SEE envia comunicado sobre reposição de aulas

23/06/2015 at 22:34 38 comentários

A SEE enviou nesta terça-feira, 23/06, o Comunicado CGRH/CGEB de 23/06/2015, que estabelece e complementa procedimentos para a reposição de aulas, conforme Instrução Conjunta CGRH/CGEB de 16/06/2015, alterada em 19/06/2015.

Entre outros pontos o comunicado assegura a retirada das faltas dos prontuários, a devolução dos valores descontados mediante a reposição das aulas, a reposição para docentes readaptados, professores coordenadores pedagógicos, vice-diretores e demais servidores não docentes, mediante plano individualizado de reposição.

Reafirmamos as orientações anteriores para que sejam assegurados os conteúdos não ministrados durante a greve, devendo ser verificados pelos conselhos de escola os diários de classe para que esta reposição seja garantida.

Mediante uma análise mais detalhada do comunicado, novas orientações poderão ser publicadas pela entidade.

(clique nas imagens para abrir)COMUNICADO 1COMUNICADO 2COMUNICADO 3

Anúncios

Entry filed under: Artigos.

Por que a Secretaria Estadual da Educação não quer a reposição das aulas? STF manda pagar os dias parados.

38 Comentários Add your own

  • 1. Marlene de Oliveira Dutra  |  23/06/2015 às 23:22

    E os AOEs que trabalharam normalmente durante a greve, serão obrigados a trabalhar juntamente com os professores nas reposições de aulas? E se a resposta for sim terão direito a folga posteriormente ou serão reembolsado financeiramente?

    Responder
    • 2. apeoesp  |  28/06/2015 às 14:04

      Prezada professora Marlene,
      A reposição de aulas é individual, dos professores que participaram da greve.
      Para melhor informação, ligue para 11.33506214.
      Bebel

      Responder
  • 3. Thiago  |  25/06/2015 às 03:15

    Bebel;

    Alguns professores estão com problemas sérios para conseguir repor. Em escolas com pouca paralisação entraram eventuais e em alguns casos cumpriram o currículo programado. Acho que é hora do sindicato começar a nos orientar para ações jurídicas individuais para:

    1. Ter retirada todas as faltas independentemente de reposição considerando que a legislação diz que greve não é falta, mas interrupção do contrato de trabalho;

    2. Garantir a reposição, já que é ilegal colocar substitutos em lugar de grevistas. Os alunos tem direito às aulas, mas isso não pode ser elemento para cercear o direito constitucional de greve

    Responder
    • 4. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:31

      Prezado professor Thiago,
      Os professores podem a qualquer momento procurar o departamento jurídico para ingressar com ações individuais, sempre que se sentirem prejudicados. Quanto á atuação dos eventuais, se o conteúdo programado foi ministrado, o professor pode repor em outro horário, na ausência de outro docente.
      Bebel

      Responder
  • 5. Thiago  |  25/06/2015 às 03:28

    Mais uma questão Bebel: Deixa eu dar um exemplo concreto.

    Uma professora de minha unidade tem acumulo de cargo com a rede privada de ensino. Ela vai ter que repor, entre outros, no contra-turno ao longo da semana. Acontece, que em função da rede privada, ela tem apenas a quarta feira a tarde para reposição, na qual ela poderia repor 6 aulas. O problema é que ela só pode dar 3 aulas nesse período, pois no período da manhã ela já dá 6 aulas e a legislação não permite 12 aulas em um dia.

    Não é possível que se busque a flexibilização desse aspecto? Muito obrigado…

    Responder
    • 6. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:33

      Prezado professor Thiago,
      Estamos conversando com a SEE sobre essas situações. Disseram que estão preparando mais um comunicado interno para orientar nesses casos. Assim que tivermos acesso a tal comunicado, divulgaremos.
      Bebel

      Responder
  • 7. Prof° Oswaldo  |  25/06/2015 às 18:44

    Boa tarde! Hoje a supervisora esteve na minha escola e disse que só poderão ser repostas as aula de professores que não tiveram substitutos em seus lugares, essa informação procede? Eu li esse ultimo informativo do secretario da educação e nele não consta nada sobre isso, mas nos anteriores constava, o que podemos fazer nesse sentido, já que a maioria das aulas foram dadas por eventuais de quaisquer áreas, pecados a laço, sem qualquer sequência dos conteúdos e do currículo, as vezes levando os alunos para a quadra . Além do que haverá uma distorção absurda, pois se para um professor teve substituto ele não irá repor, já pra outro, da mesma escola, que não conseguiram substituto aí sim haverá reposição, isso é simplesmente inaceitável. Por favor precisamos da atuação do sindicato para que essas distorções sejam corrigidas. Por favor me responda com máxima urgência, preciso ter argumentos para debater na escola, estou falando em nome de diversos professores.

    Responder
    • 8. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:27

      Prezado professor Oswaldo,
      Este não é o nosso entendimento. O fato de ter havido um professor eventual não significa que o conteúdo foi ministrado. Aliás, sabemos que em grande número de casos isto não ocorreu. Por isso a importância da reunião do conselho de escola, a quem cabe definir o plano de reposição. É preciso abrir os diários de classe, verificar que os conteúdos não foram dados, e colocar as aulas no plano de reposição. O processo educativo não pode ser um faz de conta. Um terço dos membros pode convocar o conselho. Se desejarem, enviem a situação o sindicato, para que possamos denunciar que na escola “x” as aulas durante a greve não foram ministradas, houve apenas uma enganação e agora o governo não deixa repor. Estamos em guerra com este governo. Depois de 92 dias de greve em que nada negociou, ainda continua massacrando os professores.
      Os professores não podem aceitar que diretores e supervisores decidam, se a instrução diz que o conselho é que deve decidir.
      Quanto às aulas que foram ministradas por eventuais, com o conteúdo correto, esses professores podem repor no contraturno, nas ausências de outros docentes.
      Bebel

      Responder
  • 9. Jacinto Francisco Velozo  |  26/06/2015 às 00:44

    Bebel, Boa Noite!

    Mesmo com este novo comunicado no DO do dia 23/06 a diretora da escola onde trabalho nos orientou que teremos direito a reposição, porém 33 de minhas aulas foram dadas por professor eventual e explicaram que não poderei repor estas da forma convencional, ou seja, terei que entrar no contra turno como professor eventual dando aulas para outras turmas para compensar estas faltas, isso se por acaso faltar professor grevistas. E aí ? aquele protocolo que fizemos ao entrar de greve vale alguma coisa? aquele que pedimos ao diretor para não por substitutos no nosso lugar? pois foi isso que eles fizeram.

    Att; Francisco

    Responder
    • 10. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:20

      Prezado professor Jacinto,
      Nós estamos lidando com um governo muito autoritário, que tem respaldo de parte do poder judiciário e inegavelmente da mídia. Em 92 dias de greve, pouco ou nada negociou. Assim, as providências que orientamos os professores a tomarem, no sentido de resguardar seus direitos na greve, ficam condicionadas às posturas da Justiça. Veja que, apesar de todas as providências legais que tomamos, o Estado descontou os dias e até o momento a justiça vem lhe dando respaldo. Ainda resta uma possibilidade de reversão no STF, mas não saiu uma decisão até o momento.
      Por isso, como conseguimos colocar na Instrução que o conselho de escola é que deve tomar as decisões quanto à reposição, temos que lutar pela sua convocação e junto com os pais lutar para que todas as aulas em que o conteúdo não foi ministrado sejam repostas. O aluno tem direito a esse conteúdo. Outra coisa: tem que fazer com o os supervisor ou supervisora faça a leitura da instrução e dos comunicados. Ali não está dito que o professor pode repor como eventual no contraturno na ausência de outro docente que irá repor e sim na ausência de outro docente. Portanto, se um professor de português faltar, um professor que precisa repor falta da greve ministrará aula naquele horário e receberá pela aula reposta.
      Mas, reafirmo: é o conselho de escola que deve fazer o plano de reposição e tomar as decisões.
      Bebel

      Responder
      • 11. Jacinto Francisco Velozo  |  29/06/2015 às 02:05

        A questão da reposição do contra turno é por conta do meu acumulo de cargo. Não tenho janela no meu turno para repor e a tarde trabalho na prefeitura.

      • 12. apeoesp  |  05/07/2015 às 14:07

        Prezado professor Jacinto,
        Há uma semana estou tentando uma reunião com o Secretário para tratar de casos como esse e outros. Talvez agora, com a liminar do STF, ele se disponha a conversar comigo.
        Bebel

  • 13. Erika  |  26/06/2015 às 13:10

    Bebel, se possível, gostaria que sugerisse algo para o Secretário. Existem professores comentando que a terceira chamada ocorrerá em Outubro, e, caso seja verdade, favor, convencer a trocar a data para o mês de Agosto (final do mês) ou início de Setembro. Todos sabemos que no final do ano (última semana de novembro e dezembro) será praticamente impossível agendarmos consultas porque estaremos no entorno das festividades (Natal e Ano Novo) e muito dos médicos pegarão férias nesse período resultando na demora na realização da posse. Essa prorrogação poderá atrapalhar o início das aulas, tanto para os alunos quanto aos professores que estarão por um pequeno tempo nos substituindo. Jogando a convocação para o final de Agosto ou início de Setembro ganharíamos tempo para correr atrás dos exames com folga e com tempo o suficiente para fazermos a posse na primeira quinzena de janeiro.
    Obrigada.

    Responder
    • 14. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:12

      Prezada professora Erika,
      Provavelmente esta data foi definida em função do resultado do concurso de remoção, pois a chamada para o concurso não pode ocorrer antes deste resultado. De qualquer forma, levarei o caso na próxima reunão.
      Bebel

      Responder
      • 15. Renato  |  29/06/2015 às 17:36

        Bebel, Boa Tarde. Gostaria de endossar os questionamentos da professora Érika utilizando como base os eventos da segunda chamada.
        06/05/2014 – 2ª Chamada para a escolha das vagas.
        06/06/2014 – Convocação para a perícia médica. 11/08/2014 – Última convocação para a perícia médica.
        Entre os meses de junho a agosto (total de 3 meses) foram mais de 30 convocações para a perícia médica.
        Se este mesmo procedimento ocorrer em relação à próxima chamada, boa parte (pra não dizer a maioria) dos convocados não conseguirão realizar a posse em Janeiro e teremos um caos durante as atribuições e o início das aulas. Realizar todos os exames durante o final de ano (período de férias) será bastante doloroso.
        Se nos basearmos na segunda chamada que ocorreu em um período mais tranquilo e houve essa discrepância de convocações para a perícia, imagina então a situação dos convocação caso a convocação ocorra no mês de Outubro e a perícia marcada para o início de dezembro.
        O mais sensato seria, chamada em entre os meses de Agosto ou Setembro e a posse entre os meses de Dezembro (antes do término do ano letivo) ou Janeiro (primeira quinzena do mês).

      • 16. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:54

        Prezado professor Renato,
        Concordo com suas ponderações. Vou levá-las ao Secretário. Ocorre que esta gestão está uma tremenda bagunça. Novamente mexeram nas datas da remoção. Por isso, torna-se ainda mais lamentável saber que um número grande de professores, além de não terem aderido à greve, ainda criticam os que o fizeram. É um governo autoritário e incompetente, que trata com descaso os professores.
        Bebel

      • 17. Diego  |  08/07/2015 às 14:47

        Prezada Srª Maria Isabel.
        Também lhe peço para que a coloque na próxima pauta o adiantamento da convocação e expõe os dados do Renato para o secretário. Independentemente do resultado, aconselho a publicar na página do blog o parecer dessa questão para que os professores tomem ciência. Dependendo do retorno caso negativo o mais sensato seria adiantarmos os exames e a depender da sorte na questão de ser ou não convocado ou caso a chamada seja antecipada, os professores com um tempo maior poderão correr atrás dos exames.

      • 18. apeoesp  |  11/07/2015 às 11:18

        Prezado professor Diego,
        Legalmente a nomeação só pode ser feita após o concurso de remoção.
        Bebel

  • 19. Rita de Cássia Duarte  |  26/06/2015 às 21:45

    Como assim uma analise mais detalhada da instrução!!!!! está claro que muitos grevistas não poderão repor suas aulas, pois já foram dadas sabe deus com!!! Cabe ao sindicato uma nova reunião com o secretário para reverter essa situação!!!!

    Responder
    • 20. apeoesp  |  28/06/2015 às 13:04

      Prezada professora Rita,
      Sim, o sindicato está buscando uma nova reunião com o secretário. Negociações difíceis chegaram a esta instrução e comunicados. Não podemos nos esquecer que este é o secretário que em 92 dias de greve pouco ou nada negociou com o sindicato. Por isso é importante a convocação do conselho de escola. Junto com os pais, devemos buscar garantir a reposição dos conteúdos que não foram ministrados. Isso é que é importante no processo educativo, não apenas número de horas. Temos que evidenciar para a comunidade que o governo não se importa se o aluno aprendeu ou não. Quer apenas prejudicar os professores.
      Bebel

      Responder
  • 21. Carlos Oliveira  |  27/06/2015 às 21:31

    Prezada Srª Maria Isabel

    Com muita tristeza escrevo essas poucas linhas. Sou professor Coordenador. Não fiz a greve toda, fiz os dias “chaves”, (sextas-feiras) pois muitos professores (as), alunos (as) da minha escola vieram, e acredito ser meu dever dar assistência a eles. Minha tristeza se expressa agora na reposição. Estou tentando fazer de tudo para ajudar meus colegas que fizeram a greve durante todo o período mas vejo má vontade da SEE, D.E e ainda tenho que enfrentar a revolta dos alunos (as) que alegam que eles vieram à escola e nada tem haver com reposição. A D.E, cada hora passa uma informação, por exemplo: o que fazer com o professor com dois cargos? o que fazer com o professor que trabalha somente pela manhã, mas a tarde desenvolve outra atividade remunerada não ligada a educação (nesse caso não cabendo acumulo), o que fazer com o professor que aos sábados faz mestrado e/ou outros cursos.

    Senhora, sei que o momento e difícil para todos nos , mas estou muito triste pela incompreensão das pessoas, agora cada um quer salvar a sua “pele”, esquecendo que existe uma Legislação, Instruções e Comunicados. Dizem que o Conselho de Escola pode tudo, mas como resolver problemas que nem a minha experiência de 24 anos de magistério conseguem vislumbrar.

    O Governo conseguiu o que queria no que refere-se a reposição:

    1 – Jogar os alunos contra os professores (as), Escola.

    2- “Pensar” uma Reposição difícil de equacionar.

    3 – Muitos pais estão furiosos pois tinham planejados curtir férias e talvez não possam mais,

    4 – Irritar os professores (as), pois não veem seus pedidos atendidos.

    Presidenta, estou me esforçando ao máximo, mas como disse inicialmente, estou triste.

    Desculpe o desabafo, sei que a Srª provavelmente esta com a cabeça fervendo mas quero dizer a senhora não esta sozinha.

    Prof. Oliveira

    Responder
    • 22. apeoesp  |  28/06/2015 às 12:59

      Prezado professor Oliveira,
      Fico grata pelas suas palavras, porque elas expressam exatamente o que sinto: uma grande revolta com este governo e com aqueles que fazem o papel de carrascos dos professores.
      Fizemos uma greve terrivelmente difícil. Durante 92 dias o governo demonstrou todo o seu descaso para com a nossa categoria. Agora, quer prolongar o massacre, criando todo tipo de dificuldades para a reposição de aulas.
      Por nisso, nossa orientação tem sido envolver os conselhos de escolas. Somente conversando com os pais, sobre o direito que seus filhos tem á aprendizagem, poderemos tirar todo esse poder das mãos dos supervisores e de muitos diretores.
      É difícil, sei, como difíceis foram todos os dias da greve, mas estamos enfrentando um governo muito truculento, muito autoritário.
      Cumprimento-o pelo seu esforço em ajudar os colegas. Se tivéssemos muito mais pessoas como você, acho que poderíamos mudar um pouco esse quadro.
      Nossa alternativa é continuar lutando, lutando e lutando. Em cada escola a saída é tentar encontrar as melhores alternativas e enfrentar e denunciar aqueles que não nos querem deixar repor.
      Bebel

      Responder
  • 23. Thiago  |  28/06/2015 às 17:28

    Bebel, outra coisa que pode nos prejudicar e peço a atenção do sindicato.
    Na minha escola os alunos moram longe e em julho terão grande dificuldade de ir até a escola para repor. A nossa supervisora disse que não considerará reposição se comparecer menos da metade dos alunos por sala. O transporte, devido ao contrato, não levará os alunos até a escola em julho.

    Mas o poder público tem que garantir o direito dos alunos para terem os 200 dias letivos. Não posso buscar os alunos na porta da casa deles. Não tem como a apeoesp entrar com uma liminar para exigir que o governo ofereça trasporte para alunos que vão repor aula? Grato!

    Responder
    • 24. apeoesp  |  05/07/2015 às 14:11

      Prezado professor Thiago,
      Há uma semana tento uma reunião com o Secretário para tratar dessas questões, mas ele não me recebe. Quem sabe agora, com a liminar do STF, ele se disponha a conversar.
      Bebel

      Responder
  • 25. Tiago  |  29/06/2015 às 17:55

    olá bebel
    Diante do fim da greve e sem aumento salarial, séria justo que o governo pelo menos terminasse com a duzentena e chamasse os concursados . Acredito que deveria haver pressão sobre esses dois pontos.Tem alguma resposta sobre os mesmos.

    Responder
    • 26. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:50

      Prezado professor Tiago,
      O Secretário afirma que está em mãos do Governador o projeto de lei que altera a contratação dos professores da categoria O. Também assegura que haverá convocação dos concursados no segundo semestre.
      Bebel

      Responder
  • 27. Elizete Medeiros  |  30/06/2015 às 19:25

    Presidenta Bebel,
    Em comunicado de 23 de junho a CGEB/CGRH citava especificamente a EJA e demais cursos semestrais e orientava que a reposição fosse feita “além das aulas presenciais, por meio de atividades ou projetos interdisciplinares(…)” . A questão é que essa resolução foi republicada em 26 de junho sem essas orientações e chegou às UEs dessa forma. Ora, querem que façamos a reposição das aulas dos cursos semestrais até 31 de julho, mas sem essa viabilização isso será humanamente impossível. Como ficará então a reposição dos cursos semestrais?

    Responder
    • 28. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:38

      Prezada professora Elizete,
      Há uma semana estamos tentando um reunião com o Secretário da Educação, que se recusa a nos receber. Vamos levar todos esses casos que vem ocorrendo para exigir respostas. Por enquanto, enviamos por escrito, mas ainda nada recebemos.
      Bebel

      Responder
  • 29. FELIPE C. SILVA  |  01/07/2015 às 09:58

    OLÁ BEBEL, PRECISO SABER COMO FICOU A SITUAÇÃO GERAL DO PROFESSOR CATEGORIA O ATÉ O EXATO MOMENTO, FORMAS DE CONTRATAÇÃO, DIREITOS AO HOSPITAL DO SERVIDOR, E SITUAÇÃO DE REPOSIÇÃO?

    Responder
    • 30. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:29

      Prezado professor Felipe,
      A informação da SEE é de que os projetos estão nas mãos do Governador para encaminhamento à Assembleia Legislativa. Não conhecemos seu teor exato.
      Bebel

      Responder
  • 31. Prof Clóvis  |  01/07/2015 às 19:17

    Os aprovados no concurso PEB1, que pagaram para fazer os exames para ingresso neste ano, vão repetir os exames o ano que vem e gastar novamente? Vale lembrar que foram orientados para fazê-los no dia da escolha.

    Responder
    • 32. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:26

      Prezado professor Clóvis,
      Mais uma prova da desorganização e descaso da SEE. Vou levar a dúvida ao Secretário, quando nos receber, pois vem se recusando a fazê-lo.
      Bebel

      Responder
  • 33. Carlos  |  02/07/2015 às 12:44

    Agora que o sindicato conseguiu postergar a posse dos convocados PEB I para 2016 (vcs sempre foram contra a possem no meio do ano), o mínimo que vcs deveriam fazer em acordo com a SEE para ajudar os prejudicados é que estes tenham o direito de fazer a perícia médica. Infelicidade essa decisão súbita que está prejudicando os professores que já estão com os exames em mãos. No mínimo que deem a estes professores o direito à perícia e aí sim, postergar a posse para 2016.

    Responder
    • 34. apeoesp  |  05/07/2015 às 13:22

      Prezado professor Carlos,
      O que o leva a crer que o sindicato teve participação nesta decisão? Acho que antes de afirmar algo, você deveria perguntar, não?
      Agora, você tem razão: o sindicato concorda que não hajam ingressos no meio do ano, que desorganizam o processo pedagógico e prejudicam os professores que estão ministrando aulas.
      Quanto à perícia médica, vou discutir o caso com o Secretário, mas saiba você que ele vem se recusando a receber a APEOESP.
      Bebel

      Responder
  • 35. Angelica  |  06/07/2015 às 00:02

    Boa Noite, na UE em que trabalho estamos tendo um pouco de dificuldade para montar o cronograma de reposição, pois a direção bate o pé ao dizer que só podemos dar 8 aulas ao dia. Isso está correto? Não seriam 9 aulas?E ouvi rumores que durante a reposição poderiamos das 14 aulas ao dia. Por favor, me esclareçam qual das informações é a correta para podermos partir deste ponto! Desde já agradeço.

    Responder
    • 36. apeoesp  |  11/07/2015 às 12:17

      Prezada professora Angelica,
      Com o cumprimento da liminar, vamos procurar o Secretário da Educação na segunda-feira para que seja definido como fica a reposição. Vamos levar todas essas questões.
      Bebel

      Responder
  • 37. Vera Lacerda  |  09/07/2015 às 18:10

    Por motivos pessoais não pude fazer a greve. Paralisei em dias pontuais. Cumpri horário sem alunos. Tenho que repor?

    Responder
    • 38. apeoesp  |  11/07/2015 às 11:04

      Prezada professora Vera,
      Segundo a SEE, devem ser repostas todas as aulas não ministradas, seja por motivo de greve ou não. Se não houve alunos, tem que repor.
      Bebel

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Mensagem da Presidenta da APEOESP às professoras

Clique no play para ouvir.

Blog Stats

  • 4,830,441 hits

%d blogueiros gostam disto: