seus resultados.
  • Lutar contra a xenofobia, a homofobia e o machismo;
  • Lutar contra a redução da maioridade penal. O Estado deve investir em educação pública de qualidade e políticas para a juventude e não em criminalização e presídios para os jovens;
  • Participar da luta pela Reforma Agrária;
  • Participar a luta pelo fim das terceirizações;
  • Participar da luta pelo fim do superávit primário;
  • Realizar debate para subsidiar a luta pela Reforma Política, em todos os seus aspectos (como o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais, regras partidárias, participação popular e outros). Debater a constituinte exclusiva para a Reforma Política e o plebiscito oficial para que a população decida a respeito;
  • Debater a questão da retirada das tropas brasileiras do Haiti.
  • Lutar pela democratização dos meios de comunicação. Realizar novo seminário sobre o tema.
  • Publicar um balanço de 20 anos de políticas educacionais do PSDB em São Paulo. Denunciar demissões de professores e demais políticas do Governo Estadual.
  • Lutar pelo Plano Estadual de Educação emancipador e inclusivo, construído de forma democrática e participativa;
  • Realizar campanha pela democracia nas escolas, contra o assédio moral, em defesa dos professores (sobretudo da categoria O, hoje em situação mais vulnerável), com cartaz e outros materiais que orientem e indiquem formas de denúncias e providências contra assédio moral e abusos de poder por parte de gestores;
  • Distribuir carta aos pais no início do ano letivo sobre a criação e o funcionamento dos conselhos de escola.

 

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Cronograma para a divulgação da classificação dos inscritos para a atribuição inicial Vamos todos reivindicar nossos direitos!

48 Comentários Add your own

  • 1. Faustina Amorin da Silva  |  19/11/2014 às 20:23

    Parabéns APEOESP pelo seu trabalho em defesa da escola pública,dos professores e da democracia.

    Responder
    • 2. apeoesp  |  20/11/2014 às 12:59

      Prezada professora Faustina,
      Muito obrigada pelas suas palavras. Vamos continuar lutando juntos.
      Bebel

      Responder
  • 3. Prof. Roberto  |  19/11/2014 às 21:06

    Parabéns sindicato, meritocracia foi por água abaixo.

    Não tem nada para os remanescentes e coitado dos professores PEB I que forem aprovados!!!! Ao invés de contratar todos os aprovados, que deem espaço pros vagabundos que não conseguem o direito de serem aprovados em um concurso público.

    O sindicato representa aqueles que não tem a capacidade de conquistar o direito graças ao concurso e para isso ferrará com a vida dos aprovados. Tanto é verdade que já rola boatos na rede que o sindicato pretende incentivar o estado a convocar os aprovados PEB II no final de 2015 para o exercício em 2016.
    E agora uma nova, dar estabilidade para os que não forem aprovados no PEB I.

    Agora me responda, para que estudar? De acordo com o sindicato, quem está na rede tem que ter o emprego garantido e os aprovados só no lamento.

    Vocês vão contra a CF88 que diz que professor tem que ser aprovado em concurso.

    O sindicato representa toda essa corja de professores que ficam com a bunda sentada na cadeira e não se esforçam em passar no concurso, pois sabem que tem gente que os apoiam.

    Acredito em Deus e que este todo poderoso há de ignorar essa passeata e o estado beneficiará aqueles que vão atrás, os que estudam e priorizem a meritocracia. Mesmo que para isso seja necessário mandar embora os temporários e os estáveis.

    Vocês prejudicam os remanescentes, mas estes tem a lei e o ministério público em nosso favor. Vamos pedir para o ministério mandar todos os contratados PEB I embora para que o estado convoque os aprovados!

    SINDICATO, VOCÊS NÂO NOS REPRESENTAM…

    Responder
    • 4. apeoesp  |  20/11/2014 às 12:58

      Prezado professor Roberto,
      Em primeiro lugar, o concurso público foi uma conquista das nossas lutas, da greve de 2013, da pressão da APEOESP sobre o governo. A luta por concursos públicos faz parte da nossa história e vamos continuar lutando por eles. Foram 59 mil vagas, houve duas chamadas e continuamos exigindo da SEE que chame todos os concursados. Já obtivemos o compromisso de que a validade do concurso será prorrogada por mais dois anos.
      O boletim que você leu diz respeito aos assuntos tratados na reunião do Conselho de Representantes e as questões que ali foram levantadas como prioridade. No ato público serão tratadas essas questões e todas as demais que afetam nossa categoria. São dezenas de pontos e não os retomamos todos a cada reunião.
      Não há boatos na rede, nós escrevemos no nosso boletim que o governo vai convocar os aprovados em 2015 para posse em 2016. Queremos que sejam convocados a tempo da atribuição de aulas. Como a SEE diz que não há tempo hábil, não concordamos que sejam convocados no meio do ano letivo, causando tumultos nas escolas e desempregando professores que lá estão.
      Agora, lamento profundamente o teor de seu comentário. Publico-o porque ele diz mais sobre a sua pessoa do que sobre os demais professores ou sobre o nosso sindicato. Partindo de um educador, é uma aula de incivilidade e falta de respeito com todos. Se sua meritocracia é assim, mais um motivo para sermos contra ela.
      Bebel

      Responder
      • 5. Julio S. Andrade  |  24/11/2014 às 14:56

        Concordo com o professor Riberto!
        cadê a luta para chamada antes da atribuição?? Não interessa ao sindicato, né??
        Bebel, já passou da sua hora, vamos nessa manifestação por conta própria, contra o sindicato e contra as atitudes do governo, que no final estão agindo juntos!
        A sra Bebel não aceita críticas, assim como num famoso video, terminou uma greve que a categoria clamava em peso, no MASP, vocês lutam pra se manter no poder, apenas.
        Meu sincero pesar, sou categoria O, aprovado , não caio na duzentena mas não aceito contrato temporário, isso é ILEGAL, estamos aprovados no concurso!!!!

      • 6. apeoesp  |  25/11/2014 às 12:44

        Prezado professor Riberto,
        Para criticar, é preciso informar-se. Há mais de quatro meses lutamos junto ao governo para que a convocação seja feita. Nesse meio tempo, realizamos duas assembleias e uma manifestação por várias reivindicações, inclusive esta. Claro, você sabe disso, porque participou de todas essas atividades e chamou todo o pessoal da sua escola e todos os concursados que você conhece, certo? Por isso foram assembleias massivas que pressionaram muito o governo.
        Saiba, professor, que o sindicato faz sua obrigação. E que o sindicato não pode ser resumir à sua diretoria, mas tem que ser a categoria em movimento. Este concurso no qual você foi aprovado existiu porque a categoria se mobilizou e a APEOESP organizou a luta.
        O ato público que a APEOESP está convocando para o dia 5 de dezembro é para lutar por todas as nossas reivindicações. Quanto mais gente, mais pressão para que possamos levá-las à Secretaria e cobrar seu atendimento. Agora, sua visão divisionista não ajudará em nada.
        Bebel

      • 7. Daniele  |  27/11/2014 às 10:11

        A sua máscara caiu Bebel. O sindicato é CONTRA a meritocracia.
        Todo e qualquer professor que deseja ser contratado precisa ter a ciência que uma hora perderá as suas aulas como também deverá cumprir a quarentena ou duzentena. São VOCÊS que necessitam se ajustarem ao sistema e não o contrário.

        O sindicato do Rio de Janeiro derrubou esse ano a lei de professores contratados, no estado do Rio só concursado daqui por diante. E o sindicato de SP que é uma MERDA na luta contra os concursados, vou te contar. Essa sua desculpa não cola dona Bebel!

        Sabemos que a maioria dos teus amiguinhos são categoria F e O. Existe uma lógica entorno dessa questão e você quer manter o empreguinho desses em ativa prejudicando os concursados. Já que são os mesmos que te sustenta, a saída desses professores significa sem dinheiro para o sindicato, a pensar que nenhum remanescente há de querer se juntar a essa farsa que é o sindicato.

        Se no Enem, passa os melhores alunos que estudam, professor para trabalhar não fica imune.

        Pense nisso!

      • 8. apeoesp  |  29/11/2014 às 12:11

        Prezada professora Daniele,
        Não sei de que máscara você está falando. A APEOESP sempre foi e será contra a meritocracia individualista implementada pela governo estadual. Somos contra provas de mérito (que pouco avaliam a capacidade de trabalho dos professores) e contra bônus atrelados ao rendimento escolar, pois as avaliações estandartizadas podem ser distorcidas pelo “foco” de algumas escolas neste tipo de avaliação, prejudicando os professores daquelas escolas que realmente dão ao aluno uma formação integral.
        Queremos carreira digna e salários adequados para todos os professores e queremos também que o tempo de serviço seja reconhecido e valorizado na carreira, na atribuição de aulas e em todos os outros momentos da vida do professor na rede estadual de ensino. Esta é nossa posição histórica e continuamos a lutar por ela.
        Também é nossa posição histórica e lutamos por ela, o ingresso dos professores por meio de concurso público. Foi nossa conquista a realização do concurso de PEB II em 2013, com a histórica oferta de 69 mil vagas, dos quais já se efetivaram cerca de 30 mil professores. Quem criou a situação atual, com esse enorme número de professores temporários na rede estadual de ensino foi o governo estadual, não nós. A luta por concursos é nossa, professora. Se você pode realizá-lo, se foi aprovada, se aguarda chamada, foi porque nós fomos à luta em 2013, fizemos uma greve de 23 dias e conquistamos este concurso. Então, por favor, não venha nos acusar daquilo que não conhece.
        Seu linguajar é inadequado para uma educadora. Continuaremos lutando por aquilo no qual acreditamos, sempre respaldados nas decisões dos congressos, assembleias e conselho de representantes da entidade.
        Estamos, sim, solicitando que a SEE faça a terceira chamada, até a atribuição de aulas, pois não concordamos que seja feita no decorrer do ano letivo, pois isto traz prejuízos aos alunos e desemprego a professores que estão na rede.
        Bebel

    • 9. Ricardo  |  27/11/2014 às 12:32

      Por quê não fiscalizam as atribuições semanais?
      Por quê não enviam um representante nas escolas para fiscalizar as aulas livres?
      Para evitar qualquer fraude?

      Responder
      • 10. apeoesp  |  29/11/2014 às 12:00

        Prezado professor Ricardo,
        A APEOESP, como qualquer outra organização pública ou privada, não tem condições de fiscalizar durante todo o ano mais de cinco mil escolas e mais de 80 diretorias de ensino. É preciso denunciar à subsede as irregularidades verificadas para que possamos tomar as providências necessárias.
        Bebel

  • 11. Marcia Estevão  |  20/11/2014 às 00:26

    Ato Publico para que????
    Eu fui (mesmo!) em todas as últimas paralisações e, sinceramente, estou cansada de não ver NADA acontecer de concreto. Na minha escola vão fechar 5 salas no período da tarde e a noite, das 23 salas que existe, vai funcionar apenas 6… Seis salas somente!!! E o sindicato faz o que??? Só fica de conversa com o secretário, que vai enrolando, enrolando…
    A jornada do piso, já caiu até no esquecimento, depois de termos virado piada por tantos anos…
    Perdoe-me, mas só vejo promessas do sindicato. Nada de REAL e concreto acontece. Começa o ano letivo com tudo do jeito que o governo determina e pronto…
    Estou desanimada demais com a profissão, com o sindicato, com tudo!

    Responder
    • 12. apeoesp  |  20/11/2014 às 12:29

      Prezada professora Marcia,
      Não gostaria de ter que responder afirmações como as que você faz, porque não são justas para com tantos professores que se deslocam de todo o estado em momentos de mobilização, lutando por todos. Nesse caso, não sção justas nem com você mesma.
      Nossas assembleias e mobilizações são necessárias exatamente porque, muitas vezes, conversas com o Secretário não resolvem nossas questões. O que não é correto é atribuir ao sindicato os problemas que decorrem da ação do governo. Nós justamente lutamos contra isso. Agora, atos, assembleias, mobilizações não resultaram em nada se os professores e professoras não vierem em grande número. Aí, sim, prevalece o que você chama, com razão, de “enrolação” do Secretário.
      Um dos pontos do ato público é justamente lutar contra o fechamento das classes e das escolas. Seria muito bom se você também ajudasse nessa luta, já que sua escola está sendo atingida. Leve o caso à subsede da APEOESP. Envie dados sobre a sua escola para presiden@apeoesp.org.br. Você deve ter lido no texto que você está comentando que a APEOESP vai ingressar com ações contra o fechamento de salas e escolas. Como, então, diz que não fazemos nada?
      Quanto à jornada do piso, para nós não é motivo de piada, nem caiu no esquecimento. Não há reunião com a Secretaria da Educação ou atividade dos professores em que o assunto não seja tocado. É tão séria a questão que a APEOESP está com ação tramitando no Supremo Tribunal Federal. Nós não desistimos, não. O STF nomeará um juiz relator e o caso será examinado. Temos confiança de que ganharemos a questão. Infelizmente, não temos poder para apressar o julgamento no STF. Nem a Presidenta da República tem, por ser um poder independente.
      Muita coisa de real e concreto já aconteceu, sim. Não passamos quatro recebendo reajustes por ter caído do céu. Foi resultado da nossa luta. Assim como muitos outros pontos que não me proponho a ficar relembrando aqui. Agora, nunca dissemos que as coisas estão boas. Não estão, mas, acredite, a responsabilidade não é do sindicato e sim do governo.
      Divisões e acusações entre nós não vão ajudar essa situação melhorar um milímetro sequer.
      Bebel

      Responder
  • 13. Marcia Estevão  |  20/11/2014 às 00:29

    Na maioria das escolas, os professores não ficam nem sabendo desses atos públicos, já que o sindicato não aparece para divulgar… acho que não há interesse… é tudo uma farsa de que estão lutando por nós!

    Responder
    • 14. apeoesp  |  20/11/2014 às 12:20

      Prezada professora Marcia,
      A APEOESP possui quase 190 mil associados. São mais de cinco mil escolas em todo o estado. Temos 92 subsedes, que deveriam se encarregar de percorrer as escolas para levar as informações. Além disso, há os representantes de escolas. Não há outra forma de funcionamento possível num estado com 645 municípios. Ocorre que algumas subsedes tem mais condições que outras de realizar esse trabalho, na medida em que os conselheiros e diretores são professores também e ministram aulas. A entidade envia cartazes para as escolas, mas, infelizmente, em alguns casos são afixados ou, quem sabe, são destruídos pela direção. Além disso, envio uma carta mensal para cada um dos associados e, sempre que há tempo hábil, informo sobre assembleias, atos e outras atividades. Ademais, há mais de uma ano comunico-me com os associados por meio de uma mensagem fonada para telefones fixos e torpedos para telefones celulares. Você nunca recebeu informações por nenhum desses meios? As informações também estão no portal da APEOESP (www.apeoesp.org.br). Você, por exemplo, está tomando conhecimento aqui pelo blog. Como vê, são múltiplas formas de comunicação. Se não está recebendo nenhuma delas, pode ser que haja algum problema em seus dados cadastrais. Por favor, acesse o portal da APEOESP e atualize seus dados.
      Quanto a considerar que a luta do sindicato é uma farsa, só posso lamentar que pense dessa maneira.
      Bebel

      Responder
  • 15. rubens celso pereira purificação  |  20/11/2014 às 11:30

    As propostas são muito boas, o q pega é quebrar o paradigma professoral da cultura profissional q leva muitos colegas ao comodismo e a ignorância política, q defende bandeira partidária e não causa social, fruto da aprendizagem d redes sociais onde sobra pessoas vazias e preconceituosa em todos os sentidos.

    Responder
  • 16. Daniel  |  20/11/2014 às 18:13

    Olha lendo os comentários aqui eu vejo que as 2 maiores lutas são a 3° chamada e a duzentena.
    Os outros assuntos são também de urgência, como a lei de piso, salario e tal, porem isso é uma luta que vai ser difícil de ganhar. No momento o mais fácil é a 3° chamada, pois existem vagas e muitas e esse papo de que tem gente assumindo é mentira, o prazo de prorrogação de posse já acabou, da perfeitamente para ser feita uma chamada agora em dezembro para assumir em Janeiro e Fevereiro.
    Quanto a duzentena todos os anos se fala isso e chega uns 3 dias antes da atribuição e ele volta atras.
    Bebel vamos bater na tecla da 3° chamada, existem vagas sim, ele chama agora em dezembro e faz uma próxima chamada em dezembro do ano que vem ou então de autonomia as DREs para chamar conforme a necessidade ou surgimento de vagas.

    Responder
    • 17. apeoesp  |  22/11/2014 às 10:20

      Prezado professor Daniel,
      A terceira chamada tem sido assunto constante em todas as reuniões com a SEE desde agosto. Não querem ceder, alegando diversos motivos. Somente mobilização poderá alterar essa situação. No dia 5 de dezembro, às 14 horas, vamos realizar um ato público em frente à SEE, no qual esse assunto e o fim da duzentena estarão em pauta.
      Bebel

      Responder
  • 18. Marcos  |  20/11/2014 às 19:32

    STF estipula prazo para governo de MG substituir funcionários sem concurso
    QUI, 03/07/2014 – 12:16
    Enviado por Braga-BH

    Do O Tempo

    Começa a contar prazo para governo abrir concursos

    STF publicou nessa terça decisão sobre inconstitucionalidade

    Isabella Lacerda

    Mais de três meses após considerar inconstitucional a Lei Complementar 100 – que efetivou em 2007, sem concurso, quase 90 mil servidores públicos em Minas –, o Supremo Tribunal Federal (STF) publicou o acórdão da decisão. Na prática, isso significa que começou a contar nessa terça o prazo de 12 meses dado pela Justiça para que o governo mineiro abra concursos públicos para substituir os funcionários que há sete anos ganharam status de servidor no Estado ou nomeie imediatamente as pessoas já aprovadas em outros concursos.

    O principal setor atingido é a educação. Desde março deste ano, os mais de 88 mil funcionários efetivados sem concurso voltaram à condição de designados, perdendo, portanto, benefícios próprios dos servidores. A situação criou um clima de insegurança entre os servidores, que temiam perder o emprego.

    Para tentar diminuir o impacto negativo na estrutura do governo, o STF determinou que os funcionários que tenham direito à aposentadoria requeiram o benefício. Por isso, em abril, a Secretaria de Educação começou a convocar todos os atingidos pela lei que se enquadram nestas condições para que entrem imediatamente com o seus pedidos para deixar os quadros públicos.

    Até o momento, porém, o Estado não sabe informar quantas pessoas se encaixam nestes requisitos, nem mesmo quantas vagas estão em aberto no Estado e poderão ser substituídas por concursados. A estimativa do governo é de que quase 20 mil pessoas possam entrar com pedidos de aposentadoria.

    A única informação repassada nessa terça pelo Executivo, em nota, é que a Advocacia Geral do Estado está analisando os termos do acórdão para que possa apresentar recurso no Supremo. Um grupo interno foi criado para levantar informações sobre os servidores atingidos.

    Constituição

    Justificativa. No entendimento do STF, a nomeação sem concurso fere a Constituição de 1988. “A estabilidade não implica a chamada efetividade, que depende de concurso”, diz o acórdão.

    Responder
  • 19. Marcos  |  20/11/2014 às 19:33

    O mesmo ocorre com a Lei complementar 500/74.

    E agora?

    Responder
    • 20. apeoesp  |  22/11/2014 às 10:16

      Prezado professor Marcos,
      A lei 500/74 foi substituída pela lei complementar 1093/09. Na verdade, embora reclamássemos – com razão – a lei 500 era mais benéfica para os professores temporários que a lei atual.
      Bebel

      Responder
  • 21. Rubens  |  21/11/2014 às 02:56

    Bebel o professor Cat O que declina de todas as aulas a pedido fica impedido de atribuição 40, 200 dias ou o ano todo?

    Responder
    • 22. apeoesp  |  22/11/2014 às 10:13

      Prezado professor Rubens,
      Tem sido prática do Estado tentar manter o professor cinco anos afastado, como ocorre como o efetivo que se exonera. Nós, da APEOESP, discordamos. Se ocorrer, deve ingressar com ação judicial.
      Bebel

      Responder
  • 23. Maria  |  21/11/2014 às 22:03

    Olá Bebel, obrigada pela luta constante!
    Sou professora efetiva, vou entrar em licença gestacional a partir de segunda 24/11/14 até o dia 17/05/15. Quando terminar a LG, terei direito a 15 ou a 30 dias de férias?

    Responder
    • 24. apeoesp  |  22/11/2014 às 10:01

      Prezada professora Maria,
      No meu entendimento, você tem direito a 30 dias, tendo em vista que a licença-saúde não pode prejudicar o direito a férias. Por favor, confirme essa informação pelo telefone 11.33506214 ou na sua subsede com o(a) advogado(a).
      Bebel

      Responder
  • 25. Waldemir Araújo Miranda  |  22/11/2014 às 12:54

    “Que todos os nossos DIREITOS sejam realmente assegurados”.
    Todos a postos à Mobilização dia 05/12 e outras que eventualmente vierem ou conspirem em nosso favor, eu apoio com prazer”.

    Responder
  • 26. Fernanda  |  22/11/2014 às 23:30

    Olá boa noite Bebel

    Estou com algumas dúvidas e ficaria feliz se você pudesse me ajudar. Em minha escola foi marcada reposição nos dias de sábado referente à semana em que a escola fez uma parada entre 13 e 17 de outubro, conforme calendário da SEE. No entanto, o diretor fez horários especiais para funcionários e para professores, que chegaram 1 minuto atrasados, quando chegaram encontraram a porta fechada impedindo sua entrada e assim reforçando a falta em determinada aula, mesmo sem alunos na escola toda. Existem duas dúvidas:
    1 – Pode o diretor, em uso de sua autoridade, estabelecer horários facilitados para alguns funcionários e não para todos?
    2 – Existe limite de tolerância para entrada tardia do professor?
    3 – Em caso de abuso de autoridade, que medidas devem tomadas?

    Obrigada pela atenção.

    Fernanda

    Responder
    • 27. apeoesp  |  23/11/2014 às 12:21

      Prezada professora Fernanda,
      Nenhuma norma pode ser aplicada de forma abusiva ou prejudicial a qualquer pessoa. Creio que o caso configura, sim, abuso. Por favor, ligue para 11.33506214 ou procure o departamento jurídico na subsede para orientar-se sobre como proceder.
      Bebel

      Responder
  • 28. Ricardo  |  23/11/2014 às 00:02

    Apagou meu comentario hein,esta bem democrática…

    Responder
    • 29. apeoesp  |  23/11/2014 às 12:23

      Prezado professor Ricardo,
      Este espaço é para troca de informações e debates sobre os direitos e reivindicações da nossa categoria e por uma escola pública de qualidade. Se deseja fazer campanha contra a APEOESP, procure espaço adequado.
      Bebel

      Responder
  • 30. Francisco Rogério dos Santos - Conselheiro Estadual.  |  23/11/2014 às 01:34

    Precisamos denunciar o corte de verbas para as escolas estaduais neste final de ano – Comunicado Conjunto CISE (Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Escolares) / COFI (Coordenadoria de Orçamentos e Finanças) nº 02 / 2014.

    Responder
    • 31. apeoesp  |  23/11/2014 às 12:22

      Prezado professor Francisco,
      Sim, faremos isto. Obrigada.
      Bebel

      Responder
  • 32. Erisvaldo Vieira de Aragão  |  24/11/2014 às 16:46

    Olá, boa Tarde!

    Sou estudante, porem participei do concurso, poderei participar desse processo de atribuição para quem passou no concurso? (lembrando que estarei formado em junho/2015 e meu contrato de cat. O termina esse ano.

    Grato desde já.

    Responder
    • 33. apeoesp  |  25/11/2014 às 12:34

      Prezado professor Erisvaldo,
      Sim, poderá. Mas se houver na escola um professor habilitado na mesma disciplina, ele poderá requerer suas aulas.
      Bebel

      Responder
  • 34. Renata  |  24/11/2014 às 17:47

    Gostei muito de saber que vcs. vão entrar judicialmente para que os projetos sejam oferecidos no dia da atribuição. isso é o correto, visto que, muitas escolas guardam esses projetos, para os queridinhos….parabéns pela iniciativa e pela luta….

    Responder
  • 35. Katita  |  25/11/2014 às 01:47

    Querida Bebel, boa noite! É com muita chateação que digo que pela primeira vez em muitos anos, (e olhe que estou no magistério há mais de 25 anos) que não vou me encontrar com vocês no dia 5 de dezembro….quer saber ???? Desisti, sucumbi ao desgoverno, e por razões simples, não gosto da maneira que o governo trata os professores com essa sopa de letras,,,mas tbem não gosto do jeito que nós efetivos nos encontramos, para nós só as salas lotadas, não podemos ficar co as aulas de PA e assim pouparmos um pouco a nossa voz, não podemos ficar na sala de leitura e pouparmos nossos ouvidos, não podemos ser mediadores…a nós só as salas lotadas, pouco se houve falar nos ganhos para o efetivo, infelizmente de outubro até fevereiro o sindicato só se ocupa com os OFAS, a nossa jornada deveria ser o principal foco do sindicato, pois com ela TODOS ganhariam….é Bebel continue fazendo o seu trabalho, um abraço Katita.

    Responder
    • 36. apeoesp  |  25/11/2014 às 12:24

      Prezada professora Katita,
      Lamento que tenha assumido este posicionamento e espero que o reveja.
      Gostaria que você desse uma olhada nos nossos boletins, disponíveis no site da APEOESP (www.apeoesp.org.br), nos posts que publico aqui no blog e nos relatos de reuniões com a SEE. Em todos esses materiais e reuniões, estão presentes as reivindicações gerais da categoria – que dizem respeito aos professores efetivos – e as específicas, não apenas de categoria O, mas de outras parcelas específicas da categoria.
      A política salarial que resultou da nossa greve de 2010 foi para todos. Não é a ideal, mas garantiu quatro anos de reajustes. Hoje lutamos por um plano de aumento da ordem de 75,33% para que nossos salários se equipare à média das demais categorias com formação de nível superior. A incorporação de todas as gratificações, com a absorção da GAM nos salários. As novas possibilidades de evolução funcional na carreira e as discussões em torno do memorial do professor como alternativa à prova de mérito. O direito de escolha na atribuição de aulas, conquistado mediante ação judicial que novamente faremos neste ano. Outras alterações na atribuição de aulas. A luta contra o assédio moral. Nossa luta por melhores condições de trabalho. Pela jornada do piso, que se encontra agora no STF. Veja a própria relação de reivindicações, conforme definida pela CER:
      s subsedes devem também realizar uma massiva convocação em todas as escolas para garantir um grande número de professores no dia 05/12 para lutar:
      Por atribuição de aulas justa, transparente e centralizada nas DEs. A APEOESP vai ingressar com ação judicial para que todas as aulas, inclusive de projetos, sejam disponibilizadas na atribuição de aulas. Da mesma forma, ingressará novamente com ação judicial para que seja garantido o direito de escolha de aulas aos professores na atribuição;
      Em defesa dos professores da categoria O, da participação de todos na atribuição de aulas e fim da duzentena;
      Que seja assegurado ao professor PEB I seu emprego como temporário ou categoria F se não for aprovado no concurso;
      Por uma nova forma de contratação de professores temporários. Transitoriamente, assegurar aos professores da categoria O os mesmos direitos da categoria F, até que sejam aprovados em concurso público;
      Contra o fechamento de classes e escolas, sobretudo no ensino médio. A APEOESP vai realizar campanha pela manutenção e abertura de classes no ensino médio noturno, inclusive com medidas judiciais. Vai denunciar ao Ministério Público o fechamento de salas de aula e seus prejuízos a estudantes e professores.
      Contra a superlotação das salas de aula;
      Pela implantação da jornada do piso;
      Por aumento salarial de 75,33% para equiparação com as demais categorias com formação de nível superior, rumo ao piso salarial do DIEESE para jornada de 20 horas semanais de trabalho;
      Pela garantia de licenças e atendimento médico para os professores doentes. A APEOESP vai realizar uma campanha cujo lema será; “Pelo Direito à Vida. Professor doente não consegue lecionar.”
      Pelo fim da escola de tempo integral do governo estadual;
      Contra alterações curriculares que reduzem disciplinas ou número de aulas;
      Pelo fim das escolas “padrão Nakamura” (escolas de lata) e construção de unidades de alvenaria nas mesmas regiões em os estudantes residem;
      E outras reivindicações que constam na pauta do sindicato.
      O CER aprovou ainda outros eixos de luta e atividades que a APEOESP deve realizar no próximo período:
      Continuar e ampliar a campanha sobre a crise hídrica, que atinge escolas e outros serviços públicos, denunciando a responsabilidade do Governo Estadual e cobrando soluções. É fundamental que continuem a ser comunicadas as escolas com problemas de abastecimento de água para: http://www.apeoesp.org.br/falta-de-agua.
      Organizar amplo debate, com a contribuição de diferentes correntes de pensamento, sobre o movimento articulado da direita no país e as perspectivas de luta. Debater o papel da mídia neste contexto. Publicar balanço do processo eleitoral e seus resultados.
      Lutar contra a xenofobia, a homofobia e o machismo;
      Lutar contra a redução da maioridade penal. O Estado deve investir em educação pública de qualidade e políticas para a juventude e não em criminalização e presídios para os jovens;
      Participar da luta pela Reforma Agrária;
      Participar a luta pelo fim das terceirizações;
      Participar da luta pelo fim do superávit primário;
      Realizar debate para subsidiar a luta pela Reforma Política, em todos os seus aspectos (como o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais, regras partidárias, participação popular e outros). Debater a constituinte exclusiva para a Reforma Política e o plebiscito oficial para que a população decida a respeito;
      Debater a questão da retirada das tropas brasileiras do Haiti.
      Lutar pela democratização dos meios de comunicação. Realizar novo seminário sobre o tema.
      Publicar um balanço de 20 anos de políticas educacionais do PSDB em São Paulo. Denunciar demissões de professores e demais políticas do Governo Estadual.
      Lutar pelo Plano Estadual de Educação emancipador e inclusivo, construído de forma democrática e participativa;
      Realizar campanha pela democracia nas escolas, contra o assédio moral, em defesa dos professores (sobretudo da categoria O, hoje em situação mais vulnerável), com cartaz e outros materiais que orientem e indiquem formas de denúncias e providências contra assédio moral e abusos de poder por parte de gestores;
      Distribuir carta aos pais no início do ano letivo sobre a criação e o funcionamento dos conselhos de escola.
      Seriam lutas específicas dos professores da categoria O?
      Creio, professora, que você está equivocada sobre as lutas da APEOESP. Há, sim, um problema candente que diz respeito aos professores da categoria O, pois se trata de um segmento muito precarizado, mas a APEOESP nunca abandonou os professores efetivos ou outros segmentos. O que ocorre é que este governo não cede além de um limite. Por isso precisamos de mais união e de mais força e não que comecemos a abandonar a luta.
      Espero que reflita e reveja a sua posição, pois unidos somos mais fortes.
      Bebel

      Responder
  • 37. CARLOS OLIVEIRA  |  25/11/2014 às 16:54

    Prezada Professora, Companheira de luta Bebel.

    Sou obrigado a concordar a professora Kátia. Li a sua resposta.. No entanto fica a impressão que só existem os categoria “O” na rede. O que mais preocupam os efetivos é a questão da Jornada do Piso, sua implementação. Como sei que esta no STF, acho interesse a Apeoesp disponibilizar um “link” para os professores irem acompanhando o andamento e perceberem que não depende da APEOESP e sim do Judiciário. Fica a sugestão. Dia 5 estarei ai. Quando não posso ir mando e mail para meu deputado estadual cobrando uma posição sobre as questões levantadas pela entidade.

    Deixo como despedida verso, abraços.

    Carlos Oliveira – Guaratinguetá.

    “É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
    É melhor tentar, ainda que em vão que sentar-se, fazendo nada até o final.
    Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias frios em casa me esconder.
    Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver”

    Martin Luther King

    Responder
    • 38. apeoesp  |  29/11/2014 às 12:41

      Prezado professor Carlos,
      Bem, a impressão não é verdadeira. Entre todas as reivindicações levantadas pelo sindicato, a grande maioria (reajuste, jornada do piso, carreira, condições de trabalho, saúde, violência nas escolas, assédio moral, atribuição de aulas, escola de tempo integral, gestão democrática e tantas outras) dizem respeito a todos os professores ou aos titulares de cargo.
      Quanto à jornada do piso, obrigada pela sugestão, cuja viabilidade estudaremos.
      Bebel

      Responder
  • 39. Alcinda  |  25/11/2014 às 21:21

    Boa noite Bebel,sou professora e estou horrorizada com o número de professores que irão ficar desempregados em 2015.Sou associada a apeoesp e estou pensando seriamente em desistir desse sindicato,pois não vejo nada de concreto por parte da apeoesp só vejo teoria, na prática nada se resolve

    Responder
    • 40. apeoesp  |  29/11/2014 às 12:35

      Prezada professora Alcinda,
      É seu direito tomar a decisão que melhor considere. Porém, peço que reflita sobre sua própria afirmação. Você diz que o sindicato nada faz de concreto, quando comenta uma matéria que está convocando um ato público para o dia 5/12, do qual a situação dos professores temporários é uma das questões centrais. Como então pode dizer que o sindicato nada está fazendo?
      A senhora desconhece que o sindicato ingressou com ação judicial para que todos os professores temporários possam participar da atribuição de aulas? desconhece que não conseguimos a liminar, que houve decisão desfavorável e que recorremos?
      Creio que a senhora se equivoca ao atribuir ao sindicato uma situação criada pelo governo estadual. Ao sindicato cabe lutar pelos direitos dos professores, e isto estamos fazendo. Infelizmente, não temos o poder que tem o governo. Se fôssemos nós a tomar as decisões, esta situação não estaria ocorrendo.
      Conclamo-a a permanecer na APEOESP e a lutar junto conosco, comparecendo ao ato do dia 5 e convocando mais professores a lá estarem também.
      Bebel

      Responder
  • 41. elizandra  |  27/11/2014 às 18:50

    Não existe, por parte do Sindicato, fiscalização das atribuições de aula durante o ano letivo, e como é sabido por todos, os Projetos, como Sala de Leitura e Professor de Apoio a Aprendizagem foram transformados em cargo de confiança.
    Por mais fiscalizações nas Unidades Escolares e Diretorias de Ensino!!!!!!!

    Responder
    • 42. apeoesp  |  29/11/2014 às 11:57

      Prezada professora Elizandra,
      Nosso sindicato não tem estrutura para realizar uma fiscalização permanente durante 270 dias ao ano em todas as diretorias de ensino e escolas. As subsedes procuram acompanhar e, sobretudo, verificar e reverter situações que são constatadas pelos professores. Não existe nenhum órgão, publico ou privado, capaz de monitorar permanentemente 80 diretorias de ensino e mais de cinco mil unidades escolares.
      Bebel

      Responder
  • 43. Edna Santos  |  29/11/2014 às 11:45

    Bom dia!!!
    Bebel, sei que não se trata do assunto abordado, porém gostaria de saber quando sairá o resultado da prova de meritocracia? Obrigada.

    Responder
    • 44. apeoesp  |  01/12/2014 às 19:52

      Prezada professora Edna,
      Ainda não temos informação sobre isto. Especula-se que há problemas de dinheiro para pagar o reajuste.
      Bebel

      Responder
  • 45. MAYCON EVANDRO  |  01/12/2014 às 02:00

    Olá Bebel…Sou professor PEBI e tenho apenas o Magistério de nivel Médio (antigo CEFAM). Prestei o concurso neste domingo para PEBI, gostaria de saber se caso eu seja chamado se poderei assumir as aulas, uma vez que minha formação não consta em edital mas consta na formação minima estabelecida em documentos do estado e da união no que se refere ao magistério?
    Anexo III da Lei Complementar Nº 836, de 30 de dezembro de 1997
    (artigos 61 e 62 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1969)

    Responder
    • 46. apeoesp  |  01/12/2014 às 19:23

      Prezado professor Maycon,
      Temos ação judicial tramitando para que isso seja possível. Ainda não há decisão.
      Bebel

      Responder
  • 47. Luiz  |  01/12/2014 às 02:10

    Como pode um sindicato ser contra a terceira chamada? é o mérito de quem foi aprovado? Há muito tempo a APEOESP não me representa, sempre que precisei fui mal atendido, fora que aqui as informações são todas desencontradas, isso mostra uma total falta de respeito para com os professores! Não fez nada sobre a duzentena, desde outubro nessa! Fora APEOESP! O meu dinheiro você não tem mais!

    Responder
    • 48. apeoesp  |  01/12/2014 às 19:22

      Prezado professor Luiz,
      Onde você leu que o sindicato é contra a terceira chamada? O sindicato lutou e conseguiu este concurso. O sindicato lutou e conseguiu que as regras do concurso aprovassem o máximo de professores possível. O sindicato luta para que todos sejam chamados. O sindicato luta para que sejam chamados a tempo da atribuição de aulas. O sindicato é contra o ingresso no meio do ano letivo, pois isso desorganiza o processo ensino-aprendizagem e causa desemprego de professores que receberam aulas na atribuição.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,928,794 hits

%d blogueiros gostam disto: